Estaria a Estrela de Tabby se alimentando de um planeta?

ilustração feita pela NASA

Vamos falar da estrela de Tabby, a estrela KIC 8462852.

Essa estrela ficou famosa em 2015, quando ao estudar a sua curva de luz, astrônomos notaram uma queda de brilho muito grande, cerca de 20%, algo muito além dos 1 a 2 por cento normalmente observados em estrelas que têm trânsito de planetas.
A partir desse momento as especulações, hipóteses e conjecturas começaram.

Seria uma família de cometas passando na frente da estrela?

Agora surgiu outra possível explicação: a estrela pode ter engolido um planeta, e os restos desse jantar criaram uma nuvem de detritos que está causando a variação de brilho.

Um planeta pode ter chegado perto da estrela e ter sido sugado pela sua força gravitacional. Ao devorar o planeta, a energia teria feito a estrela brilhar mais e depois gradualmente voltar para o seu brilho original.

Quanto maior o planeta, mais tempo leva para a estrela voltar.
Assim, dependendo do tamanho do planeta, esse evento pode ter ocorrido entre 200 e 10000 anos atrás.

À medida que o planeta caía em direção à estrela, ele era despedaçado, criando ao redor da estrela uma nuvem de detritos.
Quando esses detritos passam entre nós e a estrela, causam a variação de brilho.
Como são pedaços de vários tamanhos e não seguem uma regra de movimento específica, isso explicaria as variações não periódicas.

Os autores do artigo dizem que esse tipo de colisão não é muito raro: aproximadamente 10 planetas como Júpiter devem cair numa estrela típica durante toda a sua vida, e se o objeto for menor que Júpiter esse número cresce bastante.

Esses trânsitos duram poucos dias, então a ideia é estar preparado para tentar ver a assinatura dos detritos planetários passando em frente da estrela.

Fontes: New Scientist, Futurism, Artigo Científico

1 ping

  1. […] IFLS, Blog da Equipa da Tabby, artigo científico, AstroPT, AstroPT, AstroPT, AstroPT, […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.