11 previsões do Fim do Mundo

Cena do filme Constantine (2005). Crédito: Warner Brothers

Ao longo da história da humanidade não faltaram profetas da desgraça. Muitos deles levaram ao próprio homicídio ou suicídio dos seus seguidores. Um dos casos mais mediáticos foi o de David Koresh, que se suicidou com os seus seguidores em Waco, Texas.

Hoje, apregoava-se que o mundo iria acabar. Se o leitor pensa que é a única profecia, desengane-se. A National Geographic publicou um artigo online com as onze profecias mais mediáticas.

Aqui ficam:

1 – 21 de Maio: Fim do Mundo?

Para os seguidores do pregador Harold Camping, o dia do juízo final está previsto para chegar no dia 21 de maio de 2011. A predição do fim do mundo é apenas a mais recente duma linha que remonta a séculos atrás. Durante o chamado arrebatamento em 21 de maio, isto é, o Dia do Julgamento, está previsto Jesus Cristo voltar à Terra para reunir os fiéis e levá-los para o céu, de acordo com Camping, o fundador do ministério independente Family Radio Worldwide.

2 – Pompeia: Precursor do Fim do Mundo?

Assim como algumas pessoas acreditam que um calendário Maya aponta 2012 como o ano do fim do mundo, alguns antigos romanos viram o ano 79 dC, após a erupção do Monte Vesúvio, que soterrou Pompéia, como um sinal do fim do mundo.
Isso porque o filósofo romano Sêneca, que morreu em 65 dC, havia previsto que a Terra iria transformar-se em cinzas: “Tudo o que vemos e admiramos hoje vai queimar no fogo universal, que inaugura um mundo justo, novo e feliz”, disse ele, de acordo com o livro de 1999, Apocalipse.

3 – 1666: Juízo final pelo fogo?

Sabendo que a Bíblia descreve o 666 como o número da Besta, muitos cristãos europeus entraram no ano de 1666 com trepidação.
A prolongada praga que havia destruído grande parte da população de Londres, em 1665, não ajudara a amenizar os medos e, quando o Grande Incêndio de Londres ocorreu, muitos acreditavam que tinha chegado o Dia do Julgamento.
Alguns londrinos viram o fogo como uma “terrível ira do julgamento de Deus que visitou uma terra pecaminosa”, de acordo com o livro de 2002, O Grande Incêndio de Londres: naquele ano apocalíptico de 1666.

4 – Cometa Apocalipse

O surgimento do cometa Halley, observável a cada 76 anos, tem sido visto como um presságio do fim do mundo ao longo da história.
A iminente chegada do cometa em 1910, por exemplo, provocou a histeria apocalíptica entre os europeus e norte-americanos. Alguns acreditavam que a cauda do cometa continha um gás, que impregnaria a atmosfera e eventualmente extinguiria toda a vida no planeta, segundo o astrónomo francês Camille Flammarion, como citado no livro Apocalipse.
Alguns proveitos do pânico: Vendas de máscaras e “pílulas de cometa “, dispararam, assim como suprimento de oxigénio. Por exemplo, em Roma as pessoas esperaram, mantendo-se vivos no ar engarrafado, até que a cauda do cometa passa-se a Terra.

5 – Testemunhas de Jeová e o dilema do Fim do Mundo

Desde a sua fundação em 1870, as Testemunhas de Jeová, um ramo cristão, profetizou o fim do mundo em 1914.
Apesar do juízo final não ter chegado, em 1914, os seguidores da religião vêm prevendo que o mundo vai acabar “em breve”, de acordo com o livro de 1997, Apocalipse Adiado: A História das Testemunhas de Jeová.

6 – Alinhamentos planetários: presságios do Juízo Final?

Alinhamentos planetários têm inspirado muitas previsões do Juízo Final.
O autor Richard Noone previu que o gelo iria dominar o mundo como resultado do alinhamento. E a “arqueólogo psíquico” Jeffrey Goodman afirmou no seu livro de 1977, Nós somos a geração do Terremoto, que “os terremotos e vulcões desencadearão em todo o mundo e uma fenda irá abrir-se e dividirá a Terra em vários lugares para aliviar o stress produzido pela mudança,” New Scientist.

Mas a desgraça e melancolia também pode desencadear a inovação científica, como ocorreu em 1774 na Frísia, Holanda. Um vigário esperando impulsionar sua congregação divulgou um “livrinho da desgraça” que dizia que o sistema solar seria destruído durante uma conjunção programada, segundo a New Scientist. Como o pânico entre moradores cresceu, um astrónomo amador construiu um planetário na sua sala de estar para aliviar as preocupações e explicar os movimentos dos planetas, tornou-se o mais antigo planetário mecânico no mundo.

