Google+

«

»

Dez 27

27 de Dezembro – o dia em que a Terra sobreviveu a um ataque espacial

Se fosse hoje, milhões de vigaristas andariam a proclamar em websites pseudos.
Mas não foi hoje.
Foi a 27 de Dezembro de 2004 que a Terra sobreviveu ao maior ataque espacial da era Humana.

Veio da constelação Sagitário, a cerca de 50.000 anos-luz de distância.
Durou apenas alguns décimos de segundo, mas difundiu tanta energia como o Sol durante meio milhão de anos…
Alguns satélites que orbitavam a Terra ficaram fritos e viram-se auroras fantásticas nos céus da Terra.
A Terra tinha levado um enorme murro energético… de raios gama.

A fonte deste ataque invisível foi a magnetar SGR 1806-20, que se encontra do outro lado da galáxia.

Uma Magnetar é um pulsar, uma estrela de neutrões com campos magnéticos 1000 vezes superiores aos pulsares “normais”. Emitem raios energéticos, de raios X e raios gama, tão poderosos que arrasam tudo numa distância de alguns anos-luz.

A 19 de Março de 2008, outro ataque: os nossos satélites registaram uma dessas explosões quase direccionadas para a Terra… “cegando” alguns desses satélites.
Foi chamada de GRB 080319B, e foi visível até para os olhos humanos.
A estrela “moribunda” que deu origem a este “flagelo” encontrava-se a mais de 7 mil milhões de anos-luz de distância.

Felizmente para a Terra, as fontes de emissões de poderosas explosões de raios gama parecem estar todas muito longe…

As explosões de raios-gama são as maiores explosões que se conhecem no Universo. A maioria ocorre quando estrelas massivas “morrem” e transformam-se em buracos negros ou pulsares. Produzem “jactos” que são expelidos por todo o Universo.
Como a Terra é um minúsculo grão de poeira, o mais normal é que nem demos por esses jactos. Mas por vezes temos “sorte” e eles vêm mesmo alinhados connosco.

Agora duas opiniões pessoais:
– está bom de ver que isto são raios-da-morte enviados pelos Bugs para nos aniquilarem.
– também se percebe que vamos todos morrer em 2012 devido a isto :P. A única forma de se salvarem é comprarem as nossas bandoletes quânticas: curam tudo, até explosões de raios-gama 😛 LOL 😀

Acerca do autor(a)

Carlos Oliveira

Carlos F. Oliveira é astrónomo e educador científico.
Licenciatura em Gestão de Empresas.
Licenciatura em Astronomia, Ficção Científica e Comunicação Científica.
Doutoramento em Educação Científica com especialização em Astrobiologia, na Universidade do Texas.
Criou e leccionou durante vários anos um inovador curso de Astrobiologia na Universidade do Texas.
Foi Research Affiliate-Fellow em Astrobiology Education na Universidade do Texas em Austin, EUA.
Trabalhou no Maryland Science Center, EUA, e no Astronomy Outreach Project, UK, recebeu dois prémios da ESA, e realizou várias palestras e entrevistas nos media.

3 comentários

2 pings

  1. Ana Guerreiro Pereira

    Starship Troopers ruleeeeeeeeeeeeeeeeeeeees 😀 😉

    ofereço-me para piloto doida.

  2. Hugo

    bem,nesse tempo (2004) andava londe destas andanças…o nosso campo magnético é fantástico, os esquimós do polo norte é que consolaram as vistas 🙂

  3. Anaísa

    malditos bugs -.-
    só nos arruínam 🙁

    já agora quanto custa cada bandolete quântica? 🙂

    AHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHHAHAHAHAHAHAH 😀

  1. TOP 100

    […] – Raios Gama. Bolhas Gigantes. Ataque Espacial. SGR 1806-20. Raios […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>