O Caso do Par de Quasares Formado A Partir da Colisão de Duas Galáxias

Imagem composta de Raios-X e comprimentos de onda ópticos do quasar binário conhecido como SDSS J1254+0846

A maior parte dos quasares são feixes de luz que retratam uma época em que o universo era mais quente e mais denso. Estranhamente, pode-se pensar, parecem existir mais quasares binários do que era esperado de se encontrar, devido ao fato  do ambiente galáctico ser algo muito denso. Uma vez que um quasar tenha se formado, existe algo que dispare a formação de um outro quasar.

Existem aproximadamente um milhão de quasares conhecidos, dos quais 200 são binários, reporta Paul Green da Universidade de Harvard – e essa é considerada uma grande abundância desse tipo de objeto dada a dificuldade que se tem de se separar os pares quando são observados. O Observatório de Raios-X Chandra vem estudando sete desses pares com mais atenção, em busca da solução do mistério de por que tantos quasares parecem ser formados em pares. Nenhuma evidência até o momento foi encontrada para qualquer tipo de crescimento extra ou para uma quantidade muito alta de processos de fusão entre galáxias. Para adicionar mais complexidade a essa pesquisa, enquanto que em um ambiente de alta densidade, logicamente temos uma maior fusão de galáxias e então extensas emissões de raios-X, um ambiente de baixa densidade reduz a velocidade relativa das galáxias individuais permitindo mais tempo para a interação, caso duas galáxias se aproximem demais uma da outra.

O par de quasares favorito de Green, é o chamado de SDSS J1254+0846, ele está localizado a aproximadamente 4.6 bilhões de anos-luz da Terra mas os seus núcleos brilhantes estão separados por somente 70000 anos-luz. Imagens de alta resolução revelam grandes caudas geradas pelas enormes forças de marés, essas caudas surgem pois esse par é formado a partir da colisão entre duas galáxias que tem como uma de suas feições características o surgimento dessas caudas. O próximo passo ideal na pesquisa de Green, será apontar o Telescópio Espacial Hubble para essas distantes fontes de raios-X e tentar identificar mais objetos em fusão do que o Chandra tem encontrado, o que poderia explicar não somente a existência dos quasares binários mas também nos mostrar mais sobre as condições existentes no início do universo.

Fonte:

Revista Astronomy Now, August 2011

http://chandra.harvard.edu/photo/2010/sdss/

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.