Morgellons para Ti, Qualquer Coisa para Mim

Recentemente li na net, aquele meio de disseminação de informação, muitas vezes, não crivada que há uma doença criada pelo homem e disseminada para matar ou manipular ou fazer maldades, traquinices e marotices com os outros seres humanos, que por sinal poderão ser amigos, familiares ou até eles próprio. Ora, por outras palavras será um masoquismo para ricos praticarem. Constroem um vírus com muito dinheiro e, depois, lançam a partir de um avião, também ele caro.

Este site diz que os morgellons são um pó criado pela nanotecnologia. Óbvio que não há provas nem de conhecimento de biotecnologia nem provas da existência de tal pó.

“Os MORGELLONS teem o tamanho de um grão de arroz ou mais, e não possuem forma bem definida, se reproduzem e se espalham pelo corpo atacando inclusive os ossos e as articulações.”

Ora, nanotecnologia é a manipulação da matéria numa escala atómica e molecular e que geralmente lida com estruturas entre 1 a 100 nanómetros. Em princípio um grão de arroz tem mais de 100 nanómetros (muito muito mais), não se parece com pó e é facilmente fotografável. Então qual a causa destas incoerências e da falta de fotografias? Fácil, é por ser fraude.

“Os MORGELLONS possuem uma espécie de bico, que se estendem e furam a pele, semelhante ao periscópio de um submarino, e possuem alguma inteligência. Podem ser azuis, brancos, pretos, ou vermelhos e seus “bicos” só se queimam em altas temperaturas.”

Tanta especificidade na descrição desta máquina e nem uma fotografia… tanta ficção e tanta fixação em medos imaturos e sem conhecimento científico.

Numa pesquisa rápida vi dezenas de imagens falsas e outras que nada tinham a ver com os supostos bichos.

O site acima dá um link que simplesmente não existe. Gostaria de o bisbilhotar pois seria bastante interessante. O link foi colocado no site para dar credibilidade? Então funcionou como aquelas placas “cuidado com o cão”, não o pise…

Quem não consegue perceber que há uma desordem mental nos autores deste texto quando afirmam que se trata dum pó mas é do tamanho de um bago de arroz, ou que retratam com tanto pormenor um objecto que nunca foi visto, então poderá ir a um site algo sério e ver o que é, de facto, o transtorno.

Neste site encontrei isto “A doença de Morgellons é uma desordem misteriosa da pele caraterizada por dores e por sensações de rastejamento sob na pele.”

O síndrome de Morgellons é conhecida por delírio de infestação parasitária ou delírio de infestação, não são reais.

O tratamento tem por base antipsicóticos para a infestação delirante. “Muitos pacientes com este transtorno não querem tomar esses medicamentos porque eles não sentem que têm um transtorno delirante.” Mark DP Davis, MD, professor de dermatologia na Clínica Mayo, em Rochester, Minnesota.

Um estudo, publicado na revista Archives of Dermatology apresenta os resultados das biópsias de pele retiradas de pacientes que foram diagnosticados com a infestação delirante na Clínica Mayo entre 2001 e 2007.

Os pesquisadores realizaram 80 biópsias. Como esperado, nenhum deles apresentou indícios de infestação da pele, sendo que 49 pacientes tiveram alguma inflamação da pele, conhecida como dermatite. “Esta inflamação pode ser devido a alguma causa subjacente, como alergias, ou poderia ter sido causada por esforços do paciente para remover os insetos ou objetos cavando-los ou mesmo tentar queimá-los”, diz o Dr. Davis.

Dr. Freudenmann acrescenta que espera que as novas descobertas, bem como o próximo relatório do CDC, “ponham fim à “história Morgellons”.

—-

De facto não consigo entender estas ideias de que disseminação de H1N1 serve para matar pessoas mas que não mata. Depois, afinal é a vacina criada para matar as pessoas, mas não mata. O aquecimento global é criado para matar pessoas mas também é um fracasso. Os hamburger têm toxinas para matar pessoas, contudo a população cresce. Agora os morgellons são bichinhos criados por uma tecnologia que nós não entendemos mas conseguimos obter mas não matam, só aleijam… aliás só fazem cócegas, porque me farto de rir.

