Google+

«

»

Out 15

Os chemtrails sob análise

De quando em vez, surgem referências ou comentários, no AstroPt, sobre os chemtrails. Aliás, foi aqui mesmo, neste site, que tive conhecimento de tal fenómeno. Questionei as pessoas à minha volta sobre tal assunto, e, recorrentemente, respondiam-me que não sabiam do que eu estava a falar. Concluí que se deveria tratar de um tema isolado geograficamente nas Américas, e que ainda não havia chegado a Portugal. Acabei por não dar grande importância ao assunto, até há pouco tempo, quando voltei a deparar-me, nas redes sociais, com um documentário que abordava esta temática.

Com o burburinho que se começava a formar, decidi averiguar do que se tratava. Da pesquisa efectuada, resultou um texto que escrevi para o site da COMCEPT – Comunidade Céptica Portuguesa, e que partilho hoje aqui no AstroPT. O que são os chemtrails? O que tentam esconder de nós? Qual a gravidade da situação? Devemos ficar preocupados? Espero que as respostas que encontrei tragam alguma luz sobre este assunto:

 

Há umas semanas, apercebi-me que andava a circular na internet um (pseudo)documentário sobre os Chemtrails que deixou nos espectadores um misto de indignação e de preocupação. Num próximo texto analisarei esse filme. Por agora, procurarei entender o que são os chemtrails, e se nos devemos preocupar com isso.

I – Definições:

Contrails – Abreviatura de “Condensation Trails” (rastos de condensação). São os rastos normalmente formados na traseira dos aviões. Como produto da combustão, forma-se vapor de água que congela a grandes altitudes, onde as temperaturas são negativas, gerando cristais de gelo. O resultado é a formação de nuvens cirrus (1).

Chemtrails – Abreviatura de “Chemical Trails” (rastos químicos). Segundo os Adeptos das Teorias da Conspiração, os chemtrails são criados intencionalmente por pessoas desconhecidas, com objectivo de envenenar a população através de produtos químicos libertados pelos aviões. (2)

II – O que se diz sobre os Chemtrails (2), (3), (4), (5), (6):

Tendo definido e distinguido os contrails dos chemtrails, vamo-nos agora debruçar sobre estes últimos.

O que são: De acordo com os defensores destas ideias, os chemtrails são o resultado de substâncias nocivas libertadas intencionalmente pelos aviões para a atmosfera, formando uma grande quantidade de nuvens que fica nos céus durante imenso tempo, ao contrário dos vulgares contrails. Essas substâncias são identificadas, pelos mesmos proponentes, como alumínio, estrôncio, bário, entre outras.

Onde: Esta ideia surgiu nos Estados Unidos da América e, posteriormente, terá sido disseminada pelo resto do mundo.

Desde quando: a origem da primeira observação dos rastos nebulosos no céu é vaga, mas parece haver observações desde a segunda guerra mundial, período em que os aviões conseguiram atingir elevadas altitudes. (7), (8), (9), (10) O consensual é os rastos terem aumentado em quantidade desde a década de 1990. De acordo com a minha pesquisa, em 1996 começa a surgir a teoria da conspiração de que o governo pretende alterar o clima, com base no estudo “Owning the Weather”, mas só em 1999 começam a surgir referências aos chemtrails.

Quem são os responsáveis: não é bem certo, havendo dedos acusatórios que apontam em diferentes direcções: o governo, as companhias farmacêuticas, os cientistas, os Illumminati, os Bilderberg, os “Donos do Mundo”, (…)

Porquê: Existem duas vertentes independentes: uma ambiental e outra social. Por um lado diz-se que os cientistas e o governo têm uma política deliberada de criar estes rastos no céu para diminuírem o aquecimento global, através da reflexão da luz; ou, em alternativa, porque pretendem controlar o clima, pulverizando as nuvens com reagentes que contribuam para a condensação, criando chuva – a estes processos dá-se o nome de Geoengenharia. Por outro lado, fala-se da existência de responsáveis ocultos que pretendem libertar as substâncias nocivas sobre os campos agrícolas e as pessoas para que estas adoeçam e sejam facilmente manipuláveis.

