Meteoro quase atinge paraquedista?

Esta é uma daquelas histórias que parecem demasiado fantásticas para serem verdade…

Imagem retirada do vídeo. Crédito: Anders Helstrup

Imagem retirada do vídeo. Crédito: Anders Helstrup

A 17 de Junho de 2012, o paraquedista norueguês Anders Helstrup estava a praticar o seu desporto favorito quando um meteoro passou pertinho de si.
Na altura do evento, ele não se deu conta. Mas como ele grava quando faz paraquedismo, então posteriormente quando viu as imagens obtidas pelas duas câmeras que leva no capacete, percebeu que uma pequena pedra tinha passado perto dele.
O meteoro não está luminoso (como uma estrela cadente) porque à altura em que estava, encontrava-se já na zona em que estava mais lento (por causa da resistência do ar) e a esfriar.

A pedra teria um diâmetro de 8 a 20 cm, com uma massa entre 1 e 20 kg, e passou entre 3 e 6 metros do paraquedista.

Vejam o vídeo:

Viram?
Vejam melhor:

Obviamente, a minha primeira reação foi: é falso.
Ou o vídeo seria falso e a pedra não existia na realidade.
Ou a pedra existia porque foi atirada por outro paraquedista próximo acima deste, ou atirada por pessoas no avião, ou caiu da mochila dele, ou caiu quando o paraquedas abriu.

No entanto, o astrofísico norueguês Pål Brekke confirmou ao website da Universe Today, que a história é verdadeira. E confessou que já sabia da história e que passaram estes 2 anos à procura do meteorito (ou seja, da pedra que caiu no solo).
(Leiam também a análise feita por Phil Plait, aqui, e a análise feita por Steinar Midtskogen, aqui).
Infelizmente, ainda ninguém encontrou o meteorito e, sendo assim, falta a “prova” desta história.

Neste momento, o vídeo foi divulgado para recrutar voluntários para procurarem pela pedra.
Mas vai ser difícil. A zona onde terá provavelmente caído tem um rio, pântanos, erva e uma floresta.

Caso fique definitivamente provado que era um meteoro, então esta é a primeira vez na história que um meteoro foi filmado em pleno ar por um ser humano quando passava pela zona onde já está “escuro”, a esfriar.

7 comentários

1 ping

Passar directamente para o formulário dos comentários,

  1. Infelizmente, não se trata de meteorito, mas de uma pedra presa no paraquedas, que se soltou quando este abriu. Isto acontece eventualmente. Phil Plait esclareceu isto, aqui: http://www.slate.com/blogs/bad_astronomy/2014/04/08/skydiving_meteorite_it_was_a_rock.html

    • luciano souza on 08/04/2014 at 23:27
    • Responder

    isso!! à medida em que um corpo que vem do espaço em alta velocidade entra em nossa atmosfera, o mesmo começa a frear devido ao atrito com o ar. no primeiro momento, como a velocidade é muito alta, este corpo aquece, chegando mesmo a queimar (como se fosse uma pedra arrastando no asfalto, pois há um choque muito violento com as moléculas de ar), mas a medida em que vai desacelerando ocorre o contrário: o ar passa à resfria-lo. se fosse a noite, provavelmente seria visível o rastro do percurso durante o qual ele queimou.

    1. Mas é realmente um ovini, oras. É um objeto, voador, que até então não havia sido identificado. Tem nada errado aí.

  2. O meteorito não devia ter passado pelo pára-quedista a algumas centenas de km/h? Parece-me que passou devagar por ele…
    Normalmente nem daria para ser capturado pela câmara…
    Se fizermos as contas à velocidade em m/s e que a câmara devia estar a 30 fps, talvez nem desse para ser apanhado em 2 frames… No entanto dá para ver bem o meteorito no vídeo.
    Acho k foi atirado por outro pára-quedista :p

    1. O que me foi explicado é que nesta altura, a resistência do ar já o travou bastante.

      No entanto, deixe-me realçar que eu não sou especialista nestas coisas 😉

      abraços

    2. A esta altura chama-se “Dark Flight”… porque ele já não tem luminosidade.

      http://www.imo.net/fireball/meteorites

      ” We may then assume that a successful passage of the atmosphere will occur if the object enters at less than 23 km/s and survives to reach a velocity of less than 8 km/s without serious disruption. All of these values were derived from ordinary chondrites however and are likely to be valid only for comparable materials. Even so, the above is only true up to a certain mass. Very large objects of several meters in diameter which may cause meteorite craters are not decelerated very much (Ceplecha 1991).

      After the transformation of its kinetic energy and its total deceleration, the surviving meteorite falls only by the Earth’s gravitation without the emission of light, a period known as dark flight. During this phase the wind’s force and direction have an important influence, and the surviving body may drift away from its original course. The effect can be considerably because both the free-falling meteorite and the wind have comparable velocities. Furthermore the dark flight trajectory is affected by the shape of the meteorite.”

  1. […] do paraquedista que quase apanhou com uma pedra? Leiam este artigo. Tudo apontava para ser um meteoro… hipótese aceite até por […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.