Google+

«

»

Abr 15

O que nos Representam as Estrelas? – Civilizações Antigas II

A Grécia Antiga e a transição entre Mesopotâmios, Egípcios e Gregos

A mais antiga evidência direta de constelações vem da Mesopotâmia (Iraque). A mais antiga referência está na “Oração aos deuses da noite”, da Babilónia em cerca de 1700 a.C.

Em 1300 a.C. os marcos fronteiriços apresentavam ícones de constelações e ainda símbolos do Sol, Lua e planetas. Após 1100 a.C. foram escritas 3 tábuas (MUL.APIN) com uma lista de observações astronómicas que referiam mais de trinta constelações.

Muitas das constelações, cerca de 20, gregas são cópias das constelações mesopotâmicas. Como exemplo:

constelações Assírias para constelações Gregas

Peixe-Bode – Capricórnio

Grandes Gémeos – Gémeos

 

Outras 10 constelações gregas têm as mesmas estrelas dos assírios mas com nomes diferentes. Exemplos:

 

Trabalhador – Áries

Andorinha – Peixes

Arado – Triângulo

 

A tradição destas estrelas terá passado da Mesopotâmia e Egipto para a Grécia por volta de 585 a.C.

Os documentos gregos mais antigos foram escritos por Homero, no século VII a.C, que menciona duas constelações, Orion e Ursa Maior, e dois aglomerados, Plêiades e Híades, e ainda duas estrelas, Sírius e Arcturus.

A transferência de registos terá ocorrido quando? A ausência de constelações gregas, com a excepção de Orion e Ursa, de Homero, antes de 500 a.C sugere que a informação foi passada após essa data. Em 400 a.C ocorreram oportunidades para que o conhecimento migrasse da Mesopotâmia para a Grécia.

Híparco é a figura chave desta transição. Em cerca de 150 a.C comparou a tradição do livro de Eudóxio (1130 a.C) com o que era realmente visível. Foi Híparco que descobriu o movimento de precessão e, assim, o estudo das constelações tornou-se científico. Ainda em 128 a.C criou o primeiro catálogo de estrelas de forma a definir a precessão e buscar novas estrelas.

O primeiro astrónomo a desenvolver um modelo geométrico de três dimensões para explicar o movimento aparente dos planetas foi Eudoxo de Cnido no século IV a.C

Aristóteles (384-322 a.C) desenvolveu uma ideia de Universo, com a Terra no seu centro e com todo o resto rodando ao seu redor em órbitas

No século seguinte, Hiparco fez inúmeras contribuições importantes como descrito acima.

 

Ler mais em:

http://astro.if.ufrgs.br/antiga/antiga.htm

SCIAM Edição Especial “Etnoastronomia”

http://pt.wikipedia.org/wiki/Hist%C3%B3ria_da_astronomia

Acerca do autor(a)

Dário S. Cardina Codinha

Frequentou o Mestrado Integrado em Engenharia Biológica na Universidade do Algarve e o curso de Biologia Celular e Molecular na Universidade Nova de Lisboa. Presidiu ao Núcleo de Engenharia Biológica da Universidade do Algarve.

Manteve o blog Universo Paralelo que está a dormir desde 2010. Apaixonado pela escrita criativa, sátira e humor.

Luta constantemente contra ideias falaciosas e teorias erradas. A realidade é explicada por um mecanismo chamado ciência e ela merece ser respeitada e seguida.

Desde os 11 anos que lê notícias sobre o Universo e recebeu, aos 13 o livro Cosmos, de Carl Sagan, que devorou. A partir daí coleccionou artigos e livros científicos. Gosta de divulgar ciência da vida (área académica) e ciência espacial (área de paixão). De vez em quando "saca" algumas sebentas para se manter actualizado.

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>