Signos

astrologia

No passado escrevi este post sobre a fantasia da astrologia.

Leiam este artigo completo do Projecto Ockham, com os aspectos nebulosos, experiências feitas, a psicologia (esqueceram-se do efeito placebo), e as conclusões.

“No final do século XIX e início do século XX, a astrologia sofria um grande declínio, porém voltou a florescer durante os anos 70, e actualmente é quase impossível encontrar alguém que não saiba qual é o seu signo ou que nunca tenha lido no jornal o que os astros lhe reservaram para aquele dia. Outros vão mais longe e consultam os astros para tomar decisões do tipo quem contratar para um emprego ou em quais acções investir. (…)
A base da astrologia é simples: a personalidade e o destino de uma pessoa ou nação são governados pela posição dos astros no momento do nascimento. (…)
A astrologia surgiu no vale dos rios Tigres e Eufrates por volta de 3000 a.C. Os mesopotâmios e os babilónios acreditavam que o movimento dos planetas, do Sol e da Lua influenciavam os destinos dos governantes e das nações. Ela começou a se espalhar pelo Ocidente quando os gregos absorveram parte da cultura babilónica por volta de 500 a.C. E por volta de dois séculos antes de Cristo, eles a democratizaram ao atribuir a influência dos astros sobre a personalidade e o futuro de todas as pessoas e não apenas dos governantes e das nações. (…)
A nomeação das constelações do zodíaco como nós as conhecemos data da época da criação da astrologia pelos babilónios, ou seja entre 2000 e 3000 a.C. Naquela época, em seu caminho aparente pelo céu (denominado eclíptica), o Sol transitava por doze constelações, os signos zodiacais. Mas, devido à precessão da Terra, isto mudou e atualmente o Sol transita por treze constelações. (…)
Alguns astrólogos afirmam que realmente não é nenhuma das forças conhecidas o mecanismo por trás da astrologia. (…)
Alguns astrólogos baseiam suas previsões ou conclusões nas posições dos planetas. Antigamente, como não se conheciam nem Neptuno, Úrano ou Plutão, as previsões não levavam em consideração estes planetas (…).
Os signos zodiacais continuam sendo definidos pela data do nascimento da mesma forma que no tempo de Ptolomeu (85-165 d. C.). O signo solar deveria indicar a constelação em que o Sol está no momento do nascimento, mas os astrólogos atuais utilizam as constelações erradas, porque esquecem de computar a precessão da Terra. Será que a definição do signo solar deveria ser a constelação em que o Sol vai estar daqui mais ou menos um mês do nascimento? Porque hoje em dia é isto que ocorre, além de não considerarem o trânsito do Sol em Ofiúco. Na época dos babilónicos a constelação de Ofiúco não fazia parte do zodíaco, mas hoje em dia esta constelação relativamente grande pertence ao zodíaco devido à precessão. (…)

Zodiac

A característica fundamental da Ciência é a observação da natureza e a experimentação. Em outras palavras, ao observar um fenómeno o cientista cria uma teoria para explicá-lo, faz previsões a partir da sua teoria e realiza experimentos para verificar se as previsões estão corretas. Se a astrologia aspira a ser uma Ciência deve ser julgada pelos princípios científicos. Primeiro de todos: o ónus da prova cabe a quem faz as alegações. Ou seja, cabe aos astrólogos provar que a astrologia funciona. No entanto, os efeitos das posições dos planetas e da Lua em qualquer pessoa na Terra nunca foram demonstrados em qualquer estudo sistemático revisado. (…)
Defensores da astrologia psicológica argumentam que a astrologia existe há milhares de anos e tem sido correta na descrição da personalidade das pessoas. Este argumento se baseia somente no testemunho de consumidores felizes com seu horóscopo e os conselhos recebidos e não valida a astrologia como Ciência. Isto simplesmente confirma a eficácia da leitura fria, o efeito Forer e a predisposição para a confirmação. (…)
Este é um exemplo de alegações que não podem ser testadas e asserções que não podem ser negadas, as quais não possuem valor algum, não importa o quão maravilhosas e inspiradoras elas sejam. Além disso, os astrólogos e outros seguidores de pseudociências criam explicações ad hoc: para cada teste proposto ou realizado eles apresentam suas explicações especiais. (…) A astrologia existe há cerca de 5000 anos e até hoje não foi apresentado nenhum mecanismo que explique porque a posição de alguns corpos celestes (aqueles visíveis a olho nu e os planetas descobertos mais recentemente) têm influência sobre a personalidade e destino das pessoas. Nesse mesmo tempo a Astronomia evoluiu desde o geocentrismo até o espaço curvo de Einstein. (…)
A Astrologia pode ser considerada uma Arte e como todos os oráculos (jogo de búzios, tarô, quiromancia, etc) não possui nenhuma base científica. (…)”

