Mar 16

A Nebulosa da Tarântula: deslumbre e violência cósmica

A Nebulosa da Tarântula (HD). Aquisição: iTelescope – Portugal; processamento (T33): Ruben Barbosa.

No seu 6º trabalho, o grupo iTelescope-Portugal decidiu explorar uma teia.

Também conhecida como 30 Doradus ou NGC 2070, a Nebulosa da Tarântula, assim chamada por se assemelhar a uma teia gigante, é uma região HII com cerca de 1.000 anos-luz de comprimento, localizada na Grande Nuvem de Magalhães, uma pequena galáxia satélite da Via Láctea, à distância estimada de 170 mil anos-luz da Terra.

Apesar do esplendor desta imagem, estamos perante um local extremamente hostil para a vida. Aqui as estrelas formam-se, evoluem e terminam a sua vida rapidamente, a maior parte das vezes de forma violenta. A fotografia mostra estrelas em diferentes fases da sua evolução, algumas formadas recentemente (com cerca de 2 milhões de anos), ainda escondidas em bolsas de gás denso e escuro, bem como o remanescente de gigantes que terminaram o seu ciclo em explosões de supernova. A cor vermelha corresponde ao hidrogénio.

Imagem panorâmica da Nebulosa da Tarântula (HD). Aquisição iTelescope-Portugal (T32); processamento: Ruben Barbosa.

Estima-se que a NGC 2070 tenha somente 2 milhões de anos de idade e seja composta por mais de 500.000 estrelas. O seu núcleo, conhecido por R136, está repleto de algumas das estrelas mais maciças encontradas na nossa vizinhança, pesando mais de 100 vezes a massa do nosso Sol. Estas estrelas jovens e quentes, esculpem as paredes de gás com radiação ultravioleta, criando estruturas semelhantes a pilares, vales e cumes, bem como ondas de choque que irão comprimir o material envolvente e, pela ação de gravidade, acabaram por dar origem a novas estrelas.

Pormenor da NGC 2044 (HD). Aquisição: iTelescope-Portugal (T33); processamento: Ruben Barbosa.

Aquisição de dados efetuada pelo grupo iTelescope – Portugal (Ha: 6×600”, Lum: 6×600”, RGB 6×300” cada), utilizando equipamento remoto (telescópio 32: Planewave CDK 17″, camara: FLI Proline 16803, montagem: Planewave Ascension 200HR); processamentos: Ruben Barbosa.

Imagem panorâmica: aquisição de dados efetuada pelo grupo iTelescope – Portugal (Ha: 5×600”, Lum: 5×600”, RGB 6×300” cada), utilizando equipamento remoto (telescópio 33 – 16″ Astro Systeme Austria (ASA) Fast Newtonian Astrograph F/3.8, camaraApogee Aspen CG16070 Class 1 CCD, montagem: Paramount ME); processamentos: Ruben Barbosa.

O grupo iTelescope – Portugal é constituído por mais de uma dezena de astrónomos amadores e tem como objetivo aprofundar as competências adquiridas, a partilha de conhecimentos, promover a cultura científica através da astronomia e contribuir para uma melhor compreensão dos fenómenos astronómicos.

Artigos anteriores:

  1. Centaurus A: a radiogaláxia mais próxima da Terra
  2. A nebulosa da Lagosta: um berçário estelar
  1. Supernova AT2016gkg: um pormenor de requinte na NGC 613
  2. Um breve olhar pelo aglomerado de galáxias da Fornalha
  3. NGC 346 – Um berçário estelar na Pequena Nuvem de Magalhães

5 pings

  1. […] A Nebulosa da Tarântula: deslumbre e violência cósmica […]

  2. […] A Nebulosa da Tarântula: deslumbre e violência cósmica […]

  3. […] A Nebulosa da Tarântula: deslumbre e violência cósmica […]

  4. […] A Nebulosa da Tarântula: deslumbre e violência cósmica […]

  5. […] A Nebulosa da Tarântula: deslumbre e violência cósmica […]

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.