Homem de Ferro

Tony Stark herdou do pai uma enorme fortuna e uma indústria baseada em armamento com contratos com o Ministério de Defesa dos EUA.
Além de bilionário, Tony Stark também é um génio da engenharia.
Publicamente, ele comporta-se como um playboy e um showman.

Quando está no Afeganistão, é capturado por um grupo terrorista e gravemente ferido por uma das suas próprias armas.

O seu parceiro de cela, coloca um eletroíman no peito de Stark, de modo a manter os fragmentos da bomba longe do seu coração.
Depois, ambos constroem um gerador elétrico para dar energia ao eletroíman.

Para continuar a sobreviver, Raza, o líder do grupo terrorista, obriga-o a construir uma arma poderosa.
Em vez disso, Stark e o seu companheiro de cela, constroem uma fantástica armadura: um fato super-poderoso.

Com o fato blindado, Stark consegue escapar dos terroristas.
No entanto, após voar um pouco, cai no deserto e destrói o fato.
Mesmo assim, consegue ser resgatado pelo amigo Tenente-Coronel James Rhodes.

Já em casa, Stark constrói uma versão mais elaborada e poderosa da armadura.

Ele fica a saber que as armas construídas pela sua empresa continuam a ser usadas por grupos terroristas, incluindo pelo grupo que o capturou e feriu.

Stark, então, veste a sua nova armadura, voa até ao Afeganistão, salva a população, mata os terroristas e destrói as suas armas.

Stark proíbe a venda de armas pela sua empresa.
Obadiah Stane é sócio e gerente da empresa de Stark. Ele não concorda com essa medida (porque iriam perder muito dinheiro) e quer substituí-lo como CEO. Ou seja, o parceiro de negócios de Stark trai Stark.
Através de engenharia inversa/reversa, Stane consegue também criar um fato-armadura.

Stane ataca Stark, quando ambos estão vestidos com as armaduras poderosas.
Previsivelmente, Stark vence.

Com a sua armadura super-poderosa, Tony Stark torna-se o super-herói Homem de Ferro.
Este super-herói tecnologicamente avançado promete proteger o mundo.

Iron Man (Homem de Ferro) é um excelente filme.
É um filme divertido que inclui muita ação.
Os efeitos especiais são fantásticos.
A seleção musical é muito bem escolhida.

Na essência, este primeiro filme explica como Tony Stark se tornou no Homem de Ferro.

Gostei bastante do cameo de Stan Lee, como se fosse o Hugh Hefner.

O filme retrata bem a política externa americana no que concerne ao negócio das armas.
As armas militares dos EUA, utilizadas inicialmente para eliminar terroristas, depois vão parar às mãos dos terroristas. Além disso, é esse negócio das armas que leva ao surgimento dos talibans, da Al-Qaeda e do estado islâmico.
Atualmente são os EUA. No passado já foram os russos, os ingleses, os franceses, os portugueses, etc.
Ou seja, esta é uma característica da civilização: a tentativa de acabar com um mal, leva ao surgimento de outro mal. Além de que o capitalismo (ou a ânsia de lucrar), faz com que se vendam as armas até aos nossos inimigos (tudo por dinheiro).

O Homem de Ferro é um dos meus super-heróis favoritos.
A razão é simples: ele utiliza o conhecimento científico para desenvolver tecnologia que o faça super. Com esses super-poderes, ele luta pelo que ele considera ser o melhor para a Humanidade. Luta pelo bem, pelo que ele considera ser a justiça.

É verdade que essa mesma ciência pode ser utilizada para o mal (criar armas e vender aos terroristas).
E também é verdade que Tony Stark tem vários defeitos de carácter, como ele próprio admite. Assim, é um super-herói imperfeito… ou humano.

Mas sem dúvida que prefiro um super-herói assim, que constrói o seu sucesso no conhecimento dos assuntos, do que outros super-heróis que só o são por uma questão de sorte.

O facto dele não ser perfeito, e até ter alguns valores morais dúbios (não ser “limpinho” como outros super-heróis), faz com que a história seja mais realista a nível social/humano.
Isto, obviamente torna o filme melhor.

Além disto, numa era em que se espera ter aviões (e carros) sem pilotos, neste caso ter um piloto sem avião é fabuloso.

Mesmo que a ciência não seja devidamente explicada no filme, a verdade é que as ideias do filme me parecem cientificamente plausíveis. O que mais uma vez, é um ponto positivo para o filme.

Por tudo isto, mais uma vez afirmo: o Homem de Ferro é um dos meus super-heróis favoritos!

Publicamente, Stark é uma celebridade.