astrologia2

Leiam este artigo na Física Moderna.

“Antes de mais nada, o signo de uma pessoa, também chamado pelos astrólogos de signo solar, corresponde teoricamente à constelação que fazia pano de fundo para o Sol no dia em que ela nasceu. (…)
Atualmente, contrariando a Astrologia, a Astronomia prevê que o Sol atravessa 13 constelações zodiacais ao longo do ano e não apenas 12. Logo, devem ser 13 signos e não apenas 12! O décimo terceiro signo é Ofiúco, a constelação do Serpentário. Mas a Astrologia ignora tal fato que é real e observável por qualquer pessoa atenta e com paciência para olhar o céu entre 30 de novembro e 17 de dezembro quando o Sol estará dentro dos limites da constelação de Ofiúco. (…)

ophiuchus

(…) a Astrologia (…) embora use o movimento dos astros, nada tem a ver com a Astronomia. A Astrologia faz cálculos médios, ignora a precessão do eixo terrestre, e prega que os astros podem influenciar comportamentos na Terra, o que para a Astronomia não faz o menor sentido.”

zodiaco_05

E leiam na Revista Galileu.
“Há 84% de chance de que o Sol estivesse na verdade uma constelação “atrás” daquela que dá nome para o seu signo (ou seja, que estivesse em peixes, se você é ariano, e assim por diante). E 2% de que a distância seja não de uma, mas sim de duas constelações. (…)
Acredita-se que as primeiras observações sistemáticas do céu tenham sido motivadas pelo desenvolvimento da agricultura, cerca de 10.000 a.C. Movido pela necessidade de planejar a atividade de plantio, o homem pré-histórico observava o Sol, a Lua e as estrelas para poder reconhecer os sinais dos ciclos das estações. (…)
À medida que a Terra muda de posição, ao longo do ano, o lugar do Sol em relação às estrelas fixas da eclíptica varia. Isso acontece porque o movimento do Sol na eclíptica é na verdade resultado do movimento de translação da Terra em torno do Sol. (…)”

No Astronomia para Todos, o João Lopes colocou uma tabela com a data actualmente correcta dos signos, de acordo com a Precessão dos Equinócios.

zodíaco

Ao contrário do que a astrologia diz, actualmente existem 13 signos do Zodíaco.
Ao contrário do que a astrologia diz, a data em que o Sol está “sobre” uma determinada constelação é diferente do que era há 2000 anos atrás. Por exemplo, eu afinal não sou Leão, mas sim Caranguejo.
E, ao contrário do que a astrologia diz, alguns signos duram muito mais do que outros (comparem, por exemplo, Virgem com 45 dias e Escorpião com somente 6 dias), o que se deve não só ao tamanho das constelações, mas sobretudo ao tempo que o Sol demora em cada constelação.

12 comentários

6 pings

Passar directamente para o formulário dos comentários,

  1. Alguns anos atrás conversei com um astrólogo indu e ele disse que eu seria de LIBRA e não escorpião. Ele disse que na India os cálculos astrológicos são feitos observando o céu e não através de tabelas como no Ocidente. Ele me disse que as posições das casas astrológicas tinham mudado.
    Faz sentido, por exemplo, é difícil aceitar que Hitler fosse Touro com ascendente em Libra, essas seriam as características de uma pessoa magnânima e amorosa. Pela nova observação do céu, no entanto, Hitler era de ARIES com ascendente em VIRGEM, características de pessoas obstinadas e calculistas, enfim…

