Buzz Aldrin vê OVNI ?

Buzz Aldrin foi o 2º Homem na Lua e terá milhares de horas de vôo, o que lhe dá uma experiência e competência excepcionais, enquanto piloto de aviões e observador de fenómenos em vôo.
Na CNN, no programa do Larry King, não tem qualquer problema em admitir honestamente que viu OVNIs e que se enganou redondamente.
Se ele (que é o Aldrin, com toda a experiência e competência que tem) se engana, fará todos os outros!

Existem 4 experiências de UFOs que normalmente se ligam ao Aldrin:

Perseguido pelo planeta Vénus:
Ele diz que uma vez foi perseguido por um OVNI, que depois se veio a comprovar ser o planeta Vénus – e também devem ouvir com atenção a parte final da sua intervenção:

Dark Side of the Moon:
Em 2002, um documentário em forma de paródia utilizou verdadeiros astronautas (como o Buzz Aldrin) e políticos famosos (ex: Donald Rumsfeld, Henry Kissinger, etc) para promover a farsa lunar. Claro que os defensores das teorias das conspiração viram neste documentário a prova que faltava – quando na realidade o documentário diz no final que só foi realizado para gozar com esses mesmos defensores da
conspiração. O documentário teve o título “Dark Side of the Moon”.
Ou seja, é um “documentário” totalmente falso, e só para gozar com os conspiradores. Mas mesmo assim, a intervenção inventada do Aldrin e de outros é por vezes usada pelos conspiradores como “prova” que eles afirmaram ver naves extraterrestres.

First on the Moon: The Untold Story:
Este foi outro documentário que passou na TV e que pegou em frases de outros contextos do Aldrin, para promover mentiras de que o Aldrin tinha visto naves ETs.

A parte em que ele diz que o “Mike podia vê-lo no telescópio” é brilhante… brilhantemente aparvalhada no documentário.
O Aldrin na entrevista diz que é um dos painéis do SIVB, mas essa parte não está no vídeo, obviamente. Porque o que se pretende é promover a mentira e o mistério, quando ele não existe.

Larry King:
Relacionado com o ponto anterior, vejam-no aqui no programa do Larry King a dizer que viu um OVNI durante a Apollo 11. Se ouvirem até ao fim, percebem que o OVNI, afinal, para surpresa deles, era um dos painéis:

Curioso ele afirmar também que têm que ter cuidado com o que dizem, porque os acéfalos dos conspiradores em Terra interpretam tudo como sendo de ETs.

Todas estas questões foram reavivadas ultimamente porque um pseudo-escritor Boliviano, Eduardo Ascarrunz, escreveu um livro sobre o Sal da Bolívia, e para vender mais livros e ter publicidade, decidiu dizer que o Aldrin (umas vezes diz que é o Aldrin, outras vezes diz que foram os Xamãs) lhe disse que tinha visto naves extraterrestres na Lua. Esta é a história no livro.
Apesar de considerar que há jornalistas bons em Portugal, tal como em qualquer profissão, também há muitos pseudo-jornalistas que sem qualquer sentido crítico e sem quererem usar um neurónio que seja, decidem somente fazer copy-paste de outros lados, como se fossem notícias importantes.
Daí que não é de admirar que esta história tenha aparecido n’ A Bola, no Correio da Manhã, no I online, na Espacial News, e até no site da Câmara Municipal de Gaia!
Se estes pseudo-jornalistas parassem para pensar e quiçá até pesquisar um bocado, talvez não escrevessem disparates.

Há várias coisas nesta história que me chamam a atenção, e são obviamente “red flags” que qualquer pessoa, mesmo sem qualquer conhecimento na matéria, deveria ter dado por elas.

– em sites estrangeiros esta história não aparece! A não ser em sites de conspirações e de OVNIs! Em nenhum site credível esta história aparece.

– o livro é sobre Sal!!! Não tem nada a ver com idas à Lua!

– é obviamente uma excelente manobra de marketing do autor, inventar uma história para consumo interno, que faça com que o livro tenha mais visibilidade. Mas, mais uma vez, isto só prova a desgraça dos jornalistas que se deixam levar por estas manobras de marketing.

– é curioso que o autor do livro diz que o Aldrin, quando estava a ver os supostos OVNI diz: “No film at the moment, the cameras are photographing other objectives.” Que disparate!! Ou seja, pela 1ª vez estavam a ver a existência de vida extraterrestre, mas não podiam tirar fotografias, porque as câmaras estavam a tirar fotos às estrelas!!!???!!! É um absurdo, uma estupidez de tal tamanho que obviamente só pode ter sido inventada para gozar com os conspiradores!!!