7 – Arrebatamento de Robertson

Décadas antes da previsão de Harold Camping de 21 de maio de 2011, na TV evangelista, Pat Robertson tinha pregado que, em algum momento da década de 1980, Jesus iria retornar à Terra.
Previsão do arrebatamento de Robertson foi baseado em escritos na Bíblia, Tessalonicenses especificamente, que afirma: “Porque o mesmo Senhor descerá do céu com alarido, e com a voz do arcanjo, e ressoada a trombeta de Deus, e os mortos em Cristo ressuscitarão primeiro, depois nós que ficarmos vivos, seremos arrebatados juntamente com eles nas nuvens, ao encontro do Senhor no céu”, de acordo com o The Atlantic.
“Sob este cenário apocalíptico, os incrédulos e Satanás serão presos num lago de fogo, onde serão atormentados dia e noite para sempre”, escrito no The Atlantic. “O fogo pode também destruir a Terra e substituí-lo por um novo céu e Terra, onde os crentes e os redimidos, continuarão a história”.

8 – Hale-Boopalipse

Trinta e nove pessoas, parte de um grupo religioso chamado Heaven’s Gate, na Califórnia, cometeram suicídio quando o cometa Hale-Boop se encontrava no ponto mais próximo da Terra. O grupo acreditava que um OVNI montara vigília no cometa e que iria resgatá-los de um mundo condenado.

9 – Morte pelo Gelo

No seu livro de 1997, GeloO último desastre, o autor Richard Noone previu que em 05 de maio de 2000, os planetas iriam alinhar-se perfeitamente e trariam o fim do mundo, enviando o gelo na direção do Equador da Terra.
Noone argumenta no livro que a deslocação do eixo da Terra, anteriormente ocorrida, tinha coincidido com tremendas mudanças climáticas, como as eras glaciais e que tais “resultados quase inimagináveis” aconteceriam de novo. Nenhuma calamidade ocorreu, e muitos cientistas estão agora preocupados com gelo por um outro motivo: As temperaturas de aquecimento estão progressivamente a causar o degelo.

10 – Ano 2000 dia do Julgamento final

Em 1984 um colunista do Wall Street Journal alertou para o fim do mundo, que ocorreria em 01 de janeiro de 2000. Um bug causado por um erro de cálculo poderia incapacitar computadores e outras máquinas e levar ao caos em massa, dizia o colunista. O mesmo descrevia como comprar um amuleto anti-Y2K, instrumentos de salvamento e reparação Y2K.
Os evangélicos também recomendaram aos seus seguidores armazenar alimentos e a prepararem-se para o pior, segundo o Washington Post. Líderes como Jerry Falwell e Pat Robertson sugeriram que a mudança do milénio traria o arrebatamento, conforme descrito no livro bíblico do Apocalipse, segundo o Post.

11 – Buraco Negro criado pelo Homem?

Quando o Grande Colisor de Hádrons (LHC) iniciou a colisão de partículas em Setembro de 2009, alguns críticos especularam que poderia gerar um buraco negro que significaria o fim do mundo.
No entanto, a preocupação foi em vão: o colisor tem vindo a trabalhar sem consequências desastrosas.

Como se pode ver, nenhuma destas previsões ocorreram. O problema é que, em primeiro lugar, estes “profetas” continuam a proclamar desgraças, mesmo errando sistematicamente. Em segundo, está nas pessoas que os seguem, ou mesmo não seguindo, acreditam nessas ilusões. Por isso, cada vez mais é importante divulgar e “educar” em ciência.

I see dead people. Crédito: José A. Gonçalves

18 comentários

1 ping

Passar directamente para o formulário dos comentários,

  1. É um erro muito comum pessoas dizer que as Testemunhas de Jeová previu o fim do “mundo” em 1914 inclusive o site cita um livro que por um acaso NÃO FOI ESCRITO pelas TJs, em 1914 foi predito o fim dos “TEMPOS DOS GENTIOS” e não do mundo.
    Segue-se informação REALMENTE veículada pelas TJs.