Rasto de um contrail no céu. Autoria: João Monteiro

III – Análise crítica:

– Alumínio – Assim na Terra, como no Céu:

Durante a guerra do Vietname foram utilizadas várias tácticas para iludir os radares inimigos, sendo uma delas a libertação de reduzidas fibras de alumínio (Chaff, em inglês), que reflectiam o sinal de radar. Se os aviões comerciais estivessem na actualidade a libertar deliberadamente alumínio, estariam a confundir os radares de controlo de tráfego aéreo que os orientam, o que seria impraticável. (11), (12) Análises que têm sido realizadas detectam de facto Alumínio e Bário na água, no gelo e no ar, mas sempre dentro dos níveis padrão. No entanto, estas observações estão dentro do esperado, uma vez que estes elementos ocorrem naturalmente na Natureza. Por exemplo, 7% da crosta terrestre é constituída por Alumínio. (13)

– Mais rastos no céu. Linhas paralelas e cruzadas:

Vêem-se mais rastos no céu, porque aumentou o tráfego aéreo. (14) Os voos a grande altitude na vizinhança dos aeroportos têm trajectos coincidentes. É frequente que aviões diferentes se desloquem numa mesma direcção com um certo intervalo de tempo entre eles. Os aviões da frente deixam um contrail atrás de si, mas quando os próximos passarem pelo mesmo local deixando também um rasto, o contrail anterior já se deslocou com o vento, reproduzindo rastos paralelos. Ocasionalmente, pode haver aviões com rotas perpendiculares a rastos anteriores, dando a sensação que se está a formar uma grelha. (15), (16)

– Estará a população a ser envenenada?

Os contrails são formados naturalmente a uma certa distância da traseira do avião e não logo a seguir aos motores, acabando por formar uma espécie de nuvem persistente. Pelo contrário, se os aviões estivessem a libertar substâncias (líquidas ou em pó), o rasto seria visível mais perto dos motores e a nuvem dissipar-se-ia com a distância, como nos aviões pulverizadores de culturas. (15) Contudo, os agentes biológicos podem ser libertados de um avião e apresentar a forma de um contrail. Mas para isso acontecer, o meio onde estaria o agente biológico, teria de ser aquecido a elevadas temperaturas até ficar no estado gasoso, o que iria matar os agentes nocivos. Mas se, mesmo assim, alguns subsistissem, teriam ainda de sobreviver às temperaturas extremamente baixas do exterior. (15) Ainda para mais, devido ao reduzido tamanho das partículas, estas seriam dispersas e não aterrariam no local onde foram libertadas. Portanto, a probabilidade de haver agentes microbianos ou químicos a serem lançados da troposfera, deliberadamente com o intuito de envenenar a população, é praticamente nula.

– Estarão a controlar o clima?

Geoengenharia é o nome dado ao processo de modificação deliberada do ambiente na Terra. Neste sentido têm sido realizadas várias experiências, mas ainda sem resultados definitivos.

Foi em 1996 que surgiu um rumor que associava a libertação de partículas de alumínio dos aviões militares para reflectir a luz solar e assim amenizar a temperatura do planeta. Este rumor baseou-se num estudo académico que saíra nesse ano, “Weather as a force multiplier: Owning the weather in 2025” (1996), e acabou por dar origem, mais tarde, à Teoria da Conspiração dos Chemtrails, o que mereceu um comunicado da Força Aérea a explicitar os factos. (17), (18)

Outro exemplo de modificação do ambiente é o da semeadura de nuvens (cloud seeding), que consiste em libertar reagentes nas nuvens, como o iodeto de prata, que as farão condensar, produzindo chuva. Também neste caso, ainda não há resultados definitivos, pois não se sabe se choveria se não tivessem sido lançados os produtos, não se conseguindo estabelecer ainda uma relação causa-efeito directa. (19)

Em qualquer caso, isto são experiências científicas em que se pretende testar a hipótese de alteração do ambiente, para contornar situações de seca, por exemplo. Daí a pegar nisto e dizer que há conspirações governamentais em prática com a intenção de envenenar as pessoas, vai um grande salto.