– o Aldrin já disse por várias vezes que o que eles viram perto da Apollo 11 seria um painel do SIVB, como podem ler aqui.
sivb

– no mesmo artigo diz que as palavras dele foram retiradas do contexto para dar a entender que estavam a ver naves, quando em nenhum momento esse foi o caso. Ou seja, o próprio Aldrin afirma que é tudo uma cambada de mentiras

– afinal em quem acreditam? No Buzz Aldrin, que esteve lá e sabe do que fala? Ou num pseudo-escritor, que para vender mais livros, inventa histórias sobre o Aldrin?

– por fim, deixo-vos uma entrevista do Aldrin na CNN, em que uma das perguntas foi precisamente sobre isto. Penso que esclarece perfeitamente sobre a posição do Aldrin, contrariamente ao que é dito pelos mentirosos:

Conclusão: párem de escrever mentiras sobre o Buzz Aldrin!!

8 comentários

2 pings

Passar directamente para o formulário dos comentários,

  1. Roberto Dias,

    Antes de fazer comentários, POR FAVOR, leia os posts, e pense… talvez ajude…

    1 – A Reuters tem isso? Onde? Ponha lá o link.
    Se não põe, se a Reuters NÃO tem isso, então só posso assumir que está a mentir.
    Eu também posso dizer que li na Reuters que o Roberto Dias tinha sido entrevistado a dizer que foi raptado pelo Monstro de Esparguete Voador, mas se não tiver lá nada sobre isso, então é suspeito, não? Enfim…

    2 – Mas vamos supôr que a Reuters até deu a notícia (apesar de não ter visto isso em lado nenhum na Reuters). Isso torna a notícia verdadeira? Voltamos ao método Aristotélico? Só porque alguém escreve, então é verdade? A Reuters não pode ter errado? Enfim…

    3 – Tem aqui vários vídeos do Aldrin, em que ele afirma que nunca viu OVNIs nem nada parecido. Muito pelo contrário, até explica o que pensa sobre o assunto.
    Se há “jornalistas” que em vez de irem à fonte (o Aldrin), simplesmente se limitam a dizer o que leram num pseudo-livro que cita xamãs, não me parece que isso seja bom jornalismo.
    Se para si isso é bom jornalismo, é a sua opinião.

    4 – Eu não sou jornalista. Não sou pago para reportar notícias. Não sou pago para ser jornalista. Não sigo qualquer código jornalístico.
    Se não percebe as diferenças, aconselho a informar-se melhor sobre as diversas profissões.

    5 – Se não gosta dos copy-paste, não os lê. É simples. E fica com o assunto resolvido.

    6 – Não me parece que eu tenha alguma vez reportado como certo algo que é NEGADO pela fonte. Mesmo sendo copy-paste!!! Mas eu percebo que não entenda as diferenças… é preciso pensar um bocado e perceber que está a tentar juntar coisas que não faz sentido juntar-se.

    7 – “A notícia foi reproduzida em vários jornais portugueses, com base nas informações da Reuters e sem quaisquer considerações sobre a veracidade das mesmas.”
    Realço SEM QUAISQUER CONSIDERAÇÕES SOBRE A VERACIDADE DAS MESMAS.
    Não deveria ser o trabalho do jornalista de avaliar as diversas notícias e ver quais são as verdadeiras?
    Agora tá-me a dar razão!

    8 – Claro que as fontes não citam o Aldrin. Mas deviam CITAR. Deviam ir à fonte e falar com ele. Não faz isso parte do trabalho jornalístico? Contactar a fonte que é noticiada?
    Ou então, NO MÍNIMO, ver os vídeos disponíveis do Aldrin sobre isso. Por exemplo, os que constam deste post.
    Se calhar aí percebiam que a notícia sobre o Aldrin NÃO era credível.

    9 – A caricatura é enganosa. Se o Obama aparecesse na TV a dizer o ke pensa sobre OVNIs e a declarar literalmente que quem diz que ele viu OVNIs está a mentir, então não me parece que fosse jornalisticamente correcto dar a notícia de que alguém disse que o Obama viu um OVNI. Isso era difundir mentiras, porque o Obama já teria negado isso.

