Nova Centauri 2013

Crédito: Yuri Beletsky; Las Campanas Observatory, Carnegie Institution

Crédito: Yuri Beletsky; Las Campanas Observatory, Carnegie Institution

Num sistema estelar binário, a densa anã branca vai retirando material da sua companheira gigante, até que atinge a massa crítica para “soluçar”, aumentando rapidamente de brilho e produzindo uma bolha de detritos em expansão.

Este evento particular é conhecido como uma nova clássica e não deve ser confundido com uma supernova. As novas clássicas ocorrem em sistemas binários de estrelas quando o hidrogénio gasoso originário da parceira estelar é acretado na superfície da estrela principal, dando origem a um evento termonuclear que faz com que a estrela principal brilhe mais intensamente. Nas novas clássicas a estrela principal não é destruída como no caso das supernovas. Em vez disso, a estrela torna-se dramaticamente mais brilhante ao mesmo tempo que se dá uma expansão da concha de detritos.

Em ambas as fotos, vemos a Nova Centauri 2013 a partir do deserto do Atacama, no Chile.

Crédito: ESO/Y. Beletsky

Crédito: ESO/Y. Beletsky

1 comentário

  1. Qual é a distância da Novo Centauro e nós?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.