Mercúrio

A sonda Messenger chegou ao planeta Mercúrio em Janeiro de 2008.
Enviou para a Terra as primeiras fotos do hemisfério desconhecido do planeta. Há anos que se esperava por estas imagens. Ver o inexplorado. O que nunca ninguém tinha visto.
O que esconderia o planeta? Como seria? Provavelmente, crateras e mais crateras. Que relevo existe no lado desconhecido? Que processos operaram? Será que haveria supresas?
Mercúrio ainda é um desconhecido. Ainda nos intriga. Um bocado de rocha esburacado com campo magnético. Ainda é um planeta estranho. Ainda tem coisas para contar. E é por isso que vamos lá. Para o ver mais de perto.

Há obviamente um certo exagero quando dizemos que a Messenger vê uma parte desconhecida de Mercúrio. O lado é conhecido a partir de observações terrestres, mas não com detalhe suficiente. E é isso que a Messenger vê. Mercúrio de perto, essa é que a grande novidade. O que sabemos vai então ganhar uma nova visibilidade. Há pouco tempo, Gerald Cecil publicou um artigo famoso sobre o tal lado desconhecido. Dá uma boa ideia do que sabemos. Não é muito, mas é alguma coisa.

mercurio
Apenas 35% da superfície de Mercúrio pôde ser cartografada geologicamente no tempo da Mariner-10. Na verdade, 50% da superfície estava na sombra quando a sonda passou e 15% foram fotografados com demasiada inclinação.
Percebe-se agora o salto enorme que estamos a dar com a Messenger.
É um lado oculto que se revela perante nós. As imagens mostram um terreno cheio de impactismo. Conseguimos ver a bacia de Caloris na sua totalidade, que assinalei na foto mais abaixo com um círculo. Mas não é muito diferente do que estava à espera. Enfim, gosto de ver, mas está dentro do previsível. Um mundo morto com o registo de uma longa história. Um mundo que esteve uma eternidade à nossa espera e que agora vemos pela primeira vez. Já agora vale a pena ler as crónicas de Emily Lakdawalla sobre o assunto.

A MESSENGER (MErcury Surface, Space ENvironment, GEochemistry and Ranging) é uma sonda que a NASA lançou em 2004 com o objectivo de estudar o planeta Mercúrio.
Passou pela 1ª vez por Mercúrio a 14 de Janeiro de 2008, a 2ª vez a 6 de Outubro de 2008, e a 3ª vez a 29 de Setembro de 2009, ficando em órbita do planeta a partir de 18 de Março de 2011. Vejam a sua trajectória.
Na 3ª aproximação, passou a cerca de 200 quilómetros do planeta. No final, 95% do planeta ficou mapeado.
Como nos disse o colaborador José Saraiva, as fotos que a MESSENGER tirou a Mercúrio estão excelentes, e podem ser vistas aqui, aqui, e aqui.
Fica aqui uma amostra de imagens de Mercúrio tiradas pela MESSENGER:
Messenger 1
Podem ver a imagem com 20Mb, clicando aqui.
Messenger 2
mercury
Messenger 3
Messenger 4
mercury basin crop
Mercury close up
A APOD traz o anel interior dentro de uma cratera em Mercúrio:
double basin

Mercury
Com algumas imagens da Mariner 10 dos anos 1974 e 1975, e muitas imagens dos recentes 3 “flybys” da MESSENGER, foi concluído o primeiro mapa global da superfície do planeta Mercúrio.

Mais de 1000 imagens depois da sonda Messenger lá chegar, Mercúrio parece-se muito menos com a Lua do que anteriormente se pensava.
As “rugas”, algumas estruturas no terreno – como a “aranha” -, o vulcanismo passado, o campo magnético, e o facto de continuar a diminuir de tamanho, torna este planeta bastante mais interessante do que se previa.
Podem ler mais sobre isto, aqui e aqui.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.