    10 – Isto tudo não passou de uma manobra de marketing do autor do livro. Porque a referência ao Aldrin não trouxe qualquer contributo especial para a história do livro. Foi simplesmente para “os jornalistas caírem”, e assim ter publicidade grátis ao livro, e obviamente vender mais.
    Como manobra de marketing, é excelente.
    Para os jornalistas, é mau deixarem-se levar por mentiras.
    Por fim, é péssimo haver comentários como este do Roberto que, sem pensar, resolve defender quem cometeu um erro ao jornalisticamente dar isto como sendo uma notícia credível.

  2. Boa tarde a todos,

    Lembro-me desta notícia e não só não é verdade que não tenha sido publicada em sites de informação internacional, como foi a própria Reuters a difundir um telex com uma entrevista ao autor. E não vamos agora dizer que a Reuters não é uma fonte credível. Também me parece inapropriado ao autor deste post falar de “pseudo-jornalistas sem qualquer sentido crítico”, quando muitas vezes se limita a colocar noticias de alguns desses “pseudo-jornalistas” e de algumas dessas fontes num mero exercício de copy&paste. A notícia foi reproduzida em vários jornais portugueses, com base nas informações da Reuters e sem quaisquer considerações sobre a veracidade das mesmas. E aliás noto que nenhuma das fontes colocadas neste post cita o astronauta Buzz Aldrin. Citam sim o autor do livro. E as declarações deste, por estapafúrdias que sejam, só a ele o comprometem.
    Em jeito de caricatura: se alguém dissesse que Obama disse ter visto um OVNI isto era notícia. Não o facto de Obama ter dito ter visto um OVNI (o que não é possível confirmar sem falar com o próprio), mas o facto de alguém ter dito que ele o disse. E sem ser necessário qualquer contraditório pois não são notícias as declarações de Obama, mas as de quem o acusa de ter dito algo.

  3. Miguel,

    Eu não fui enganado pela notícia 😉

    Eu mal vi o post, vi logo que o autor tinha errado.

    Aliás, por ter sido um post tão fora do habitual e a promover os pseudos, é que teve tanta discussão na nossa lista.

    Obviamente foi retirado, e um outro foi posto com um enquadramento contextual e crítico da história 😉

    abraço!

  4. Não há nenhum problema em errar e reconhecer os erros (aliás como qualquer cientista sabe).

    Eu só acho que se depois fizeram um artigo a falar sobre o mesmo tema podiam ter referido que também tinham sido «enganados» pela notícias (que aliás como depois é referido neste artigo não tinham absolutamente nada de novo: eu quando li o outro artigo pesquisei um bocado – porque fiquei intrigado ao ver coisas dessas neste blogue, e da primeira vez que o li pensei que era uma mentira de 1 de Abril antecipada – e encontrei coisas de 2003 a dizer exactamente o mesmo, não percebo como é que alguém acha que esse boliviano traz alguma novidade no seu livro sobre o «Sal da Bolívia»). Daí o meu comentário.

    Cumprimentos e continuem com o bom trabalho.

  5. Miguel,

    E daí que o tal post foi retirado, até se fazer um enquadramento crítico da notícia.

    O autor do post errou ao colocá-lo. Corrigiu o erro ao retirá-lo. E agora tem-se a análise crítica da estória.

    Não percebo assim, qual é o problema.

  6. Excelente resenha e esclarecimento !

    Abraço

  7. «Daí que não é de admirar que esta história tenha aparecido n’ A Bola, no Correio da Manhã, no I online, na Espacial News, e até no site da Câmara Municipal de Gaia!» Falta aí o astroPT, ou achas que as pessoas não viram aqui o artigo (que citava o Espacial News) na última quarta-feira?!

    • Agostinho Magalh&ati on 18/02/2010 at 21:05
    • Responder

    Obrigado! Carlos

    Finalmente, uma notícia séria e esclarecedora!

    Abraços

  1. […] mostram que a conquista lunar foi uma farsa. Um dos entrevistados mais erroneamente utilizados é Buzz Aldrin. Ou seja, não acreditem em vídeos de Youtube, o Youtube não é uma fonte […]

  2. […] Portugal. Brasil. Aeroporto China. Londres. Canadá. Nova Iorque. 2014. Obama. Guarda-costas. Aldrin. Mar. Mercúrio. Lua Dione. Exército Indiano. Vénus. Espirais (Noruega, Austrália). Pão e […]

Responder a Miguel Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.