    GRANDES EXPECTATIVAS
    Naquele tempo houve também razões para regozijo. Durante anos, o povo de Deus havia apontado para 1914 como o ano que assinalaria o fim dos Tempos dos Gentios. Suas expectativas não levaram ao desapontamento. Em 28 de julho de 1914, irrompeu a Primeira Guerra Mundial, e, à medida que o tempo prosseguiu em direção a 1.° de outubro, cada vez mais nações e impérios ficaram envolvidos. Como as testemunhas cristãs de Jeová sabem, através de seus estudos das Escrituras, o período de ininterrupta regência gentia do mundo terminou em 1914, com o nascimento do reino celeste de Deus, tendo a Jesus Cristo qual rei. (Rev. 12:1-5) Mas, houve também outras expectativas a respeito de 1914. A respeito destas, o irmão A. H. Macmillan escreveu em seu livro Faith on the March (A Fé em Marcha): “Em 23 de agosto de 1914, como eu bem me lembro, o Pastor Russell iniciou uma viagem pelo Noroeste, descendo pela costa do Pacífico e indo aos estados meridionais, e então terminando em Saratoga Springs, Nova Iorque, onde realizamos um congresso de 27 a 30 de setembro. Essa foi uma época interessantíssima porque alguns de nós seriamente achávamos que iríamos para o céu na primeira semana desse outubro.”
    A idéia de irem para o céu em 1914 era forte entre alguns Estudantes da Bíblia. “Nossa idéia”, observa a irmã Kenyon esposa de Dwight T. Kenyon “era que a guerra passaria para a revolução e a anarquia. Daí os dos ungidos ou os consagrados naquele tempo morreriam e seriam glorificados. Certa noite sonhei que a inteira eclésia (congregação) estava num trem que ia para algum lugar. Houve trovões e relâmpagos, e, prontamente todos os amigos começaram a morrer por toda a minha volta. Eu achei que isso estava bom, mas, embora tentasse a valer, não conseguia morrer. Isso era muito frustador! Daí, de repente, morri, e me senti tão aliviada e satisfeita! Conto isso só para mostrar quão seguros estávamos de que tudo iria terminar em breve, no que tangia a este velho mundo, e que o restante do ‘pequeno rebanho’ iria ser glorificado. — Luc. 12:32.”
    Hazelle e Helen Krull se recordam de que, durante 1914, as palestras à mesa de refeições em Betel amiúde se centralizavam no fim dos Tempos dos Gentios. De tempos a tempos, afirmam, o irmão Russell dava comentários extensivos, instando à fidelidade, e explicando que as modalidades de tempo haviam sido revistas e ainda pareciam exatas, mas também que “se esperássemos mais do que as Escrituras permitiam, então temos de curvar-nos diante da vontade de Jeová e ajustar nossas mentes e corações em fé ao Seu modo, ainda fielmente vigiando e esperando o desenrolar dos eventos associados”.
    Um incidente no congresso de Saratoga Springs, em 1914, sublinha o conceito do irmão Macmillan sobre “ir para casa” para o céu, naquele ano. Escreveu: “Quarta-feira (30 de setembro), fui convidado a discursar sobre o assunto ‘Está Próximo o Fim de Todas as Coisas, Portanto, Sejamos Sóbrios, Vigilantes e Oremos’. Bem, como diria a pessoa, isso calhava bem para mim. Eu sinceramente cria nisso — que a igreja ‘iria para casa’ em outubro. Durante esse discurso, fiz a infeliz observação: ‘Este é provavelmente o último discurso público que proferirei, porque logo voltaremos para casa.’”
    Na manhã seguinte, 1.° de outubro de 1914, cerca de quinhentos Estudantes da Bíblia gozaram uma linda viagem pelo Rio Hudson abaixo, num barco a vapor, de Albany para Nova Iorque. No domingo, os congressistas iniciariam as sessões em Brooklyn, onde terminaria a assembléia. Um bom número de delegados ficou em Betel, e, naturalmente, os membros da equipe da sede estavam presentes à mesa do desjejum de sexta-feira de manhã, 2 de outubro. Todo o mundo já estava sentado quando o irmão Russell entrou. Como de costume, disse alegremente: “Bom dia para todos.” Mas, esta manhã era diferente. Ao invés de ir de imediato para seu lugar, bateu palmas e anunciou jubilosamente: “Terminaram os tempos dos Gentios; seus reis já tiveram seus dias.” “Como batemos palmas!” exclama Cora Merrill. Admitiu o irmão Macmillan: “Ficamos muito agitados e não seria surpresa se, nesse instante, simplesmente começássemos a subir, esse se tornando o sinal para começarmos a subir para o céu — mas naturalmente, não houve nada disso, realmente.” Acrescenta a irmã Merrill: “Depois de breve pausa, ele [Russell] disse: ‘Alguém se sente desapontado? Eu não. Tudo está correndo dentro do horário!’ De novo aplaudimos.”