Os militares e os políticos querem ficar com a invenção dele: o fato/armadura do Homem de Ferro.

Tony Stark vê a saúde deteriorar-se, já que o núcleo de paládio no reator arc que mantém Stark vivo, também está lentamente a envenená-lo.

Após ver a tecnologia na televisão, na Rússia, Ivan Vanko desenvolve uma tecnologia similar e constrói as suas próprias armas (ex: chicotes eletrificados). Ele quer matar Tony Stark, devido ao seu pai ter morrido por ter sido deportado para a Rússia por culpa de Stark.

Stark compete no Grande Prémio do Mónaco.
Vanko ataca-o.
Stark vence.
Vanko é preso.

Justin Hammer tem uma empresa de tecnologia militar. Assim, é concorrente de Stark.
Hammer pede ajuda a Vanko, de modo a construir um exército de soldados blindados. Basicamente, eles são como o Homem de Ferro, só que não existe qualquer humano dentro do fato: é um androide.

Ao visualizar o plano da City of the Future, da Stark Expo de 1974, Stark percebe que o seu pai deixou nesse plano um esquema de um novo elemento químico, que Stark pode sintetizar. Ele cria esse elemento, coloca no seu reator arc, e melhora a sua saúde.

Vanko controla os vários drones blindados, soldados-androides fortemente armados, financiados por Hammer. Esse exército de fabulosos drones atacam Stark.

Stark e o seu amigo Rhodes derrotam os drones de Vanko (que aparentemente se suicidou).

Iron Man 2 (Homem de Ferro 2) é um filme muito bom.
No entanto, o primeiro foi melhor.

Mickey Rourke está simplesmente fabuloso no Grande Prémio do Mónaco.
Ivan Vanko é um fantástico vilão!

Adorei a Black Widow – Agente Romanoff.

Gostei do cameo de Stan Lee, como se fosse o Larry King.

O ator que faz de Coronel Rhodes foi substituído: penso que este esteve melhor, que o do primeiro filme.

É muito interessante que a substância que mantém Stark vivo, também está simultaneamente a matá-lo.

Gostei bastante dos fatos automatizados.
Existem várias vantagens em serem drones, androides, do que serem pessoas dentro do fato.
No entanto, não gostei do desfecho: o exército de drones devia ter ganho.

No final do ano de 1999, Tony Stark conhece a bióloga Maya Hansen e o cientista Aldrich Killian.
Maya é a criadora do Extremis: um método que regenera membros perdidos, através da manipulação genética.
Aldrich quer que Stark financie a sua ideia de ter uma equipa de cientistas brilhantes a governar o mundo através da tecnologia (destronando todos os governos existentes atualmente no mundo). Stark ignora Aldrich.

12 anos depois, o terrorista Mandarim ataca vários locais nos EUA, incluindo a mansão de Stark, destruindo-a.

Stark descobre que as detonações foram causadas por soldados infetados pelo Extremis, que ao rejeitarem as mutações, ficam instáveis e explodem.

Entretanto, Stark também descobre que o Mandarim é somente um ator contratado por Aldrich para se passar por terrorista.
Aldrich e Maya juntaram-se e passaram a testar o Extremis em feridos de guerra. Como eles explodiam, eles decidiram manipular os resultados e publicamente criaram a figura do Mandarim para fazer de conta que aquelas explosões eram ataques terroristas, de modo a esconder as suas experiências.

Aldrich mata Maya.
Stark, Rhodes e Pepper Potts matam Aldrich.

Stark manda destruir todos os outros fatos/armaduras do Homem de Ferro.
Os médicos, finalmente, retiram os estilhaços no coração de Stark (que já vinham do primeiro filme).

Iron Man 3 (Homem de Ferro 3) é um filme que proporciona um bom entretenimento.

Não gostei do Mandarim como vilão.
Mas gostei do twist. Foi engraçado.

Foi interessante perceber que o vilão até tinha uma razão válida para atacar o status quo: Aldrich Killian queria responsabilizar o presidente por não ter incriminado ninguém no derrame de petróleo. Claro que ele levou as críticas a um extremo absurdo.

Foi também interessante a frase: nós criamos os nossos próprios medos.

A Armadura Mark 42 (MK XLII) é fabulosa.

As bombas serem as próprias pessoas tem alguma lógica.
Afinal, são praticamente bombistas-suicidas.

Gostei do cameo de Stan Lee, como júri no concurso Miss Chattanooga.

No final, quando Aldrich destrói o fato do Homem de Ferro, devia também ter morto Tony Stark. Não faz sentido o fato ser destruído, e Stark continuar vivo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.