Máquina de Antikythera

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

A APOD de hoje traz o chamado Mecanismo de Antikythera.
Em 1901, ele foi encontrado no fundo do mar dentro de um navio grego que afundou no ano 80 A.C.
A complexidade do mecanismo tem sido estudada desde então.

Recentemente, análises de raios-x confirmaram que este mecanismo é um calendário que permite prever eclipses solares e lunares e prever posições de planetas e estrelas, através da representação das suas órbitas. A complexidade do mecanismo que permitia cálculos precisos só voltou a ter a mesma excelência após a chamada Idade Média.
O objectivo do cálculo das posições astronómicas era auxiliar a navegação.

Recentemente, também se percebeu que o mecanismo também foi utilizado para calcular os períodos temporais dos Jogos Olímpicos da Antiguidade, como podem ler neste artigo.

Front_gears_dials

11 comentários

1 ping

Passar directamente para o formulário dos comentários,

  1. Virtual Reconstruction of the Antikythera Mechanism (by M. Wright & M. Vicentini) -> http://youtu.be/MqhuAnySPZ0

    Lego(!!) Antikythera Mechanism -> http://youtu.be/RLPVCJjTNgk

    • Betinhofloripa on 22/01/2013 at 16:40
    • Responder

    Alguém sabe algo sobre o Martelo de Kingoodie, descoberto em 1844 pelo físico David Brewster?
    Creio ser um fake, assim como outros casos desse tipo, porém, citam datação pelo carbono entre outros argumentos para dar fé ao tal achado..

    Agradeço desde já..

    🙂

    1. O Martelo faz parte da exposição do Museu Criacionista, sendo por isso divulgado por questões religiosas 😉
      http://www.badarchaeology.com/?page_id=315

      abraços!

  2. Da pra concluir que a propagação do conhecimento na antiguidade era bem menos eficiente doq na nossa época.
    Porque há vestígios de ótimos conhecimentos científicos em algumas épocas mas elas são “pontuais”, ou seja, nas épocas posteriores não se manteve o conhecimento e muito menos houve evolução.

    Um outro exemplo, são as “Baterias de Bagda”, em que antes de Cristo se podia até mesmo criar um artefato semelhante a uma lanterna e há indícios que dispositivos semelhantes foram usados para percorrer os túneis das pirâmides.

    Talvez na época a importância em ser o dono do conhecimento era tão grande que isso dificultava em muito a propagação da informação.

    Ou talvez outros povos simplesmente não tivessem o conhecimento mínimo para poder entender alguma invensão de outro povo mais adiantado.

    E claro, os barbaros, as invasões externas de povos mais truculentos acabavam detonando com qualquer forma de cultura que se sobressaia.

    Como por exemplo, quando os Arabes incendiaram a BiBlioteca de Alexandria.

    Inclusive queria divulgar o maior acervo de informação sobre esta biblioteca, em lingua portuguesa, aqui => http://forum.intonses.com.br/viewtopic.php?f=89&t=5463

    Mas como seria a vida hoje, se continuassem desenvolvendo artifícios como o mecanísmo de Antiekera ou as baterias de Bagdá.
    Seríamos certamente muito mais evoluídos tecnológicamente.
    Mas isto não indica que o seríamos moralmente.

    Então é melhor assim como ta.

    Porque o poder da tecnologia colocado a disposição de um povo que só quer saber de conquistas e sobrepujar os outros povos, não da bons resultados..

    1. Cuidado com as Baterias de Bagda, porque o Van Daniken colocou-as no ‘Museu’ dele, na Suiça!!!!!!! (eheheheh..!!!)
      A Biblioteca de Alexandria foi destruída por Cristãos Egípcios!!!

      A evolução tecnológica na História do Homem, nem sempre foi linear, houve vários momentos onde regrediu… e nem sempre foi devido a guerras ou cataclismos, basta observar quais os programas de televisão com maior audiência nos dias de hoje (reality show’s), para chegar à conclusão que isto não evoluiu nada, bem pelo contrário!!!

      Abraços

        • Santo Lara on 22/01/2013 at 15:00

        Após agosto de 1945 entramos em uma nova era e hoje o ser humano tem muitas possibilidades para resolver seus desafetos, vejamos: Se,
        uma bomba nuclear destroi a cidade de nossos inimigos,
        dez bombas, arrasarão o estado dos amigos de nossos inimigos,
        cem delas, provavelmente, destruírão o país dos inimigos de nossos amigos

        e mil, coitados! irá aniquilar sem piedade até os inimigos de nossos inimigos.
        Então… opa!

        A tecnologia pode ser vista como se fosse a Lua, um esta claro, já o outro escuro.
        Devemos torná-la mais clara, como se fosse o Sol. Luz para todos os lados!

    2. Pontuais? Talvez não, a verdade é que com a perda de uma civilização, perde-se muito do seu conhecimento, científico e cultural. Ficaríamos espantados se pudéssemos viajar no tempo e redescobrir estas civilizações e ideias perdidas. Mas mesmo agora são realizadas descobertas que só anos mais tarde terão utilidade (muita talvez). Não podemos julgar os nossos antepassados de burros, quando nós não fazemos melhor que eles. Somos biologicamente iguais a eles, apenas somos cronologicamente mais recentes e, de certa forma, com a globalização e o desembaraço de crenças e superstições adquiridas ao longo dos tempos, temos experimentado um maior progresso tecnológico que no tempos mais antigos da civilização.

    • Marcos Mussel on 21/01/2013 at 14:51
    • Responder

    Bem, a turma dos alienígenas do passado do canal história diz não ser bem obra dos gregos isto naum. No futuro irão olhar nossos computadores e acreditar ter vindo do espaço tb.

  3. Excelente saber que as civilizações antigas por si mesmas ( e sem a ajuda de deuses que montavam carruagens de fogo celeste, ponto para nós simples humanos) criaram tecnologias que até hoje nos maravilham.Pena é que enquanto uns criavam arte, sabedoria e beleza outros varavam com suas espadas sábios como Arquimedes!

  4. Bom documentário sobre a descoberta e o funcionamento do Mecanismo:
    http://www.youtube.com/watch?v=FtclaoGJHhE

    Abraços

  5. Agora comparem a excelencia deste projecto com o que se encontrou da civilização Maia…

  1. […] Efeito Fotoeléctrico, Equação, café. Conferência Solvay. Lei de Titius-Bode. Ovo de Avestruz. Máquina de Antikythera […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.