Vida como não a conhecemos

Leiam esta entrevista muito interessante do jornalista Bruce Dorminey ao bioquímico Max Bernstein.
A entrevista é sobre vida não baseada no carbono, mas sim no silício.

8 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

  1. Uma vida baseada em silício seria muito mais “pesada” em termos de massa que nós, vida baseada em carbono, para a mesma quantidade de matéria. Não?

  2. Uma observação bem feita: ” A vida com base no Silicio seria tão estranha para nós, que poderia ser confundida com um pedaço de rocha ou cristal…”
    Quem sabe se por Marte, todas aquelas rochas podem não ser apenas calhaus…

  3. a proposito, vejam este paper recentissimo sobre a definição de vida extraterreste.
    http://arxiv.org/pdf/1112.0222v1

    Saudações astronomicas

    1. Nice 🙂

      Obrigado 😉

    • Ana Guerreiro Pereira on 02/12/2011 at 23:33
    • Responder

    O que disse o Carbono quando foi preso?
    -Hey, eu tenho direito a 4 ligações! 😛

    Mas o que é certo é q qd se procura, o q se encontra são hidrocarbonetos… :/ a natureza prefere-os, sem duvida. Pelo menos a natureza até agora conhecida.

  4. Muito interessante. Já pensei muito nessas ideias de formas de vida baseadas em silício, mas além do problema de ele não ser tão reativo, outro problema, até onde eu sei, é que cadeias longas não são tão estáveis como as de carbono. Se “vida” baseada em silício realmente existir em algum lugar, penso que ela seja muito mais rara do que a baseada em carbono.

    1. Pois, concordo totalmente com o seu comentário.

      Infelizmente, só temos um tipo de vida como comparação… por isso é difícil saber o que é e não é possível 🙁

      • Ana Guerreiro Pereira on 02/12/2011 at 23:31
      • Responder

      Temos de ter em conta q as cadeias de carbono são mais estáveis aqui, na Terra 😀 imagine-se um planeta onde as condições não lhe fossem favoráveis 😛 e nem sempre foram, na propria terra!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.