JAXA divulga uma nova imagem de Ryugu

O asteroide Ryugu visto pela câmara de navegação ótica da sonda Hayabusa 2, a 24 de junho de 2018, a uma distância de 40 km.
Crédito: JAXA, Universidade de Quioto, JSGA, Universidade Nacional de Seoul, Universidade de Tóquio, Universidade de Kochi, Universidade de Rikkyo, Universidade de Nagoya, Instituto de Tecnologia de Chiba, Universidade de Meiji, Universidade de Aizu/AIST.

A Hayabusa 2 realizou hoje a primeira das duas manobras finais de aproximação a 162173 Ryugu. Estes dois ajustes irão colocar a sonda japonesa numa trajetória estável em redor do pequeno asteroide, a uma distância de apenas 20 km da sua superfície!

Anteontem, a equipa da missão divulgou mais uma espetacular imagem de Ryugu, visto de uma distância de 40 km. A imagem mostra com maior clareza detalhes da superfície rochosa do asteroide, incluindo o que parece ser uma grande cratera junto ao equador e um rochedo de cor clara na região do polo norte, com aproximadamente 150 metros de diâmetro.

De acordo com o responsável da missão Yuichi Tsuda, a forma invulgar de Ryugu é cientificamente surpreendente e irá apresentar aos cientistas da JAXA alguns desafios de engenharia. Em primeiro lugar, o eixo de rotação do asteróide é perpendicular à órbita. Esta particularidade irá facilitar consideravelmente as manobras de descida e aterragem dos 4 pequenos robots que seguem a bordo da sonda japonesa.

“Por outro lado, existe um pico nas proximidades do equador e um número [considerável] de grandes crateras, o que torna a seleção dos locais de aterragem não só interessante como também difícil”, explicou Tsuda. “Globalmente, o asteróide tem uma forma semelhante aos cristais de fluorite, o que significa que [provavelmente] a direção da força gravitacional em áreas amplas da sua superfície não aponta diretamente para baixo. Precisamos, portanto, de uma investigação detalhada dessas propriedades para definir os nossos planos operacionais futuros.”

Este estudo detalhado das propriedades físicas de Ryugu deverá arrancar no final de julho, quando a Hayabusa 2 alcançar uma altitude de apenas 5 km.

1 comentário

  1. Saudações. Bem legal a foto. Achei um plano “quadrado”,mas já que os japonas lembraram da fluorita,que é do sistema cúbico, olhei novamente e vi um “OCTAEDRO”. É esperar. Sigamos no Caminho do Bem. Elver Teixeira.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.