    C. T. Russell teceu algumas observações, mas não demorou muito até que A. H. Macmillan tornou-se o objeto das atenções. De modo espirituoso, Russell disse: “Iremos fazer algumas alterações no programa de domingo. Às 10,30 de domingo de manhã, o irmão Macmillan dará um discurso para nós.” Isso causou fortes risadas da parte de todos. Afinal de contas, fora apenas na quarta-feira anterior que o irmão Macmillan proferira o que achava ser provavelmente seu “último discurso público”. “Bem”, escreveu A. H. Macmillan anos depois, “tive que fazer esforço de procurar algo para dizer. Achei o Salmo 74:9 (Al): ‘Já não vemos os nossos sinais, já não há profeta: nem há entre nós alguém que saiba até quando isto durará.’ Bem, esse foi diferente. Nesse discurso, tentei mostrar aos amigos que talvez alguns de nós fôramos um tanto apressados em pensar que iríamos logo para o céu, e a coisa a fazer era nos manter ocupados no serviço do Senhor até que ele determinasse quando qualquer de seus servos aprovados seria levado para o céu, nosso lar.”
    O próprio C. T. Russell avisara contra as especulações particulares. Por exemplo, considerou o fim dos Tempos dos Gentios e então disse, em A Torre de Vigia de 1.° de dezembro de 1912: “Por fim, lembremo-nos de que não nos consagramos [dedicamos] quer até outubro de 1914 quer até outubro de 1915, ou até qualquer outra data, mas ‘até a morte’. Se, por qualquer motivo o Senhor tiver permitido que calculemos errado as profecias, os sinais dos tempos nos asseguram de que os cálculos errados não podem ser muito grandes. E, se a graça e a paz do Senhor estiverem conosco no futuro, como estiveram no passado, segundo a Sua promessa, igualmente nos regozijaremos de ir ou de ficar a qualquer tempo, e de estar no Seu serviço, quer deste lado do véu, quer do outro lado [na terra ou no céu], conforme agrade mais a nosso Mestre.”
    Mesmo ao começar o ano culminante de 1914, Russell escreveu em A Torre de Vigia de 1.° de janeiro: “Talvez não leiamos as modalidades de tempo com a mesma certeza absoluta que as modalidades doutrinais; pois o tempo não é tão definitivamente declarado nas Escrituras como o são as doutrinas básicas. Ainda andamos pela fé e não pela vista. Não somos, contudo, infiéis e descrentes, mas fiéis e ansiosos. Se, mais tarde, for demonstrado que a Igreja não será glorificada em outubro de 1914, tentaremos ficar contentes com a vontade do Senhor, seja ela qual for.”
    Assim, havia grandes expectativas a respeito de 1914 por parte de muitos dos Estudantes da Bíblia. Todavia, também receberam sólidas admoestações através das páginas de A Torre de Vigia. Deveras, alguns cristãos achavam que ‘iriam para a casa’ no céu no outono setentrional daquele ano. “Mas”, afirma C. J. Woodworth, o “1.° de outubro de 1914 veio e passou — e os anos se acumularam depois dessa data — e os ungidos ainda estavam aqui na terra. Alguns ficaram amargurados e se desviaram da verdade. Aqueles que puseram sua confiança em Jeová viram 1914 como verdadeiramente um tempo marcado — o ‘começo do fim’ — mas também compreendiam que seu anterior conceito era errado quanto a ‘glorificação dos santos’, conforme foi declarado. Agora percebiam que ainda restava muito trabalho para os fiéis ungidos — e desse grupo fazia parte meu pai [Clayton J. Woodworth].”

