Cosmos – quinto episódio

L_HidingInTheLight_005_Cosmos

5 – Escondido na Luz (Hiding in the Light)

As chaves para o cosmos estão ao nosso redor para serem encontradas há muito tempo. A luz, em si, tem muitas destas chaves, mas nós nunca percebemos que elas estavam lá até que aprendemos as regras básicas da ciência.

104-001-cosmos-hiding-in-the-light-large-photo-960x540

Este episódio explora as propriedades da luz, as cameras, o método científico, e a composição do Universo.

Uma aposta fabulosa deste episódio é a contribuição do físico Ibn al-Haytham, que viveu no século XI e que é considerado o “pai do método cientifico”.

cosmos2

O episódio começa com uma ideia do último episódio: a luz teve um papel importante no aumento do nosso conhecimento científico.

Há mais de 2000 anos atrás já o filósofo chinês Mozi (Mo Tzu) fazia experiências com a luz numa camera escura.

No século XI, o cientista árabe Ibn al-Haytham “inventou” o método científico de maneira a compreender a natureza da luz. Ele foi o primeiro a compreender como conseguimos ver a luz e como a luz viaja. Ele desenvolveu a ótica de uma forma que levou ao conceito de telescópios.

O trabalho de Isaac Newton com prismas, utilizando a difração, demonstrou que a luz era composta pelo espetro visível, sendo que William Herschel mostrou que a luz também incluía radiação infravermelha (formas invisíveis de luz).

Joseph von Fraunhofer descobriu que era possível observar “linhas pretas verticais” entre as cores da luz visível. Estas linhas de Fraunhofer são causadas pela absorção de luz pelos eletrões que se movem entre órbitas atómicas. Cada átomo tem uma assinatura diferente. Isto levou à espetroscopia, sendo que as linhas espetrais permitiram que os astrónomos passassem a saber a composição de estrelas, planetas, etc.

medium_image-5342f4dd6170700697cc0000-coalesced

Este é mais um episódio que é muito bom.

Visualmente, este é um episódio excelente!

O episódio versa sobre a espetroscopia, um assunto pouco compreendido na população mas que é crucial para vários assuntos, incluindo a astronomia. Sem espectroscopia, praticamente não teríamos conhecimento astrofísico. Por aqui já se vê como este tema é crucial.

A descoberta de formas invisíveis de luz também foi extremamente importante para a ciência. Note-se que foi a ciência, com o método cientifico, a descobrir isto. No entanto, esta antiga ideia de “energias desconhecidas” é hoje utilizada pelos pseudos para vigarizarem a população com “mezinhas da treta” (exemplo: Reiki).

A sequência no final do episódio, mostrando a Cidade de Nova Iorque em diferentes comprimentos de onda (visível, infravermelho, ultravioleta, raios-X, raios gama, microondas, e rádio), é brilhante.
Deveria ser presença obrigatória nas aulas de ciência!

A parte em que Tyson explica a natureza da luz utilizando as ondas de som também é muito boa. Pode parecer um pouco “ao lado” do resto do episódio, mas essa parte é utilizada para explicar de forma simples os comprimentos de onda, as frequências e as “energias” não audíveis/vistas pelo ouvido/olho humano (mas que a ciência consegue ouvir/ver).

Adorei a inclusão de cientistas não ocidentais.
É preciso realçar mais este facto: a ciência não se desenvolveu somente na Europa e EUA.

Já há mais de 2000 anos, pelo menos, que a política compromete o desenvolvimento da ciência. Não é só a religião, como em Alexandria ou na chamada Idade das Trevas. Se o imperador Qin Shihuang não exterminasse o trabalho de Mo Tzu e de outros filósofos chineses, talvez hoje estivéssemos muito mais avançados em termos científicos.

2880x1111xCOSMOS_LOGO_FRAME_f.jpg.pagespeed.ic.0KGUK2Fvj5

Para lerem análises a todos os episódios, por episódio, cliquem aqui.

Para lerem análises a todos os episódios, num só artigo, cliquem aqui.

7 comentários

2 pings

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • Beatriz scapin on 27/04/2016 at 03:32
    • Responder

    oii
    boa noite
    sou do terceiro ano do ensino medio e meu professor pediu para fazer um resumo desse video
    mais não acho ele como video apenas como resumo ja
    alguém pode me socorrer?

    Att. Beatriz

    1. desculpa, esse aqui é o episódio certo: http://hitseriesonline.blogspot.com.br/2015/10/cosmos-episodio-05-escondido-na-luz.html

    • Timoteo Almeida on 08/02/2016 at 00:42
    • Responder

    Meus amigos, também gosto da serie Cosmos desde o tempo de Carl Segan. Agora com a apresentação nova pelo Tyson achei uns erros no epsódio 5 quanto as propriedades da Luz. Vejam os pontos:

    1 – Foi dito no programa que a luz vermelha tem uma temperatura maior que a azul. Não mesmo, pois a luz azul tem mais energia.
    Para justificar a minha colocação, eu destaco um texto do site do observatorio nacional:
    “Verifica-se experimentalmente que, quanto maior é a temperatura de um objeto, mais energia ele emite.
    Também se observa que, à medida que a temperatura do objeto aumenta, ele passa a emitir a maior parte desta radiação em energias cada vez maiores.
    Energia mais alta significa radiação de comprimento de onda mais curto.” link do site http://www.on.br/ead_2013/site/conteudo/cap10-radiacao/radiacao.html

    2- Na imagem do prisma com a difusão da luz branca em suas componentes,é dito pelo astrônomo Tyson que a luz vermelha é mais rápida que a azul, além de mostrarem isso na iilustração, a luz vermelha chegando primeiro que a azul.
    Novo engano,pois pela formula: velocidade da onda de luz é igual a lambda vezes a frequência.

    Alguem saberia explicar o porquê destes erros ? Isso é física básica.

    1. Oi Timoteo,

      Na verdade o video está correto!

      1) O Sol emite o vermelho com uma intensidade um pouco maior do que o azul, conforme vemos na figura do espectro de emissão em:

      https://www.google.com.br/search?q=espectro+emissao+solar

      Note que a intensidade de radiação relativa entre as faixas de frequência da luz não deve ser confundida com a temperatura do corpo emissor, que é o que vemos no link que tu colocou.

      2) O índice de refração do vidro é maior para o violeta do que para o vermelho. Portanto, como n=c/v, a velocidade da luz violeta no vidro é menor do que a velocidade da luz vermelha. No vácuo, todas as cores viajam com a mesma velocidade c = 3.10^8 m/s.

      Prof. Fabio M. S. Lima
      Universidade de Brasilia

  1. Luz, diferentes comprimentos de onda, “energias invisíveis”, telescópios e espetroscopia que nos permitiu compreender a composição do Universo… são alguns dos temas para aprender com este episódio 😉

    • Graciete Virgínia Rietsch Monteiro Fernanbdes on 20/08/2014 at 22:47
    • Responder

    Este foi um dos episódios que melhor compreendi!!!!!

  1. […] – Escondido na Luz (Hiding in the […]

  2. […] Pickering, de modo a catalogar o espetro das estrelas (ver as linhas de Fraunhofer, explicadas no episódio 5). Supostamente, elas tinham um trabalho menor, de contar estrelas. Esta equipa incluía Annie Jump […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.