Monstro de Loch Ness existe mas Sereias não?

O Centro para Controlo e Prevenção de Doenças dos EUA começou há uns tempos atrás com uma campanha para as pessoas se prevenirem de zombies (mortos-vivos). A estratégia tinha como objectivo motivar as pessoas a terem mais conhecimento sobre prevenção de doenças, utilizando a imagem do zombie como chamariz. Como diz o Dr. Ali Khan: “If you are generally well equipped to deal with a zombie apocalypse you will be prepared for a hurricane, pandemic, earthquake, or terrorist attack.”
A campanha foi um sucesso! Devido ao tema (zombies), muitas pessoas ficaram interessadas em saber muito mais sobre formas de prevenir doenças.
O problema foi quando em Miami começaram ataques de drogados à cara das pessoas, e numa escola em Hollywood alguns alunos tiveram problemas de pele (provavelmente alergias).
Muitos americanos ficaram preocupados que existia mesmo um ataque dos zombies (mortos-vivos)!
E lá teve que vir o Centro para Controlo e Prevenção de Doenças desmentir a existência de zombies.
Por incrível que pareça, sim, em pleno século 21 é preciso comunicar à população que mortos-vivos não existem (são só ficção dos filmes).

Passado um mês, já em Julho deste ano, o canal Animal Planet decidiu dar um programa, em estilo de falso documentário, onde deixou a possibilidade de sereias existirem. Note-se que falar em possibilidades é uma forma pseudo de enganar as audiências, já que o conhecimento faz-se através de probabilidades e evidências.
E após muitos telefonemas de americanos a perguntar pelas sereias, lá teve que vir a Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA) desmentir a existência de sereias
Por incrível que pareça, sim, em pleno século 21 é preciso comunicar à população que sereias não existem.

Fico agora à espera dos comunicados a desmentir a existência de fadas, do pato donald, do pai natal, e demais seres alguma vez criados pela imaginação das pessoas.

Para terminar fica a história de que afinal um dos animais lendários existe para algumas pessoas.
É ele o Monstro de Loch Ness.

Em mais uma evidência de paragem cerebral dos extremistas religiosos nos EUA (os chamados Criacionistas), milhares de alunos de escolas privadas cristãs no estado da Louisiana estão a aprender (incluindo pelos livros Criacionistas) que a Evolução é uma treta e a prova da falsidade da Evolução está na existência da tal criatura na Escócia.
O currículo fundamentalista ensina às crianças que “a voz de “Nessie” já foi gravada através de um sonar de um pequeno submarino e que segundo as fotos e testemunhas oculares “Nessie” é um plesiossauro.” Segundo os Criacionistas, isto prova que humanos e dinossauros convivem juntos há muitos anos, e que a Terra só existe há 6.000 anos.
O facto da voz ser mentira e das fotos e das testemunhas não provarem nada, não é um problema para os fundamentalistas. Só para “provar” que Darwin estava errado, eles até poderiam afirmar que o Pato Donald é um ser real, e que a prova está nos milhares de livros a falar dele.
Enfim…

2 comentários

1 ping

  1. O tema Zumbi ja esta muito popular, varias pessoas sonham com um Apocalipse Zumbi (não sei para que), eu até gostava do tema, mas todo esse besteirou acabou com esse gosto e tudo piorou com os casos de pessoas drogadas (os sais de banho) atacando outras pessoas, para eles são zumbis e não pessoas drogadas (mas pela descrição do efeito, seriam mais Berserks do que Zumbis).
    abraço e bom trabalho

  2. posso parecer parvo, mas acredito nessa do Loch Ness, apenas porque vi um género de caçadores de mitos, para desvendarem a tolice das pessoas, e afinal foram abanados, digamos assim…

    mas até pode não existir..

    os episódios chamam-se – realidade ou montagem – é espanhol se não me engano.eles tentam imitar os mitos de forma básica, para revelar os mistérios e mitos que faz temer algumas pessoas.

    abraço.

  1. […] sóis. Homem do futuro. Satélite Black Knight. Triângulo das Bermudas. Lula gigante. Megalodon. Sereias. Monstro do Lago Ness. Lago Natron. Partos na Lua Cheia. Efeitos Lunares. Mitos da Lua Cheia. […]

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.