Pontos brilhantes em Ceres revelam atividade geológica

Créditos: NASA / JPL-Caltech / UCLA / MPS / DLR / IDA / PSI

O planeta anão Ceres, até pouco tempo atrás parecia um mundo simples, gelado e esquecido ali no Cinturão de Asteroides.

Mas a sonda Dawn, da NASA, chegou ali e revelou que Ceres é bem interessante.
Visualmente, talvez as feições mais interessantes de Ceres, sejam os pontos brancos na sua superfície.
Desde que a Dawn chegou em Ceres, ela já identificou mais de 300 áreas brilhantes na superfície de Ceres.

E com essa grande quantidade de pontos identificados foi possível separar essas áreas brilhantes em 4 categorias.

O primeiro grupo de pontos brilhantes em Ceres contém o material mais refletivo do planeta anão e são encontrados no assoalho das crateras.
O exemplo mais clássico desse grupo é a Cratera Occator. A cratera Occator possui duas grandes áreas de pontos brilhantes, uma chamada de Cerealia Facula no centro da cratera e a leste do centro da cratera a outra região de pontos brilhantes que é chamada de Vinalia Facula. A explicação para os pontos brilhantes da cratera Occator é que no passado recente havia abaixo dela um reservatório de água salgada. A Vinalia Facula pode ter se formado a partir do fluido que chegou até a superfície, por meio de fraturas, quando chegou na superfície o fluido evaporou deixando ali o sal depositado. Já a região de Cerealia Facula pode ter se formado de forma diferente: o material nessa região pode ter sido mais parecido com uma lava congelada que ao chegar à superfície congelou, depositando ali gelo e sal.

O segundo grupo de pontos brilhantes em Ceres são encontrados nos anéis de crateras. Isso acontece com o impacto de bólides com a superfície de Ceres, em que o material mais brilhante em subsuperfície é exposto.

O terceiro grupo de pontos brilhantes está ligado ao impacto de bólides também, mas é formado pelo material ejetado no momento do impacto.

O quarto grupo de pontos brilhantes em Ceres, tem um exemplar único: a montanha conhecida como Ahuna Mons. Esse é o único lugar em Ceres em que um ponto brilhante não está ligado com nenhum tipo de cratera de impacto.
A Ahuna Mons, provavelmente é um criovulcão, formado pela acumulação gradual de materiais congelados espessos e que fluem vagarosamente.

Os cientistas vão continuar a aprender sobre os pontos brilhantes, pois a sonda Dawn está manobrando para chegar mais perto de Ceres.

Esses pontos brilhantes, além de chamarem à atenção visualmente, chamam também à atenção para o facto de que Ceres antes pensado como um mundo morto, já foi um mundo muito ativo do ponto de vista geológico.

Fonte: NASA

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.