– Quem está por detrás dos chemtrails?

Como veremos de seguida, os chemtrails são atribuídos a diversos agentes, de acordo com a variante da teoria que nos é proposta. Há até versões em que os diferentes responsáveis se juntam para conspirar contra a Humanidade. A sensação de conspirações dentro do governo para prejudicar os cidadãos é uma ideia que se encontra frequentemente no pensamento popular norte-americano. Mas porque quereria um governo envenenar os membros da sociedade, fazendo-os ficar doentes?

Segundo os adeptos desta versão, o governo pretende ter cidadãos enfraquecidos para serem facilmente manipulados. A esta ideia juntam-se outras, como a indústria farmacêutica pretender adoecer pessoas para vender mais medicamentos; ou ainda grupos secretos que pretendem eliminar as pessoas mais vulneráveis, preservando as elites e os militares, com o intuito de reduzir a população do planeta. Mas fará isto sentido? A verdade é que estas afirmações não passam de meras especulações, sem qualquer prova apresentada. O que temos assistido nos países ocidentais, principalmente na Europa, é exactamente o contrário: um investimento nos cuidados de saúde e de saneamento, uma aposta na longevidade e na melhoria da qualidade de vida dos cidadãos. Apesar de estarmos próximos de um nível preocupante de sobrepopulação humana no nosso planeta, a solução passa, no meu entender, pelo controlo da natalidade em vez da eliminação de indivíduos. E quando falo em controlo de natalidade, não me refiro a um programa governamental, mas a uma decisão pessoal por parte de cada cidadão, que ocorrerá naturalmente. Com o aumento da qualidade de vida de uma sociedade, aumenta a capacidade de sobrevivência e diminui o número de filhos por casal. O que se verifica em populações do terceiro mundo é que estas famílias têm muitas crianças para compensar as que vão morrendo de várias doenças e de desnutrição. No entanto, ao dar cuidados de saúde a essas famílias, e ao incluí-las no mercado laboral, elas vão ter maior capacidade de cuidar da sua prole, aumentando a sua probabilidade de sobrevivência, tendendo a ter menos filhos, como está relatado no livro “O Fim da Pobreza”, do economista Jeffrey Sachs. (20) Se esta política está a ser aplicada em países do terceiro mundo com o apoio dos países desenvolvidos, porque é que estes países ricos iriam fazer o oposto à sua população?

Ao contrário do que é propagado pelas teorias da conspiração, um governo tem todo o interesse em que os seus cidadãos sejam saudáveis, pois deste modo podem trabalhar e contribuir para a economia nacional. Se a maioria da população adoecesse, acabaria por ser um peso enorme para o próprio Estado que não só teria indivíduos que necessitariam de cuidados de saúde, como não estariam aptos a contribuir para a economia. Ou seja, não só não estariam a gerar riqueza, como ainda trariam custos acrescidos. Aliás, uma estratégia de guerra entre países passa por mutilar os adversários em vez de os matar, pois os países com soldados feridos têm mais encargos, não só porque ficam com operacionais inactivos, como ainda tem de disponibilizar tratamentos e deslocar pessoas para cuidar dos doentes, que doutro modo poderiam ser utilizadas na guerra. Deste modo, porque é que qualquer governo quereria adoecer deliberadamente a população? Além do mais, se houvessem químicos a serem libertados de aviões na troposfera (altitude onde se forma os contrails), eles não cairiam no local de onde foram lançados. Aliás, não haveria qualquer controlo do local onde poderiam assentar, pelo que afectariam indiscriminadamente qualquer indivíduo da sociedade, mesmo os membros do governo, militares, ou seus familiares.

