No cume das montanhas de Tycho

Tycho nasceu de um violento impacto na superfície lunar ocorrido há cerca de 110 milhões de anos. A sua juventude permitiu-lhe conservar até aos dias de hoje grande parte das estruturas geológicas esculpidas nos primeiros minutos após a colisão. Entre as mais impressionantes encontra-se o complexo montanhoso central, uma formação com 15 km de diâmetro que se eleva a cerca de 2.000 metros acima do chão da cratera.
Recentemente, a sonda Lunar Reconnaissance Orbiter obteve um espectacular panorama da cratera Tycho que mostra em destaque as vertentes acidentadas do seu pico central iluminadas pelos primeiros raios solares matinais.

O pico central da cratera Tycho numa visão oblíqua obtida a 10 de Junho de 2011 pela sonda Lunar Reconnaissance Orbiter.
Crédito: NASA/GSFC/Arizona State University.

Esta imagem é impressionante não só pela sua beleza como também pelos pormenores evidenciados. Repousando em vários recantos das encostas mais suaves, encontram-se gigantescos blocos rochosos com algumas dezenas de metros de diâmetro. O maior destes objectos tem 120 metros de comprimento e encontra-se cirurgicamente implantado num dos pontos mais altos do complexo montanhoso. Como foi ali parar, ninguém sabe.

Pormenor da imagem anterior mostrando o enorme bloco rochoso que repousa no cume do pico central de Tycho.
Crédito: NASA/GSFC/Arizona State University.

Já agora… Para conhecerem outros aspectos da geologia de Tycho sugiro que vejam esta magnífica animação.

4 comentários

1 ping

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • Marina Frajuca on 01/07/2011 at 09:56
    • Responder

    Imagens extraordinárias…

  1. errrrr aquele grande bloco lá em cima, parece-me claramente um ovo de Selenita…

    toda a gente sabe que os Selenitas são ovíparos… 😛

    eheehehehehehe 😀

    1. LOL

      Pois é. E está sobre o local onde repousa o TMA-1 (http://en.wikipedia.org/wiki/Monolith_(Space_Odyssey)). 😉

      1. LOL

        já se pode criar uma conspiração 🙂

  1. […] se ajustaram durante a sua formação (como é o caso, por exemplo, dos lagos de rocha fundida do pico central e da orla da cratera […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.