Set 24

Plutão em Alta Resolução e a Cores

Esta imagem combina três vistas de Plutão nas regiões azul, vermelha e infravermelha do espectro. As imagens originais foram obtidas pela câmara Ralph/Multispectral Visual Imaging Camera (MVIC) da sonda New Horizons, no dia 14 de Julho de 2015. A resolução espacial e cromática é de 1.3 km/píxel. É bem visível a incrível diversidade de formações geológicas no planeta anão bem como subtis diferenças de composição na superfície postas a nu pela inclusão de informação em várias bandas do espectro electromagnético.

Crédito: NASA/JHUAPL/SWRI.

Crédito: NASA/JHUAPL/SWRI.

O mosaico seguinte foi sintetizado com base em imagens obtidas pela câmara Long Range Reconnaissance Imager (LORRI) da New Horizons, no dia 14 de Julho de 2015, pouco antes do momento da maior aproximação a Plutão. A LORRI é uma câmara monocromática pelo que a cor visível na imagem foi adicionada com base em imagens obtidas com a câmara multi-espectral MVIC. O mosaico mostra-nos um panorama que se inicia numa região montanhosa no bordo da grande planície Sputnik Planum e continua até ao coração dessa vasta extensão gelada, com o seu característico reticulado de polígonos irregulares. A dimensão vertical da imagem corresponde a uma extensão de 530 quilómetros na superfície e a resolução é de 250 m/píxel! Na imagem anterior, a região aqui ilustrada encontra-se sensivelmente no centro do disco de Plutão.

Crédito: NASA/JHUAPL/SWRI.

Crédito: NASA/JHUAPL/SWRI.

(Fonte: NASA, NASA)

2 comentários

2 pings

  1. Olá Luís!

    Como a geomorfologia de Plutão e Caronte são complexas e fascinantes, mais do que sonhávamos!

    Parabéns e obrigado pela postagem!

    • isamarreiros on 27/09/2015 at 14:29
    • Responder

    Que previlegio o nosso de poder ver com tamanho pormenor um tão distante membro da família ☺☺

  1. […] próxima imagem, continuamos a ver uma geologia estranha, com polígonos gelados (Sputnik Planum) e […]

  2. […] Empilhadas até a uma altitude máxima de 200 km, as camadas de neblina são provavelmente acumulações de partículas de pequenas dimensões formadas por misturas de hidrocarbonetos resultantes de reações fotoquímicas envolvendo o metano, o azoto e outras pequenas moléculas presentes na atmosfera de Plutão. Possivelmente com uma coloração vermelha ou acinzentada, estas partículas têm, não obstante, a capacidade de dispersarem de forma eficaz a luz azul. Os intrincados padrões horizontais visíveis na imagem são provavelmente uma consequência do seu fracionamento de acordo com o tamanho nas camadas mais inferiores da atmosfera. Eventualmente, as partículas de maiores dimensões acabam por alcançar a superfície plutoniana, onde formam finos depósitos de cor avermelhada. […]

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.