É possível eliminar os chemtrails?

Quando se pensa que a ficção não consegue ir mais longe do que meras especulações sem provas, eis que surgem dois exemplos de como a imaginação humana não pára de nos surpreender:

Alguns adeptos dos chemtrails alegam que os silfos ou sílfides (Sylphs) irão aspirar e transformar os chemtrails em substâncias inofensivas. (6) Ora bem, os silfos são Elementais do Ar, criaturas etéreas mitológicas identificadas pelos gregos. O que é curioso, é que aquilo a que os proponentes desta ideia chamam de silfos, são na realidade nuvens que, com um pouco de imaginação, parecem dragões, gatos, aves, etc. (21) Posto isto, creio que qualquer pessoa sensata sabe responder à pergunta sobre o que é mais provável, as fotografias (22) representarem criaturas mitológicas, ou a imagem de nuvens normais? A este fenómeno de reconhecer padrões familiares em imagens abstractas dá-se o nome de pareidolia. (23), (24)

Outra ideia que está a ser propagada na internet é que ao borrifar vinagre para o céu, isso fará os chemtrails desaparecerem, como se vê neste filme (25). Alguém deve explicar a essas pessoas que os borrifos de vinagre não vão mais longe que alguns centímetros e a troposfera, onde se formam os contrails, fica a cerca de 8 mil metros de altitude. Como já se explicou, os rastos dos aviões podem durar algumas horas, acabando por desaparecer passado algum tempo, sendo que a sua duração depende das condições atmosféricas.

Warning: video ID not specified!

Conclusão:

Olhemos para os factos: tudo indica que o os rastos que vemos nos céus após a passagem de aviões são contrails, um fenómeno natural, na sua maioria constituídos por minúsculos cristais de gelo; não há indícios de mais libertações químicas do que aquelas libertadas por um motor; as substâncias, que se dizem ter sido identificadas, como o alumínio, encontram-se espontaneamente na Natureza; o número de contrails no céu aumentou na última década devido ao aumento de voos comerciais; devido às instáveis condições atmosféricas e à altitude, não há controlo do local onde os alegados químicos poderiam cair, afectando qualquer indivíduo indiscriminadamente; a probabilidade de um governo, ou uma entidade secreta, querer adoecer deliberadamente a população é reduzida; até ao momento, não há confirmação científica que apoie a existência de chemtrails (26), (27); o facto de as pessoas desconhecerem os contrails e a sua formação, levou a várias interpretações erradas já no passado. (28)

Assim, com base nos dados disponíveis, concluo que os chemtrails não passam de mais uma teoria da conspiração, como muitas outras que pululam na internet.

Notas e Referências:

(1) Existem vários tipos de nuvens que podem ser distinguidas quanto ao aspecto. As nuvens cirrus são formadas na alta troposfera, a cerca de 8 mil metros de altitude, em temperaturas negativas.

(2) Chemtrails no Skepdic

(3) Rense.com

(4) Chemtrails na wikipedia portuguesa

(5) Chemtrails na wikipedia britânica

(6) Chemtrails no Educate-yourself 

(7) A primeira descrição científica sobre contrails em inglês parece datar de 1953 (H. Appleman, “The formation of exhaust condensation trails by jet aircraft”, Bulletin of the American Meteorological Society, 34, pp. 14-20), e em alemão de 1941 (E. Schmidt, “Die Entstehung von Eisnebeln aus den Auspuffgasen von Flugmotoren”, Schriften der Deutschen Akademie der Luftfahrtforschung Vol. 44, pp. 1-15). Ver aqui.

(8) Sobre a história dos Chemtrails.

(9) Fotos onde se observam contrails desde a década de 1940

(10) Fotos de contrails durante a Segunda Guerra Mundial

(11) NMSR, na secção Other metals in the air.

(12) contrails facts

(13) Análises químicas aos chemtrails 

(14) 30 anos de viagens aéreas

(15) NMSR, explicado pelo piloto Ian Wickson.