Quem é que iria ter uma ideia de disseminar um bicho que afectaria toda a população sendo que eu, a minha família e os meus amigos faríamos parte dessa mesma população? De que me serviria matar toda a gente para ficar rico se depois não há compradores? Parece-me pouco inteligente a ideia de tentar matar uma população que, à partida, se auto-destrói. Faz-me lembrar o argumento, bem concebido, dos ETs: se eles existissem nunca vinham cá ter.

4 comentários

1 ping

Passar directamente para o formulário dos comentários,

  1. Sou professora de psicologia e há 9 meses estou lutando incrivelmente para combater uma praga de aves, causada por uma grande quantidade de pássaros às proximidades de minha casa. É mesmo inacreditável a quantidade de tempo, dinheiro e energia que tenho gasto nisso. Já nem sei mais o que pensar. Tenho sintomas de “pichilinga” e alguns desses sintomas são encontrados em morgellons. Minhas lesões sararam quando deixei de coçar, o que não é fácil, mas minha pele aparece riscada e, algumas vezes sangra na hora em que é riscada. Havia moscas e mosquitos, consegui acabar com eles, agora não consigo acabar com um acarozinho que tem um ferrão como uma pequena agulha e duas patas maiores, que mais parecem duas antenas e, a olho nu, dá para ver que cada uma tem um lado de serrinha, com espaços mais largos do que deveriam ser, consideros proporcionalmente. Nunca vi esse ácaro (no caso, carrapato, que também é ácaro), mas há muitos insetos e ácaros desconhecidos. Francamente, não sei mais o que fazer.
    —————-
    O que não se conhece não deve ser rejeitado, caso contrário a ciência ficaria estagnada. A meu ver, psicose de delírio é o que morgellons não é! Uma psicose, no caso, com delírio, abalaria muito mais a mente das pessoas, depois, ter um delírio tão específico e tantas vezes tão concordante com descrições em todas as partes do mundo, sem se ter jamais ouvido falar em morgellons nem em seus sintomas, acho impossível.
    Delírio é apenas uma manifestação de psicose que faz uma pessoa ter visões (alucinatórias) diversificadas. Admitiria que se falasse em “transtorno”, por medo exagerado de parasitas, por exemplo. Morgellons não implica delírio táctil nem visual, não implica medo também não. Tem sintomas reais. Até hoje não vi nenhuma literatura médica aproximando essa doença de “pichilinga” de aves, ou seja, dos sintomas causados por um carrapatinho, praga que dá em galinhas. A princípio, o termo pichilinga era usado apenas nesse sentido, depois, por extensão, passou a significar praga de aves em geral. Deve haver várias espécies de pichilinga, só sei é que é uma praga de aves, quando ocorre em humanos, dá sintomas de rastreamento na pele, um sintoma de morgellons. Outra semelhança com morgellons, a imensa dificuldade em combatê-la. Creio que se houvesse empenho em se fazer uma correlação entre as duas coisas, uma luz talvez fosse feita sobre esse assunto, e muitas interpretações estranhas assim como muitos diagnósticos inadequados e “danosos” deixassem de ser feitos. Morgellons tem tudo para ser reconhecida como uma doença real, contra todos os fortíssimos preconceitos que a envolvem. Milhões de pessoas são inteiramente destruídas por falta de apoio. Isso é mais do que lamentável.
    Agradeço a oportunidade de dar minha opinião.

  2. Um vírus desenhado por nanotecnologia com o tamanho de um bago de arroz??
    BAHHHHHHH
    HAHAHAHAHAHAHAHAHAHA
    :D:D:D:D:D:D

    Já me ri um bocadinho na minha hora de almoço…

    • Nuno José Almeida on 13/05/2012 at 11:59
    • Responder

    O pá esta é a base do romance que estou a escrever de ficção cientifica claro com tamanhos correctos e bastante mais interessante e rebuscado 😛

  3. Penso que esta tua palavra diz tudo: delírio.

    Esses sites pseudos são escritos por autores que sofrem de delírios…

  1. […] – Medicina (tag): Mitos. Morgellons. Origem e Evolução dos Vírus. Gripe (prova da Evolução). Cromossomas XY. Vacinas. Sentidos […]

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.