    1. LOLLLLLLLLLLLLLLLLL

      e com as estrelas de Aries pode fazer uma cadeira e dizer que Hitler era um preguiçoso…. LOLLLLLL

      enfim…

    • Gabriel Gonçalves on 12/01/2014 at 02:18
    • Responder

    Hehe, apenas uma coisinha para complementar (ou não, pois não tenho total certeza se isso é verdade ou não) do ótimo texto do amigo Carlos Oliveira. Lembro-me de ter lido em um site, que também falava sobre as várias incongruências da astrologia, que na verdade o Sol atravessa 14 constelações. A 14º, que não foi citada no texto, seria a constelação que chamamos de Baleia (Cetus), onde o Sol permaneceria apenas algumas horas por ano. Fazendo uma simulação no software Stellarium pude verificar isso, mas como o software não é 100% confiável, continuei na dúvida. Essa informação procederia? (Não que ela vá adicionar algo a mais em toda essa história, mas apenas por curiosidade)
    Parabéns por mais um ótimo texto, Carlos.

    1. Sim, depende da forma como desenha a constelação… uma “baleia” mais “gorda” ou mais “magra” faz toda a diferença… 😉

      Veja esta imagem, da IAU e da Sky Telescope, que coloca a eclíptica a tocar na fronteira dessa constelação 😉
      http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/f/f3/Cetus_IAU.svg
      http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/1/16/Cetus_constellation_map.png

      abraços!

    • Ana Guerreiro Pereira on 01/12/2011 at 21:54
    • Responder

    “Deixe a astrologia para quem busca o autoconhecimento.”

    LOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOL

    Já me engasguei de tanto rir. Tens uns comentadores muito funnys, tens sim!!! LOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOL

      • Ana Guerreiro Pereira on 01/12/2011 at 21:57
      • Responder

      “O objetivo da astrologia é abrir a mente para o universo.”

      LOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOL

      ai, parem, parem, seus foliões! 😀

      já estou a imaginar um cérebro a voar para o universo. Explicava mta coisa, sem dúvida.

      É pena q nessas buscas pelo autoconhecimento não encontrem o conhecimento de que se estão a enganar a si mesmos. 🙁 É tão trágico que já nem me consigo rir.

  2. Mario,

    Mostrou no comentário anterior que IGNORA a ciência, que IGNORA as observações, e que IGNORA os factos astronómicos. Mas hipocritamente continua a fazer uso desse conhecimento no dia-a-dia.

    Neste comentário, tornou a meter água.

    “O amigo nunca fez um bom mapa astrológico”
    Sim, já fiz. Vai inventar mais alguma mentira? Ou ficamos já por aqui?

    “e não conhece como é a sensação de receber informações, as quais vai identificar como sendo 100% relacionadas a sua vida.”
    A psicologia explica bem isso.

    “Astrologia pode ser uma psicologia barata”
    Exacto! É o que é. E MAIS NADA além disso.

    “é o sistema solar visto a partir da Terra, estamos falando das estações basicamente.”
    Mete na mesma frase dois assuntos completamente diferentes, mostrando que não sabe do que fala.
    As estações NÃO TÊM NADA A VER com o resto do Sistema Solar. Só dependem da Terra e do Sol. Mais nada. Novamente, não sabe do que fala!

    E, torno a REPETIR, que se esquece de um movimento BÁSICO da astronomia que é o sistema solar orbitar a galáxia.

    “Os astrônomos podem não entender como se utiliza um mapa astrológico, a área deles é outra, estão entrando na área de outros profissionais, não são especialistas em astrologia, e parece que também não consultaram alguém dessa área.”
    Interessante!
    Já pensou em seguir os seus conselhos?
    É que eu, SIM, tenho conhecimentos de astrologia.
    Já o Mário tem deixado nestes seus comentários uma PÉSSIMA imagem dos seus conhecimentos de astronomia.
    Como tenho referido continuadamente, o Mário tem metido muita água em termos de conhecimentos astronómicos.
    Por isso, tendo em atenção a sua própria frase, o Mário NÃO deveria entrar nas áreas astronómicas! NÃO entre na área dos profissionais da astronomia! Ou seja, páre de falar do Sistema Solar, páre de falar de Estações, páre de falar do Zodíaco… em resumo, páre de falar de astronomia, porque é visível que tem graves deficiências nessa ciência.