(16) Contrail grids

(17) “Weather as a force multiplier: Owning the weather in 2025

(18) Comunicado da Força Aérea Americana relativamente aos chemtrails.

(19) Scientific American

(20) Jeffrey Sachs, “O Fim da Pobreza – como consegui-lo na nossa geração”, Casa das Letras, Cruz Quebrada, 2006 – Tradução de Paulo Tiago Bento

(21) Imagens de Silfos

(22) Mais imagens de silfos

(23) Pareidolia facial

(24) A pareidolia mata

(25) Parar chemtrails com vinagre

(26) Resposta do Governo a uma petição da Canadian House of Commons.

(27) Publicação do parlamento britânico

(28) Confusões relativas aos contrails

Acerca do autor(a)

João Monteiro

João Lourenço Monteiro é licenciado em Biologia e mestre em Biologia do Desenvolvimento (com tese em História das Ciências), pela Universidade Lusófona. Tem-se dedicado à Investigação e à Comunicação de Ciência. Paralelamente, colabora em diversos projectos de divulgação científica e escreve para a Imprensa. Mantém o blog Armariumlibri e o site da Comcept.

16 comentários

3 pings

Passar directamente para o formulário dos comentários,

  1. Alan

    No intervalo de uma aula eu e um amigo estimamos o quanto de “material” seria necessário para que um avião comercial produzisse “chemtrails” de tamanho semelhante aos contrails, e chegamos a um valor acima da capacidade de carga atual.

    É uma teoria conspiratória que vem crescendo bastante, tenho ideia de escrever sobre isso em breve.

  2. Carlos Oliveira

    Excelente texto 🙂

  3. Afonso

    Parabéns ao autor

  4. João M.

    Obrigado pelas palavras.
    Alan, depois de escrever, partilhe o link para o seu texto, sff. Obrigado.
    JM

  5. Filipe

    Parabéns pelo excelente texto. Na verdade não me lembro de ter alguma vez visto alguma coisa sobre isso, mas ao menos já sei as barbaridades que estarão a dizer tais vigaristas quando os ouvir.

  6. André Andersen

    Ufa! Até que enfim uma explicação satisfatória. Obrigado!

  7. tomy

    Parabéns pelo seu artigo , estou atento e vou continuar a denunciar chamtrails, com registros fotográficos, analises ao solo etc…

    1. Carlos Oliveira

      Vai continuar a denunciar aviões? Parabéns pelo tempo que gasta a denunciar algo que todos sabemos existir: contrails.

      1. tomy

        Certo essa é a sua opinião a minha é com provas ao solo e as plantas…

      2. Carlos Oliveira

        Eu nunca lhe dei a minha opinião. Eu dei-lhe conhecimento.

        Este é um local de conhecimento objectivo, e não de opiniões subjectivas de uma ou de outra pessoa que se lembra de acordar de manhã e dizer X ou Y.

        Se tem provas que deitem abaixo todo o conhecimento do assunto, sugiro que as apresente nos locais respectivos, a geólogos, meteorologistas, físicos, etc. Sugiro que as apresente numa universidade ou conferencia científica e seja avaliado pelos especialistas nos assuntos.
        E por favor, não me faça perder mais tempo com “eu tenho provas do Pai Natal” mas só eu é que sei.

        abraços

  8. tomy

    CONCLUSÃO
    A curva de calibração para o método espectrométrico com alaranjado de xilenol em pH 3,5 apresentou boa linearidade e um bom coeficiente de correlação. Os teores de Al no solo variaram de 13,0 a 43,1 mg L-1, valores considerados elevados nos solos coletados revelando portanto a presença de um solo tóxico e com a sua fertilidade comprometida…

    http://www.ufpi.br/20sic/Documentos/RESUMOS/Modalidade/Exatas/1019c8091693ef5c5f55970346633f92.pdf

