Ciclo Solar sem força

Já informamos que, ao contrário do que dizem os pseudos, o Sol anda com pouca actividade, já que estando nós perto dum pico solar, o número de tempestades solares deveria ser muito maior.
O mês de Outubro, provou-nos isso mesmo:

Nas palavras de Guillermo Giménez De Castro:
“A atividade solar está ficando muito aquém das estimativas. A seis meses do máximo previsto, está tudo calmo demais. Aliás, a tendência dos últimos quatro meses parece ser de baixa, em vez do contrário. Nem o mês de outubro com uma semana muito ativa que incluiu um evento “X”, conseguiu inverter a dinâmica. Tudo indica que teremos um “verão solar muito frio”.”

4 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

  1. Cientístas previram que estações de redistribuições de energia seriam afetadas por tempestades solares, que não teriam capacidade de lidar com esse exesso de energia vinda do sol. Ocorreriam curto circuítos e emfim apagões.

    Ocorreram vários apagões no Brasil e na India pelo que sei recentemente (talvez outros lugares mas não tenho essa informaçã0), que são dois países insulares.

    E a previsão dos cientístas seria que os apagões seriam mais intensos nos países insulares, exatamente por terem mais incidência solar.

    A causa dos apagões foi curto-circuíto, e segundo os cientístas seria isso mesmo que seria o sintoma sentido nas centrais de redistribuição de energia.

    Mas não houvi ninguém falando que algum apagão recente teria uma tempestade solar como fato originador.

    Estão previstas estes apagões, minha dúvida é, será que eles já não estão acontecendo?
    Se não, será que temos previsão de quando vão acontecer?

    E mais.
    Alguém esta fazendo algo pra prevenir a ocorrência dos apagões?

    Sei que nos EUA foi aconselhado, estocar agua e pilhas.

    Mas creio que haja condições de adaptarmos as centrais de redistribuição de energia para sofrer menos danos com as tempestades solares.

    No caso, creio que bastaria uma cúpula de um material isolante que iria reduzir muito as consequencias das tempestades solares.
    Mas pelo que sei, não há nenhuma pesquisa neste sentido.

    Agora OFF, pro Carlos.
    Carlos, que tal criar um tópico específico sobre esse assunto?

    “Oque estamos fazendo para nos precaver dos apagões?”

    1. Quando foi previsto isso e onde?

      É que eu não vi qualquer previsão desse género.
      Pelo contrário, vi os jornalistas e os pseudos divulgarem esse género de informações por interpretações erradas do que disseram os cientistas.

      abraços

    2. Xevious,

      Não há relação entre os apagões ocorridos no Brasil e EMCs.

      O último apagão que ocorreu no país foi devido à hidrelétrica do Sobradinho, localizada no estado da Bahia, estar apenas com 24% do seu nível – devido à falta de chuvas na bacia do rio São Francisco. Portanto, o jovem Xevious deve ser cauteloso quando se deparar com algum sítio pseudocientífico que associam, implicita ou explicitamente, este tipo de fenômeno com o calendário maia. 😉 Este (fenômeno), todos nós sabemos, é cíclico, e a probabilidade é de ser menor que os últimos.

      Note como nasce uma teoria conspiratória: numa mente que tem plena convicção que absolutamente tudo é manipulado e, ainda por cima, piorando, são mais desejosos por cataclismos que o contexto do experimento dos cães do Pavlov, viu estes dois fatos e imediatamente foi levantada esta hipótese. Mas hipótese não é teoria. 😉 Porém, como se é de costume, os pormenores e a “atmosfera” de determinados sítios já deixam, subentendido, que existia uma correlação destes. No apagão que ocorreu em fevereiro de 2011, o Center for Weather Forecasting U.S. Space (SWPC) registrou um repentino pulso eletromagnético de oito nanoTeslas e, no mesmo instante, houve um apagão em oito estados do NE brasileiro, ocasionando pane em uma linha de transmissão de uma subestação local. Segundo o Márcio Zimmermann, houve falha no cartão de proteção da subestação. Mas não existe qualquer correlação entre o apagão e as EMCs. Sobre este blecaute no fornecimento de energia, li algo a respeito deste relatório entregue à ANAEEL por parte da ONS no sítio do Tribunal de Contas da União, que retomo aqui e é compreendido como sendo falha humana, e não ejeções de massa coronal:

      http://portal2.tcu.gov.br/portal/page/portal/TCU/imprensa/noticias/noticias_arquivos/003.868_2011-7.pdf

      Naturalmente, um engenheiro eletricista pode explicar-nos a problemática em operadores religarem incorretamente uma linha.

      Abraços.

    3. Nem o Brasil nem a Índia são países insulares, penso que queria afirmar o contrário, não?

Responder a Carlos Oliveira Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.