    “O amigo precisa entender que nem tudo o se sabe será suficiente, sempre haverá muito mais para entender.”
    Isto é o objecto da CIENCIA.
    Não meta as mentiras da pseudo-ciencia no mesmo saco.

    “O objetivo da astrologia é abrir a mente para o universo.”
    Exacto! Abre tanto a mente, que perde o cérebro…

    O Mário é livre de acreditar no Pai Natal.
    Mas aqui, um sítio de ciência, discute-se factos cientificos e pensamento científico. Exemplo: o zodiaco é um facto cientifico.
    Se quer continuar a acreditar em fadas e unicórnios, está no seu direito, mas certamente que terá outros sítios que concordem com a sua FÉ nesses assuntos.

    Em termos de LITERACIA, é totalmente inaceitável que as pessoas, no século XXI (com telemóveis, aviões, internet,…), continuem a defender ideias anti-ciência – ideias bastante disseminadas na chamada Idade das Trevas (assim chamada devido às paranoias e imbecilidades de crenças anti-ciência que as pessoas tinham).

    abraço!

  3. syntonia.comO amigo nunca fez um bom mapa astrológico, e não conhece como é a sensação de receber informações, as quais vai identificar como sendo 100% relacionadas a sua vida.

    Também penso que ninguém é regido por astros, se trata de uma relação entre o individuo e o universo externo envolta, apenas isso é estudado pela astrologia.

    O amigo precisa estudar astronomia, que se enquadra melhor com seu temperamento. Deixe a astrologia para quem busca o autoconhecimento.

    O amigo faz a mesma coisa que esses astrônomos: mistura constelações com signos. Para a astrologia tropical, que usa o mapa geocêntrico, com a Terra no centro do mapa, o que chamamos de signos não são as constelações, é o sistema solar visto a partir da Terra, estamos falando das estações basicamente.

    O dia que fizer um mapa astrológico com um bom astrólogo, e se identificar em 100% com tudo o que é dito nessa leitura, nesse momento poderá reconhecer o uso equivocado das palavras ao referir-se tanto em relação aos astrólogos como pessoas que enganam aos outros.

    A vida não depende de astros, apenas do que cada um faz na relação com o universo, com tudo o que existe a sua volta e interiormente.

    Astrologia pode ser uma psicologia barata, mas pode ser também uma ferramenta poderosa para o autoconhecimento, depende de quem a usa. Por exemplo: uma pessoa agressiva, pode ser reconhecida pelo seu mecanismo de defesa, ela reage contra alguma coisa, que no fundo reside dentro dela mesma. Com a astrologia é possível identificar todo esse mecanismo e chegar até suas origens. A pessoa poderá identificar da onde vem tudo isso, tomar consciência e desenvolver uma visão maior sobre seu problema. Poderá ver possibilidades, e escolher mais e melhor. Esse é o objetivo da astrologia: ajudar as pessoas. Pelo menos para mim.

    Reconheço que esses horóscopos de revista realmente refletem uma péssima imagem da astrologia, mas é importante conhecer pessoas sérias que estudam e trabalham com seriedade.

    Os astrônomos podem não entender como se utiliza um mapa astrológico, a área deles é outra, estão entrando na área de outros profissionais, não são especialistas em astrologia, e parece que também não consultaram alguém dessa área.

    O amigo precisa entender que nem tudo o se sabe será suficiente, sempre haverá muito mais para entender. O objetivo da astrologia é abrir a mente para o universo. Do humano para o universal, o conhecimento amplia e torna as pessoas mais conectadas com tudo a sua volta: os elementos da natureza, os modos de expressão da natureza e o comportamento humano.

    Um abraço,
    Mario Gabriel Guarino,
    http://www.syntonia.com

  4. youtube.com…

    http://www.youtube.com/canal8ka

    TUDO O QUE VOCÊ NUNCA QUIS SABER SOBRE O SEU SIGNO! Websérie em 12 episódios que mostra as maluquices de cada signo.
    Saiba mais em http://astrolokos.8ka.com.br Novo episódio TODA TERÇA!

