Google+

«

»

Dez 05

Onde se Escondem os Cometas ?

Todos os anos são descobertos dezenas de cometas. Em geral são demasiado débeis para poderem ser vistos a olho nu e só ocasionalmente um deles, pelo seu brilho intrínseco e/ou devido a um percurso orbital que o traz para perto do nosso planeta, se torna suficientemente brilhante para atrair a atenção de um público mais abrangente. Alguns, muito poucos, são mesmo tão brilhantes que são facilmente visíveis pela população em geral que nota a presença do corpo celeste mesmo com uma observação casual do firmamento. Estes “Grandes Cometas”, como são designados, tornam-se parte da memória colectiva da humanidade. Um exemplo relativamente recente e que muitos leitores certamente recordarão foi a aparição do cometa Hale-Bopp, o “Grande Cometa de 1997″.

970401C_lodriguss_960
{Hale-Bopp, o Grande Cometa de 1997. Crédito: Jerry Lodriguss.}

Tal como os planetas, os cometas orbitam o Sol em órbitas elípticas, com o Sol num dos focos. As órbitas dos cometas ficam completamente definidas através de 5 parâmetros — o “semi-eixo maior”, a “excentricidade”, o “argumento do periélio”, a “longitude do nó ascendente” e a “inclinação orbital”. Não se preocupem com os nomes estranhos. A forma da órbita é definida apenas pela “excentricidade” e pelo “semi-eixo maior”. Os outros três nomes definem a orientação espacial da órbita do cometa.

ellipse-sun
{A órbita de um corpo celeste em torno do Sol tem a forma de uma elipse em que o Sol ocupa um dos focos. O periélio e o afélio são, respectivamente, os pontos de menor e maior distância do corpo ao Sol.}

A excentricidade pode ser vista como uma medida do desvio da forma da órbita relativamente a uma circunferência — na realidade, uma circunferência é uma elipse de excentricidade zero. Nesta situação, os dois focos da elipse coincidem com o centro da circunferência. Um hipotético cometa com uma órbita de excentricidade zero manteria sempre a mesma distância ao Sol. À medida que consideramos excentricidades mais elevadas, os focos da elipse afastam-se cada vez mais do centro. Para cometas com estas órbitas — essencialmente todos — a distância ao Sol varia consideravelmente ao longo da órbita. Os pontos da órbita em que o cometa mais se aproxima e mais se afasta do Sol são designados, respectivamente, de periélio e afélio.

excentricity
{Elipses com o mesmo semi-eixo maior e diferentes excentricidades.}

Já agora, uma órbita com excentricidade 1 é uma parábola, não uma elipse. Podem imaginar (de forma pouco rigorosa, mas serve) aumentar a excentricidade de uma elipse cada vez mais até valores próximos do 1. A elipse estica, estica, até que, no limite, a órbita que antes era fechada rasga num ponto e assume a forma de uma parábola. Cometas com órbitas parabólicas têm uma energia orbital suficiente que lhes permite manter uma ligação muito débil com o Sol. Uma pequena perda de energia mantem-nos debaixo da influência gravitacional do Sol, baixando a excentricidade para um valor ligeiramente inferior a 1. A sua órbita passa de uma parábola para uma elipse. Por outro lado, um pequeno aumento de energia permite que se libertem indefinidamente da influência gravitacional do Sol e se percam no espaço interestelar. A sua órbita passa de uma parábola para uma hipérbole, com excentricidade superior a 1. De facto, alguns (poucos) cometas observados ao longo da história tinham órbitas hiperbólicas pelo que é possível que sejam visitantes do espaço interestelar! Finalmente, o semi-eixo maior da órbita define o tamanho absoluto da mesma. Cometas cujas órbitas têm um semi-eixo maior elevado, independentemente da excentricidade, afastam-se imenso do Sol e têm períodos orbitais igualmente elevados.

conic_sections
{Elipses (órbitas fechadas, exemplos para e=0 e e=0.5), parábola (órbita aberta, e=1) e hipérbole (órbita aberta, exemplo para e=2). Fonte: Wikipedia.}

Na década de 50 do século XX, os astrónomos Jan Oort e Ernst Öpik, independentemente, estudaram a forma e orientação das órbitas de dezenas de cometas para os quais esses parâmetros eram conhecidos. Eles tentavam perceber qual a origem dos cometas e qual a região do Sistema Solar que lhes servia de repositório. Oort e Öpik descobriram que a vasta maioria dos cometas tinha excentricidades orbitais muito elevadas, superiores a 0.9 e frequentemente indistinguíveis de 1. A distribuição estatística dos semi-eixos maiores dos cometas mostrava também que a maioria deles se afastava imenso do Sol.

