Google+

«

»

Jun 15

Descoberta Anã Marrom/Castanha orbitando Anã Branca

Crédito: Bishop’s University

Quando o telescópio espacial Kepler observa a curva de luz de uma estrela e nota uma queda de brilho, essa queda pode ser causada por vários fatores.
Os astrônomos querem identificar exoplanetas.
Mas também querem conhecer outros objetos que chamam a atenção, como as anãs marrons/castanhas.

E foi isso que aconteceu recentemente. Apesar de que detectar anãs marrons/castanhas passando à frente de outras estrela é algo bem raro.

Os astrônomos estavam estudando 28000 alvos da missão K2, a nova fase de estudos do Kepler, e uma dessas estrelas chamou a atenção.

A estrela era uma anã branca, uma estrela parecida com o Sol que está na fase final da sua vida, conhecida como WD 1202-024.

Essa estrela mostrava um comportamento estranho: ela parecia isolada, mas sua curva de luz apresentava uma queda, que não podia ser associada a um exoplaneta.

Apelando então para modelos computacionais, os astrônomos vislumbraram que a estrela estava sendo orbitada por uma anã marrom/castanha.
Era um sistema binário.

Esse sistema binário é muito raro: composto por uma estrela que falhou (anã marrom) e uma estrela moribunda (anã branca), onde uma orbita a outra a cada 71.2 minutos.

Depois de descoberta pelo Kepler, 5 telescópios em Terra estudaram o sistema e descobriram que a anã marrom/castanha tem uma massa equivalente a 67 vezes a massa de Júpiter, e que a anã branca tem uma massa equivalente a 40% da massa do Sol.

Além disso, os astrônomos descobriram que a anã branca começará a canibalizar a anã marrom em menos de 250 milhões de anos fazendo desse sistema binário a variável de período pré-cataclísmico mais curto existente.

Essas observações têm ajudado os astrônomos a definir questões sobre como o sistema se formou e como será seu destino.

De acordo com os modelos computacionais e com as simulações realizadas, o sistema binário primordial consistia de uma estrela com 1.25 vezes a massa do Sol e uma anã marrom/castanha com um período de órbita de 150 dias.
A estrela então começou a se expandir e entrar na fase de gigante vermelha engolfando a anã marrom/castanha.
Isso fez com que a anã marrom/castanha ficasse muito perto da estrela.
À medida que o núcleo da gigante vermelha esfriou, ela se tornou uma anã branca como observamos hoje.

De acordo com os cálculos, o sistema binário primordial se formou há cerca de 3 bilhões de anos atrás, e a fase de envelope aconteceu relativamente recentemente há cerca de 50 milhões de anos atrás.

O futuro/destino será: em menos de 250 milhões de anos, a anã marrom/castanha será canibalizada, e o sistema se transformará numa variável cataclísmica.

Fonte: Phys.org

Acerca do autor(a)

Sérgio Sancevero

Formado em Geofísica pela Universidade de São Paulo (USP), Mestre em Engenharia do Petróleo pela Universidade de Campinas (UNICAMP), e Doutor em Geociências também pela Universidade de Campinas (UNICAMP).
Divulgador de Astronomia no SpaceToday.

2 comentários

  1. Reinaldo da Silva

    Professor Sérgio ou professor Carlos o que significa nesse contexto “variável cataclismica “?

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>