    Qual é o seu signo? Será que você vai se identificar com ele? Confira em ASTROLOKOS!

  5. Está enganado.

    Não existe um novo signo no zodíaco, são 13, como já eram.
    O astrónomo referiu correctamente. Os jornalistas é que imaginaram “novidades”.
    http://www.astropt.org/2011/01/14/campo-magnetico-e-ofiuco/

    Claro que há astrólogos que percebem a precessão, e outros astrólogos que a única coisa que lhes interessa é enganar o povo, SEM TEREM EM CONSIDERAÇÃO AS OBSERVAÇÕES!!

    Se não se tiver em conta as observações, até pode dividir o céu em 3 secções, ou em 40 secções, ou em 4000 secções… é indiferente. É enganar o povo com divisões aleatórias, que dependem da forma como o astrólogo acordou de manhã, e que não tem nada a ver com o céu. Ou seja, engana-se as pessoas dizendo que se faz as coisas dependendo dos objectos celestes, mas é mentira, porque não se quer saber disso!!!

    A partir do momento que se engana as pessoas dizendo que a vida delas depende das caracteristicas do animal que um miudo de 5 anos desenhou no céu… então está-se a ligar os signos às constelações. Se acha isso um erro, devia deixá-lo de fazer e devia dizer a todos os astrólogos para pararem de fazer isso…

    Não existem 3 movimentos básicos da Terra, mas sim 4. Anda, novamente, atrasado no conhecimento básico dos céus…

    Já agora, a Terra NUNCA fica voltada sempre para as mesmas “constelações”… anda enganado.
    Sabe que a Terra “anda pelo espaço” gravitacionalmente ligada ao Sol? E que o Sol orbita a galáxia?
    Parece-me que ignora mais esse facto básico da astronomia, que deita por terra qualquer ideia de ciclos astrológicos ou “rodas”.

    “Astrologia voltada para o autoconhecimento” – também conhecida por psicologia barata.

    Tem razão quando aos ciclos independentes, que têm diferentes velocidades.
    A ciência tem um ciclo que depende das observações e dos factos que se vão descobrindo. Daí que a astronomia já sabe que existe uma Precessão há mais de 2000 anos. A velocidade da evolução da ciencia, é impressionante!
    A astrologia, como pseudociencia que é, tem um outro ciclo independente, que ignora as evidências, que ignora as observações, que ignora o conhecimento dos últimos 2000 anos, e continua teimosamente a afirmar coisas totalmente desprovidas de sentido. A velocidade da astrologia é… parada… no conhecimento de há milhares de anos atrás. O objectivo é simples: enganar as pessoas, fazê-las reverter à Idade das Trevas, assim conhecida pelas inúmeras crenças nessas pseudociencias que só servem para fazer das pessoas estupidas.

    Mas lá está… existe liberdade de escolha.
    Existem aqueles que passam a vida a enganar os outros, e existem aqueles que querem passar a vida a ser enganados. Uns e outros estão no seu direito.

    O que a mim mais me chateia é a HIPOCRISIA. Se os astrólogos querem ignorar a ciência, a observação, e a realidade, estão no seu direito. Ignorem carros, computadores, internet, casas, etc… e vão viver para cavernas, usem burros, e morram de frio no Inverno, como acontecia há milhares de anos atrás (sigam essas formas de conhecimento de há milhares de anos atrás).
    Mas não! Eles querem todo o conforto e todas as vantagens do conhecimento actual, e simultaneamente manipulam as pessoas para essas ignorarem o conhecimento actual e seguirem os ERROS do passado.
    Essa é a hipocrisia dos pseudos, onde se incluem os astrólogos.

  6. syntonia.comNão existe um novo signo no zodíaco, são apenas doze

    A mídia mundial está divulgando uma notícia sobre uma descoberta astronômica, nos Estados Unidos, de um 13° signo zodiacal. * E esta notícia está espalhando-se pelo planeta com muito poder de mídia, e parece como se fosse algo planejado e previsto, que milhões de pessoas, não só vão ter acesso a ela como também vão encaminhar para seus contatos e redes sociais. Acredito que seja um bom teste para provar a velocidade e o poder da Internet.

