A face de um cometa morto

caveira_2015TB145_radar_Arecibo_3010152015 TB145 numa imagem de radar obtida pelo radiotelescópio de Arecibo, a 30 de outubro de 2015 (resolução: 7,5 metros por píxel).
Crédito: NAIC-Arecibo/NSF.

O asteroide que ontem passou nas proximidades da Terra poderá ser na verdade um cometa extinto. Oficialmente conhecido por 2015 TB145, este estranho objeto foi descoberto no passado dia 10 de outubro, pelo projeto Pan-STARRS, e sobrevoou o nosso planeta ontem, pelas 17:01 (hora de Lisboa), a uma distância segura de 486,8 mil quilómetros (aproximadamente 1,27 vezes a distância média que separa a Lua da Terra). Com centenas de metros de diâmetro, 2015 TB145 é considerado um objeto potencialmente perigoso, pelo que os cientistas aproveitaram este evento para estudarem em detalhe as suas características físicas.

Usando uma combinação de observações realizadas através do telescópio de infravermelhos do observatório de Mauna Kea (o IRTF), no Hawai’i, e do radiotelescópio de Arecibo, em Porto Rico, investigadores da NASA descobriram que 2015 TB145 é muito provavelmente um núcleo cometário que se despojou dos seus compostos voláteis após numerosas passagens nas proximidades do Sol. Esta conclusão é consistente com a extrema excentricidade (0,86) e elevada inclinação (39,7º) da sua órbita, que sugerem que este objeto é um antigo cometa da família de Júpiter.

“Descobrimos que este objeto reflete cerca de 6% da luz que recebe do Sol”, explicou Vishnu Reddy, investigador do Instituto de Ciências Planetárias, em Tucson, Arizona, nos Estados Unidos, e o responsável pelas observações realizadas em Mauna Kea, no Hawai’i. “Este valor é semelhante ao do asfalto fresco, e embora aqui na Terra consideremos que é [um material] muito escuro, este objeto é ainda assim mais brilhante que um cometa típico, que reflete apenas 3 a 5% da luz. Isto sugere que poderá ter uma origem cometária – mas como não existe uma cabeleira evidente, a conclusão é a de que é um cometa morto.”

2015TB145_radar_Arecibo_301015O objeto 2015 TB145 numa sequência de 7 imagens de radar obtida pelo radiotelescópio de Arecibo, a 30 de outubro de 2015 (resolução: 7,5 metros por píxel).
Crédito: NAIC-Arecibo/NSF.

As primeiras imagens de radar captadas anteontem em Arecibo tinham já demonstrado que 2015 TB145 é um objeto arredondado com um período de rotação de cerca de 5 horas e um diâmetro aproximado de 600 metros. Estas dimensões são consideravelmente superiores às estimativas iniciais (300 a 400 metros), o que sugeria que 2015 TB145 era muito mais escuro que os típicos asteroides com órbitas próximas da órbita da Terra.

As imagens revelaram ainda que este objeto tem uma aparência muito adequada para o dia das bruxas. Duas formações circulares com baixa refletividade ao radar dão a 2015 TB145 um aspecto muito semelhante ao de uma caveira humana. Estas estruturas são muito provavelmente duas grandes crateras formadas por antigos impactos ou pela volatização de gelos na superfície do cometa. “Os dados do IRTF podem indicar que este objeto poderá ser um cometa extinto, mas nas imagens de Arecibo parece que se mascarou com um traje de uma caveira para a sua passagem [pela Terra] na noite das bruxas”, disse Kelly Fast, cientista do programa IRTF e um dos responsáveis pelo programa de observações de objectos com órbitas próximas da órbita da Terra da NASA.

A influência gravitacional de 2015 TB145 é ínfima quando comparada com a da Terra, pelo que o encontro de ontem não teve qualquer efeito mensurável na Lua ou no nosso planeta. A aproximação à Terra produziu, no entanto, uma ligeira alteração na trajetória deste pequeno objeto – o suficiente para aumentar um pouco as incertezas nos seus parâmetros orbitais. Seja como for, as observações até agora realizadas permitem excluir qualquer risco de impacto com o nosso planeta para pelo menos os próximos dois séculos.

11 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

    • Samuel Junior on 05/11/2015 at 20:15
    • Responder

    Existe algum site do qual possa simular o poder de destruição de objetos espaciais com o planeta?

    1. Olá Samuel,

      Pode simular o efeito de um impacto de um objeto na superfície da Terra neste site: http://impact.ese.ic.ac.uk/ImpactEffects/. 😉

        • Samuel Junior on 05/11/2015 at 21:11

        Hmmm bacana, mas pensei que existia uma versão igual o simulador de bomba nuclear:
        http://nuclearsecrecy.com/nukemap/

      1. Olá Samuel,

        Tem também este: http://simulator.down2earth.eu/. 🙂

        • Samuel Junior on 10/11/2015 at 17:57

        Este é muito bom. Valeu Sérgio. 🙂

  1. Vocês acreditam/tem evidências da existência do planeta X/nibiru?

    1. Olá João,

      É irrelevante o que eu, o João ou outra pessoa qualquer acredita. O importante é perceber se existem evidências da presença de outro ou outros corpos planetários, além dos 8 planetas que conhecemos no nosso Sistema Solar. E a resposta é não, não existem. 😉

      Temos aqui, no AstroPT, alguns artigos detalhados sobre a fantasia de Nibiru. Pode ler, por exemplo, este: http://www.astropt.org/2011/09/09/fantasia-planetaria-nibiru/. Aconselho-o também a ler este outro artigo onde é explicada a diferença entre crença e evidência: http://www.astropt.org/2012/09/07/a-ciencia-funciona-mesmo-que-a-pessoa-nao-acredite/.

        • João on 08/11/2015 at 07:13

        Artigos muito bons. Agora há um novo boato sobre fim do mundo. Desta vez quem previu não foi um profeta ou religioso, e sim um blogueiro 😂😂 e ele acusa que seria o famoso Nibiru se aproximando. Vai saber como ele chegou a essas conclusões 😂😂

      1. Certamente que não foi olhando para o céu 😉

    • Flavio Israel on 02/11/2015 at 01:07
    • Responder

    Talvez a imagem de “caveira” do Asteroide tenha realmente sido publicidade, seila UHAUHA, seria muita coicidencia do destino, mas enfim, espero que possam estudar bastante agora com a passagem dele ontem

    1. Olá Flavio,

      A imagem é certamente real. A caveira não é. É apenas um fenómeno de pareidolia. 😉

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.