Google+

«

»

Jul 15

Battlestar Galactica

Battlestar_Galactica_intro

Battlestar Galactica foi sem dúvida a melhor série de Ficção Científica da primeira década do século XXI. Acabou em 2009.

A série de 1978 foi recriada e ficou absolutamente fenomenal.
Ganhou inclusivé um Emmy.
Além de histórias fantásticas que nos prendem ao ecran, a crítica social e actualizada está sempre presente, levando a uma série de episódios a não perder.

No final da 4ª época, eles finalmente chegaram à Terra, mas esta não é o que eles esperavam:

Gostei de ver este espectacular vídeo, legendado em português, que contrapõe a BG do final dos anos 70 com a BG do novo milénio.

E os contrastes até estão “cantados” de forma engraçada…

bsg_un

A série é tão real, tão fantástica na forma como examina vários assuntos actuais dos humanos na Terra, que vários dos seus actores e produtores foram convidados para uma sessão especial nas Nações Unidas!
O painel dos convidados consistiu nos actores Mary McDonnell (presidente Laura Roslin) e Edward James Olmos (Almirante William Adama), e nos produtores executivos Ronald D. Moore e David Eick. A moderadora foi a famosa actriz e fã do show, Whoopi Goldberg.

Os assuntos discutidos foram relacionados com temas com que as Nações Unidas lidam todos os dias, e que a série analisou nos seus episódios: direitos humanos, conflitos armados, papel das crianças, terrorismo, reconciliação entre partes em conflito, guerra, diálogo entre civilizações, fé religiosa, e moralidade.
Leiam mais sobre isto, no site das Nações Unidas.

battlestar-galactica-last-supper

Sabe-se que na série algumas “torradeiras” são parecidas com humanos.

Esta é uma delas:

Battlestar Galactica

Para não confundir humanos com cylons, e para detectar se algum dos vossos amigos é cylon, os iPhones podem ter um programita que após tirar a foto deles, faz um scan, e diz se eles são humanos ou cylons.

cylon_detector_iphone

cylondetector-thumb-300x450

cylondetector2-thumb-300x450

Mas há outra forma de detectar Cylons.
A música de Bob Dylan, All Along the Watchtower, recriada pelo Bear McCreary, faz com que um “interruptor” se ligue na mente dos “humanos” que a ouçam, e se apercebam que eles próprios são Cylons.

Vejam se se tornam cylons, ouvindo parte da música na série:

Em vários fórums já há muito gente desiludida por não serem cylons! 😀
Frakking Cylons!!! 😛

Acerca do autor(a)

Carlos Oliveira

Carlos F. Oliveira é astrónomo e educador científico.
Licenciatura em Gestão de Empresas.
Licenciatura em Astronomia, Ficção Científica e Comunicação Científica.
Doutoramento em Educação Científica com especialização em Astrobiologia, na Universidade do Texas.
Criou e leccionou durante vários anos um inovador curso de Astrobiologia na Universidade do Texas.
Foi Research Affiliate-Fellow em Astrobiology Education na Universidade do Texas em Austin, EUA.
Trabalhou no Maryland Science Center, EUA, e no Astronomy Outreach Project, UK, recebeu dois prémios da ESA, e realizou várias palestras e entrevistas nos media.

5 comentários

3 pings

Passar directamente para o formulário dos comentários,

  1. Ângelo Fernand

    O BSG é das melhores séries que já. Como dizes Carlos as histórias e a sua fluidez prendem qualquer um ao ecrã e, apesar de se passar no espaço, a sua crítica social é bem pertinente e real.

    Creio que se não fosse Sci Fi, teria um sucesso maior junto do público em geral.

    Agora é esperar até Janeiro para os derradeiros últimos episódios.

  2. Jorge Almeida

    Se quiser falar mais sobre ficção científica, o qual é um tema permitido na lista, junte-se à nossa lista. 🙂 À vontade. 🙂

  3. Anaísa

    Pelo resumo interessou-me o tema da série, nunca vi :S

    Sabem se existe algum site onde possa fazer o download para a ver ou se actualmente algum canal a esta a transmitir?