    Trata-se de um assunto muito popular, e mesmo que muitas pessoas digam que não acreditam em horóscopos de revistas, não deixam de ler. E de repente chega alguém com uma notícia dessas, mais ainda sendo de um astrônomo dos Estados Unidos, e é claro que ela vai ser espalhada por todo o planeta rapidamente, criando a maior confusão global sobre o assunto.

    Esse astrônomo está falando sobre o sistema das constelações nesta época. Está confundindo constelações com signos, que para quem entende, são duas coisas distintas. E não está explicando que o ciclo das constelações dura 25.580 anos, se apegando apenas a um momento desse ciclo. É como falar de um jogador de futebol e da sua capacidade, mostrando apenas dois minutos da sua atuação em determinado jogo. É claro que esses dois minutos não vão poder explicar todo seu trabalho profissional. Por isso, vamos explicar melhor agora:

    Os signos zodiacais são a visão do sistema solar visto a partir da terra, uma estrada imaginária fina, com 360° graus de longitude, que tem como linha central a eclíptica, o trajeto que o sol percorre durante um ano, visto da Terra. Ou seja, o Chamado zodíaco nada mais é do que o sol, a lua e os planetas, transitando pelo sistema solar, e tudo baseado pura e exclusivamente no ponto de vista da Terra, enquanto esta se translada ao redor do sol. Neste movimento forma-se o sistema das estações dentro do ciclo de 365 dias. Em outras palavras, os signos zodiacais são algo relacionado apenas ao o sistema solar. Essa faixa de 360° graus é dividida em doze partes iguais de 30° graus, e cada uma delas corresponde a cada signo do zodíaco. Ou seja, um signo é uma área, um setor do céu, por onde passam o sol, a lua e os planetas do sistema solar. E este setor tem como pano de fundo o céu estrelado.

    As constelações zodiacais são estrelas no céu, vistas a partir da Terra. São o pano de fundo formado pelo céu estrelado. Quando falamos de constelações, na astrologia, nos referimos as eras astrológicas, como a era de peixes e a era de aquário, por exemplo, que são formadas justamente a partir do movimento do eixo inclinado da Terra, movimento em forma de cone, conhecido como precessão dos equinócios. Um ciclo que dura 25.580 anos. A cada 2.150 anos em média, o sol, no dia 21 de março, vai ter como pano de fundo uma nova constelação. Nesta época, encontramos o sol, nessa data, na fronteira entre a constelação de peixes e a de aquário. Por este fato astronômico, se diz que estamos entrando na era de aquário.

    Quando comparamos signos e constelações devemos considerar que se trata de dois ciclos diferentes e independentes. E a cada 25.580 anos, os signos e as constelações se encaixam na mesma posição, signos e constelações com o mesmo nome ficam alinhados. Em outras palavras, os signos do zodíaco, no mapa astrológico, não são estrelas, não são constelações, são planetas do sistema solar transitando por uma faixa fina do céu, com 360° graus de longitude ao nosso redor, chamada de zodíaco.

    A maioria dos astrônomos imaginam que a astrologia, que o mapa astrológico, se baseia nas constelações, e que estas se chamam signos. Mas isso não corresponde com a realidade, é uma informação distorcida. Digo mais, até uma boa parte dos astrólogos, que não são especializados em astronomia, também confundem signos com constelações. Os signos do mapa astrológico tratam apenas do sistema solar e não de estrelas, de constelações, que é outro estudo: o estudo das eras astrológicas.

    Esse astrônomo que divulgou a notícia está afirmando que signos são constelações, e que nesta época, aparece outra sequência com treze constelações, e que por isso, as pessoas tem treze signos. Ora, primeiro que signos não são constelações, e segundo que a sequência das doze constelações zodiacais ficam alinhadas com a sequência dos doze signos zodiacais com o mesmo nome somente a cada 25.580 anos, por se tratar de dois ciclos independentes, cada um a sua velocidade.