    1. O que só prova que é tudo uma treta… e quando se alia a crenças irracionais, o único objectivo é vigarizar as pessoas com historinhas para adormecer…

  2. Quanto a teoria das Testemunhas de Jeová, vejo ali um equivoco. Estudiosa que sou, lhe digo que as Testemunhas de Jeová não preveram o fim do mundo para 1914. Elas dizem que em 1914, Satanás foi expulso dos céus para a terra, pois até então ele tinha transito livre dos céus para a terra e vice versa. Bom neste mesmo ano ocorreu a primeira grande guerra mundial. Acreditam as testemunhas de Jeová que o fim está proximo. Mas não precisam uma data.

    1. O fim está sempre próximo… já no Tempo de Cristo se dizia isso…
      Como sempre, é tudo mentira.

      abraços

    • Rebeca de Souza on 17/11/2012 at 02:25
    • Responder

    eu acho isso verdade,nada é impossivel … mas quem sabe o mundo se acaba
    queria que ele se acabasse em zumbi ;>

    1. Rebeca,

      As nossas opiniões pessoais são irrelevantes em face dos factos 😉

      E sim, muita coisa é impossível. Por exemplo, a Rebeca transformar-se num unicórnio é impossível.

      abraços!

  3. Hei estou mesmo parvo, o cometa halley está aí lol

    1. Isto é é o que faz não dormir como deve ser há 3 dias 😛

      1. Tb vi o dito, achei imensa “piada” a distinção entre republicanos e os religiosos (vulgo pseudos)…lol

  4. Falta a passagem do cometa Halley 😛
    Ainda no outro dia deu um documentário na rtp 2 sobre a histeria que foi em Portugal em 1910. Pessoas deixaram de trabalhar, alguns padres disseram aos fieis que iam morrer e que tinham de lhes deixar as suas posses. E depois foi toda uma panóplia de banha da cobra desde pastilhas até sabonetes anti-cometa lol

  5. O gosto pela ficção e a criação de novos paradigmas imaginários parecem ser os únicos propulsores das ocasionais vagas de proponentes de um fim-do-mundo-em-cuecas.
    Muitas das sugestões resultam num potencial argumento para a cinematografia da especialidade, mas em termos filosóficos as implicações são prácticamente neutras – um verdadeiro fim do mundo implica que há pouco mais a fazer que possa ser mais efectivo que pôr um saco na cabeça. Torna também qualquer conjectura sobre o assunto numa fonte prolixa de (des)informação inútil – da perspectiva humana, se tudo acabar, nada há a considerar.
    Um domínio básico da lógica rápidamente converte o repulsão pelo caos num fascínio pelo cosmos, e gera uma atitude pragmática e direccionada a uma existência á escala humana, quando a constante cósmica é a criação e assimilação de “mundos” pelo universo….. e pelo “univerço”….

  6. LOL agradeço… mas não quero passar a noite a jogar cartas 😛 LOL 😛

    • José Gonçalves on 14/09/2011 at 13:45
    • Responder

    Olá linda,
    Não estou disponível. Sempre tens o Carlos Oliveira. 😛

  7. és lindo antes que o mendo acabasse gostaria de passar uma noite contigo

  8. Eu acho uma falta de consenso com os semelhantes…
    eu não acho que definitivamente irá acontecer um milagre dos céus .
    podem me criticar ,mais não devo ser forçado a acreditar naquilo que não me faz sentido…
    o fato de algo existir e que virá nos buscar no “futuro” ,é algo que não se encaixa em meu contexto.
    juro pensar que os humanos são burros ,más não posso criticar.
    assim como não gosto que me julguem também …
    então aqui vai meu comentário!
    “PAREM COM ESSA “#@$%!” O MUNDO NÃO VAI ACABAR ,A NÃO SER QUE O UNIVERÇO QUEIRA.”
    chega de falarem que o superior te espera com um mundo maravilhoso pós-morte .
    se querem se salvar guardem pra vocês.! milhares de pessoas ficam a mercê de um suicidio ,por culpa de pessoas hipócritas que não tem oque fazer.

    CHEGA!

    1. Evandro,

      Percebeu que o post vai no mesmo sentido do que disse?
      O post é a dizer que estas coisas dizem-se vezes sem conta… e são sempre mentira.

      Se ler outros posts no blog, verá dezenas de outros posts a dizer o mesmo… a dizer basicamente o mesmo que o Evandro disse… 😉

    • Manuel Martins on 21/05/2011 at 10:21
    • Responder

    It’s over, é o fim da picada.

    http://www.youtube.com/watch?v=u2UhvN0k74w

  9. “Um dos casos mais mediáticos foi o de David Koresh, que se suicidou com os seus seguidores em Waco, Texas.”

    Fica aqui perto de mim 😛

    Se vires o meu nome nas notícias, já sabes de que é: criei uma nova religião 🙂

  1. […] da Austrália. Edward Snowden. Júlia Pinheiro. Dissonância Cognitiva: mentiras. Lista + 10 + 11 + infografia. Ig Nobel. 1910. 2008. 2010. 2010. 2011. 2012. 2013. 2014. 2014. 2016. 2017. 2019. […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.