    1. Carlos Oliveira

      Um dos nossos leitores, disse agora num comentário que a série está a passar na TV Cabo em Portugal, um episódio por dia:
      http://www.astropt.org/2011/10/31/espelho-de-einstein/comment-page-1/#comment-47984

      Já agora, deixo também o meu comentário com a análise à série:

      Eu já tinha adorado nos anos 80 🙂

      E adorei esta nova série. Adorei mesmo.
      Acho que tem demasiado religião… mas fora isso, achei fenomenal.
      Um Deus vs. Muitos Deuses, Criação revoltar-se contra o seu criador (Lucifer, Humanos no Paraíso, etc), alguns personagens no final percebe-se que são anjos, questões de moralidade (onde está o Bem e o Mal, sem se saber muito bem onde está), … etc….
      O episódio final, por exemplo, é bastante religioso…

      Por toda a série, mas sobretudo nos últimos episódios, fala-se muito de um “higher power” que está a controlar tudo. E que as coisas são feitas, as coisas acontecem, de acordo com esse plano… divino.

      Mas a verdade é que a religião está presente em grande quantidade em muita ficção científica, e na Battlestar Galactica deu-lhe um toque especial.

      A ideologia de tudo se repetir também é falada muitas vezes, sobretudo na última temporada.
      O que dá a entender que tudo se irá repetir novamente, e que estamos numa dessas repetições. No final, até se dá a conhecer as notícias actuais sobre o desenvolvimento de bonecos que falam com as crianças, etc, e com o desenvolvimento cognitivo de brinquedos… de modo a dar a entender que estamos no caminho para desenvolver Cylons.

      E, claro, tal como no Hitchhiker’s Guide to the Galaxy, ficamos a saber que os nossos antepassados são… os descendentes que se salvaram de culturas noutros planetas. Esses refugiados chegaram à Terra, interagiram com Neandertais (matando-os, e tendo encontros sexuais com eles), e evoluíram para o que hoje conhecemos como Homo Sapiens sapiens. Eles são os nossos antepassados.
      Ou seja, muitos de nós seremos descendentes diretos de Cylons. Mas o mais provável é que todos nós temos certamente ainda traços de Cylons no nosso ADN 😀

      Como em toda a ficção científica, os episódios também tinham muito do que era a sociedade da altura. Tem muitas críticas sociais.
      Exemplo: o episódio em que os Cylons invadem o planeta onde os humanos se tinham escondido, apareceu após os EUA terem invadido o Iraque. Aliás, no episódio a discussão em volta dos ataques suicidas dá-nos a outra perspectiva… porque estamos do lado dos Humanos.

      Aliás, a série foi tão excelente a nível social, que os actores e produtores da série foram chamados à ONU.

      Continuo a dizer que foi a melhor série de ficção científica do século XXI… até ver 🙂

      A seguir veio uma série, Caprica, que é a prequel da Battlestar Galactica… como foram desenvolvidos os Cylons:
      http://www.astropt.org/2010/01/29/caprica/

      E agora virá uma nova série que vai retratar a 1ª guerra com os Cylons, antes deles serem semelhantes aos humanos, e que foi uma guerra que eles perderam e foram remetidos ao exílio:
      http://www.astropt.org/2010/10/24/battlestar-galactica-blood-chrome/

      abraços

  4. Carlos Oliveira

    http://www.avclub.com/tvclub/battlestar-galactica-the-oath-23258

    Starbuck to Adama: “They are not your men anymore. They are the enemy.”

    — Poderoso! 😀

  1. TOP 100

    […] – Ficção Científica: Battlestar Galactica. V. Buck Rogers. 3º Calhau a Contar do Sol. Eles São Feitos de Carne. Star Trek […]

  2. Não quero ser Humano

    […] Uma citação interessante da máquina, que é o padre Cavil, na fabulosa série Battlestar Galactica: […]

  3. O Jogo da Imitação

    […] presença de um humano. O famoso filme Blade Runner é baseado nestas ideias de Turing. Na série Battlestar Galactica, existem máquinas deste tipo: indistinguíveis de […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>