    Além dos seus cabelos, todo o seu organismo está sendo prejudicado: o alumínio deposita-se no cérebro, causando o mal de Alzheimer (esclerose mental precoce) e expulsa o cálcio dos ossos, produzindo osteoporose.
    Esse cálcio vai se depositar em outros lugares, produzindo bursite, tártaro nos dentes, bico de papagaio, cálculos renais… E também vai para dentro das suas artérias, estimulando a pressão alta e a possibilidade de isquemias cardíacas (infarto), cerebrais (trombose) e genitais (frigidez e impotência).

    http://www.cnps.embrapa.br/publicacoes/pdfs/documentos_02_1997.pdf

    1. Carlos Oliveira

      NADA DISSO tem a ver com a parvoíce dos pseudo.chemtrails.

      Limite-se ao assunto e não misture coisas de modo a enganar as pessoas.

      Obrigado.

      P.S.: não é pelas facas matarem que você vai agora inventar que o Pai Natal foi morto por uma faca. Enfim… PENSE antes de querer vigarizar as pessoas com falácias.

    2. Carlos Oliveira

      Factos sobre este “Tomy”:

      1 – Ignorância: ignora a ciência, a realidade e os contrails.

      2 – Mentira: mente descaradamente quando diz que vai abalisar solos, etc, quando se baseia no trabalho dos outros. Ser mentiroso é estar de má fé.

      3 – Hipocrisia: inventa conspirações contra quem tem o conhecimento do assunto, contra a ciência e as instituições, e depois dá como links precisamente estudos feitas por investigadores dessas instituições. Hipocrisia é má fé. Burrice é só porque assim o escolhe.

      4 – Paradoxo: os links que dá são exactamente daquelas pessoas que ele pensa que são conspiradores: as pessoas que sabem do assunto. Fala mal do conhecimento científico mas utiliza o conhecimento científico como evidência para o que diz.

      5 – Cuspir no prato que lhe dá de comer: os estudos que dá nos links são precisamente estudos de solo para o bem-estar dele. São análises feitas pela ciência precisamente para melhorar a vida das pessoas. Para ele, é tudo uma conspiração que só ele sabe que estão todos contra ele com coisas misteriosas.

      6 – Surpresa: os solos têm alumínio. E ferro. E ouro. E todos os elementos químicos. E existe radiação por todo o lado à nossa volta. E temos ferro a correr no sangue, quando o ferro sabemos que enferruja. E temos cálcio quando sabemos que ele calcifica coisas que vemos na rua. E temos oxigénio na atmosfera quando sabemos que ele é facilmente inflamável. E bebemos água todos os dias quando sabemos que ela é corrosiva. Enfim… fujam! Está toda a gente contra nós!
      Ou então, como nós e os planetas somos feitos dos mesmos elementos que as estrelas, é normal que os elementos existam em todo o lado em quantidades que nos permitem viver.
      Enfim… coitado do Tomy… que anda assustado com aquilo que nos faz viver.

  9. Rodrigo

    muito bom o texto mas so faltou ele abordar a possibilidade da tal “elite” ser conhecedora desse ato e se imunizar atraves de vacinas mas como sabemos nao a nenhuma prova sobre, e uma pergunta: contails formam nuvens cirrus ?

  1. Funcionária da NASA adverte para o fim-do-mundo?

    […] para mudar a nossa atmosfera (estudar auroras provoca sempre o medo nas pessoas); – acredita que os chemtrails existem para “esconder” o tal “segundo Sol” (a fantasia é tal que ela […]

  2. Chemtrails – uma conspiração sem asas para voar

    […] João Monteiro já fez um óptimo e bastante acessível trabalho de explicar o que são e como se formam os contrails e porque não há nenhum motivo para acreditar […]

  3. TOP 100

    […] Monstro do Lago Ness. Lago Natron. Partos na Lua Cheia. Efeitos Lunares. Mitos da Lua Cheia. Chemtrails. Tempestades Solares (aqui e aqui). Estátua Egípcia move-se. Grávida de Chimpanzé. Barbies […]

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>