    A roda do sistema solar que forma os signos é um ciclo de um ano, baseado no movimento da translação da Terra ao redor do sol, que forma as estações. E a roda das constelações é um ciclo de 25.580 anos, que forma as eras astrológicas, baseado no movimento do eixo inclinado da Terra chamado de precessão dos equinócios.

    Se calculamos e desenhamos o mapa astrológico e astronômico da época de Jesus Cristo, para o dia 21 de março de 0001, vamos encontrar o sol no início do signo de Áries, e também com o pano de fundo do céu estrelado, a sua posição no início da constelação de Áries. O sol vai continuar sempre demorando um ano para passar pelos doze signos, justamente por ser a Terra quem realmente se translada ao redor do sol formando as estações.

    Nesta época, no dia 21 de março, temos o sol também no início do signo de Áries. O sistema dos signos não muda, assim como não mudam as estações. E vamos encontrar o sol, com o pano de fundo do céu estrelado, com sua posição no início da constelação de Peixes, quase entrando na constelação de Aquário. Ou seja, o fundo de estrelas vai mudando na velocidade média de uma constelação a cada 2.150 anos, e em sentido oposto ao sistema dos signos. As eras astrológicas vão de peixes para aquário e os astros do sistema solar transitam pelos signos de aquário para peixes.

    Hoje vemos no céu a bela constelação de Escorpião, e sabemos que nesse setor do céu encontra-se a área referente ao signo de sagitário. Na época de Jesus Cristo, nesse setor do céu podíamos encontrar a área referente ao signo de Escorpião. E a partir do ano 4.000, vamos encontrar nesse setor do céu a área referente ao signo de Capricórnio. Somente no ano 25.580, vamos olhar para o céu, e encontrar novamente, nesse setor do céu onde estará a constelação de Escorpião, a área referente ao signo de Escorpião. Ora, isso é a maior prova de que o astrônomo não enxerga pessoas, não vê o ser humano no ponto de referência central, no centro do mapa, e não entende que as pessoas identificam 100% de tudo o que é dito numa boa leitura de mapa astrológico.

    É claro que o Escorpiano da época de Jesus Cristo era tão apaixonado como o Escorpiano desta época. Ele não vai deixar de ser como é mesmo que passem 2.000 ou 4.000 anos. A astrologia coloca no centro do mapa astrológico o ser humano, a pessoa do mapa. E a astronomia, pelo que se percebe a partir dessa notícia, está querendo dizer, nas entrelinhas, que esse estudo não tem como funcionar assim. Não conheço esse astrônomo, mas, diria que ele precisa ter a experiência de fazer um estudo do seu mapa astrológico com um bom astrólogo. Garanto que sua vida vai mudar radicalmente, e que nunca mais vai pensar em difundir algo tão confuso.

    E para quem não sabe, o ascendente é baseado em outro ciclo, de 24 horas, e relativo ao movimento de rotação da Terra. Astrologia trabalha com três movimentos da Terra simultaneamente: precessão dos equinócios, translação, e rotação. São três rodas, cada uma a sua velocidade. Uma dentro da outra. E todas independentes, funcionando e rodando simultaneamente. O sistema das eras, dos signos e das casas, sendo o ascendente o ponto inicial da primeira casa do mapa astrológico, o ponto leste do local de referência.

    Sobre as duas rodas, a menor, composta de signos, roda dentro da maior, composta de constelações. A menor é o sistema solar e a maior são as estrelas no céu. A menor da uma volta em um ano, e a maior da uma volta em 25.580 anos. A menor é vista da Terra como as estações, por ser baseada na translação da Terra ao redor do sol, e a maior é vista da Terra como as eras astrológicas, por ser baseada no movimento do eixo inclinado da Terra, a precessão dos equinócios. Estas duas rodas, a dos signos zodiacais e a das constelações zodiacais, rodam simultaneamente, cada uma na sua velocidade, e uma vez a cada 25.580 anos, signos e constelações com o mesmo nome se encaixam, como aconteceu na época de Jesus Cristo.