inverse_semi_major_axis_distribution
{O pico próximo de zero na distribuição dos valores de 1/a (o inverso do semi-eixo maior) mostra que a maioria dos cometas tem órbitas com semi-eixos maiores enormes.}

Os astrónomos perceberam assim que a maioria dos cometas tinha uma ligação muito ligeira ao Sistema Solar (pois tinham elevadas excentricidades orbitais) e deveriam passar a maior parte do tempo numa região do Sistema Solar muito afastada do Sol (porque tinham semi-eixos maiores muito grandes). De facto os seus períodos orbitais eram frequentemente na ordem das centenas de milhar ou milhões de anos!

oort_and_opik
{Jan Oort (esquerda) e Ernst Öpik (direita).}

Oort e Öpik estudaram ainda a orientação das órbitas no espaço tridimensional. Neste caso os dados à sua disposição mostravam claramente que os cometas se aproximavam do Sol sem nenhuma direcção preferencial. Mais ainda, tendo em conta a quantidade de cometas que nos visita regularmente e os milhares de milhões de anos da história do Sistema Solar, o número total de cometas deveria ser literalmente astronómico. A conclusão a que chegaram foi notável: na região mais exterior do Sistema Solar, ocupando uma região entre 20000 e 50000 UA (1 UA = distância da Terra ao Sol ~ 150 milhões de km), encontra-se uma nuvem esférica de núcleos cometários. Este vasto repositório de cometas, que quando perturbados gravitacionalmente iniciam a sua viagem para o interior do Sistema Solar, é designado, como seria de esperar, por Nuvem de Öpik-Oort.

opil_oort
{A Nuvem de Öpik-Oort, uma nuvem esférica de núcleos cometários que rodeia o Sistema Solar mais familiar e, em última análise, define a sua esfera de influência no espaço interestelar.}

Este cenário, com pequenas correcções e refinamentos, tem vindo a ser corroborado por estudos mais recentes. Apesar disso, note-se, nunca ninguém observou a Nuvem de Öpik-Oort directamente — os núcleos cometários aí existentes são demasiado pequenos e débeis para serem detectados mesmo com os maiores telescópios existentes na Terra ou no Espaço. Os núcleos são compostos por gelos diversos, poeira e diferentes tipos de rocha, formando uma amálgama porosa com uma consistência frágil, coberta por uma superfície escura, tão escura como o asfalto nas nossas estradas, devido à formação de moléculas orgânicas complexas por interacção com raios ultravioletas e raios cósmicos. Trata-se de relíquias da nebulosa protoplanetária que deu origem ao Sistema Solar que nunca chegaram a agregar-se e a formar corpos maiores. Nessa altura ocupavam sensivelmente o mesmo plano orbital dos planetas. Os modelos mais recentes da formação e evolução do Sistema Solar explicam a formação da Nuvem de Öpik-Oort através da interacção gravitacional entre os núcleos cometários e os planetas gigantes Júpiter e Saturno. A intensa gravidade destes planetas terá modificado a excentricidade, o semi-eixo maior e a orientação tridimensional das órbitas de biliões (Brasil: trilhões) de núcleos cometários, atirando-os para longe do Sistema Solar interior, em todas as direcções, formando a Nuvem de Öpik-Oort.

Rosetta_OSIRIS_NAC_comet_67P_20140803_1
{O núcleo do cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko fotografado pela sonda Rosetta. Crédito: ESA.}

Acerca do autor(a)

Luís Lopes

Luís Lopes é professor no departamento de Ciência de Computadores da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto. Astrónomo amador há mais de 25 anos, interessa-se pela ciência em geral e pela sua divulgação. Acompanha com especial atenção os desenvolvimentos nas áreas de exoplanetas e da evolução estelar. Gosta de estar com a família, de ler um bom livro, de plantar e ver crescer árvores e de passar noites a observar o céu. Também escreve para o AstroPT de vez em quando ;-)

4 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

  1. Manuel Fernandes

    Luis, é possível calcular um novo perielio a partir da variação da excentricidade?

    1. Luís Lopes

      Bom dia Manuel,

      Não percebi a sua pergunta. Podia elaborar ? O que quer dizer com a “variação da excentricidade” ?

      Luis

  2. Manuel Fernandes

    Porque não respondeu ?

    Sucesso

    1. Carlos Oliveira

      Já foi respondido…

      Note que todos nós somos profissionais nas nossas áreas, mas respondemos no blog de forma voluntária… por isso pode demorar algumas vezes.

      abraços

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>