    O que o astrônomo diz tem fundamento em parte, porém, está mal explicado, incompleto, deturpado ou distorcido. Ele congela uma única informação, descarta todo o conjunto de informações, e acaba passando para as pessoas algo confuso que não reflete a realidade. E tudo o que ele fala é baseado, basicamente, no fato de que não estamos na época de Jesus Cristo, onde signos e constelações estavam alinhados e encaixados com o mesmo nome. Seria pouco inteligente pensar, que um estudo tão sério, amplo e profundo como a astrologia, não leva em consideração todos os movimentos da Terra e do sistema solar, tendo como pano de fundo o céu estrelado com as constelações. Seria inteligente pensar em difundir uma notícia desse tipo pesquisando o assunto com um especialista na matéria de astrologia.

    Espero ter esclarecido este complexo assunto. Caso desejem mais informações, podem entrar em contato.

    Mario Gabriel Guarino
    Especialista em Astrologia voltada para o autoconhecimento
    Pesquisador de Astrologia e Astronomia desde 1983
    Contatos:
    Site: http://www.syntonia.com
    E-mail: syntonia.com@gmail.com
    MSN: syntonia@msn.com
    Tel: Brasil (21) 9165-0101

    * Matéria divulgada por centenas de sites:

    Astrônomos do Planetário de Minnesota, nos EUA, afirmam que, por causa da atração gravitacional que a Lua exerce sobre a Terra, o alinhamento das estrelas foi empurrado por cerca de um mês.

    A questão opõe astrólogos, que se baseiam na posição dos astros para fazer o horóscopo, e os astrônomos, preocupados com a posição atual de estrelas e planetas.

    “Quando [os astrólogos] dizem que o sol está em Peixes, não está realmente em Peixes”, disse Parke Kunkle, um dos integrantes do Minnesota Planetarium Society à revista “Time”. O signo astrológico é determinado pela posição do sol no dia em que a pessoa nasceu, o que significa que, de acordo com os astrônomos, tudo o que se sabia sobre horóscopo está errado.

    Ainda de acordo com os o grupo de astrônomos, um 13º signo deveria fazer parte da astrologia, que teria imprecisões desde o seu início. A explicação é que, na Antiga Babilônia, apenas 12 das 13 constelações foram levadas em conta, ignorando Serpentário, que tem como símbolo a cobra.

    De acordo com os astrônomos de Minnesota, esta é o período correto que identificaria cada signo:

    Capricórnio: de 20 de janeiro a 16 de fevereiro
    Aquário: de 16 de fevereiro a 11 de março
    Peixes: de 11 de março a 18 de abril
    Áries: de 18 de abril a 13 de maio
    Touro: de 13 de maio a 21 de junho
    Gêmeos: de 21 de junho a 20 de julho
    Câncer: de 20 de julho a 10 de agosto
    Leão: de 10 de agosto a 16 de setembro
    Virgem: de 16 de setembro a 30 de outubro
    Libra: de 30 de outubro a 23 de novembro
    Escorpião: de 23 a 29 de novembro
    Serpentário: de 29 de novembro a 17 de dezembro
    Sagitário: de 17 de dezembro a 20 de janeiro

  1. […] signo do leitor for o Leão, por exemplo, fique sabendo que isso era verdade há milhares de anos, mas não agora: será Caranguejo (aproximadamente um signo “para trás”). Mas não se preocupe em passar a ler […]

  2. […] Temos escrito alguns artigos sobre astrologia, como podem ler nesta categoria, nomeadamente alguns a explicar porque os fundamentos da astrologia são contrários ao conhecimento científico, como por exemplo, este e este. […]

  3. […] G1.9. Voar por um dia. Base Marciana. Homem do futuro. Satélite Black Knight. Astrologia. Signos. Ofiúco. Televisão. Problema das Crenças Pseudo. Portas do Céu. Weekly World News: Pirâmides […]

  4. […] Estávamos enganados em relação a eles/as nestes 8 anos de AstroPT, como podem ler aqui, aqui, aqui, acolá, ali e ainda […]

  5. […] sítio” (devido a um fenómeno chamado “precessão dos equinócios”) no céu, pelo que há um deslocamento de quase uma constelação “para trás”. Isto é, um Leão, por exemplo, é na verdade um Caranguejo (podem confirmar vendo num mapa […]

  6. […] Aproveitem e leiam artigos sobre a astrologia, nesta categoria, nomeadamente este. […]

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.