Uau, extraterrestres rupestres na Índia

Lógica do Times of India: uma bela mulher pintada de verde não é uma bela atriz pintada de verde, é uma bela alienígena.

Lógica do Times of India: uma bela mulher pintada de verde não é uma bela atriz pintada de verde, é uma bela alienígena.

Nada como seguir o rasto a uma notícia que se tornou viral. Adoro. É como um cão de caça farejando ligações no Google até descobrir finalmente a recompensa – uma deliciosa refeição conhecida como verdade dos factos, sem sal ou demais tretas. Neste caso tive ainda a sorte de o Carlos Daniel Abrunheiro ter percorrido o trilho antes de mim, apresentando no Facebook uns resultados muito elucidativos. E bizarros. E intrigantes.

Vamos começar como no Monopólio: pela casa Partida.

O jornal Times of India citou um arqueólogo, JR Bhagat, para noticiar a descoberta de pinturas de extraterrestres e OVNIs com 10 mil anos.

«As descobertas sugerem que os humanos em tempos pré-históricos podem ter visto ou imaginado seres de outros planetas, o que suscita curiosidade às pessoas e aos investigadores», afirmou Bhagat ao jornal, surpreendido por não se verem sinais de «narizes ou bocas» e, em algumas pinturas, parecerem usar «fatos espaciais».

«Não podemos refutar a possibilidade de se tratar de um produto da imaginação do homem pré-histórico», admitiu Bhagat com inesperado bom senso, voltando a falar dos intrigantes rabiscos pré-históricos «que lembram filmes de ficção científica de Hollywood

Ora, ouvir o apresentador do programa de TV Ancient Aliens no Canal Historietas balbuciar sobre extraterrestres na Antiguidade sem perceber um boi do assunto é uma coisa; ler uma citação diretamente atribuída a um arqueólogo é de ficar com os cabelos em pé – no sentido Giorgio A. Tsoukalos do termo.

Afinal eles andaram aí.

Legitimada pela conclusão de um cientista, a notícia multiplicou-se à velocidade da luz e, em breve, dezenas de sítios de «mistérios inexplicáveis» estavam a reproduzi-la triunfalmente. E agora?

Giorgio A. Tsoukalos

Giorgio A. Tsoukalos

Caça ao arqueólogo

Bem, nestes casos normalmente procura-se saber se esse tal JR Bhagat existe e, em caso afirmativo, se é mesmo um arqueólogo. Investiga-se a integridade da fonte.

Primeira pista: o senhor da foto publicada pelo Times of India.

Será ele o arqueólogo observando as pinturas com uma garrafa de água na mão?

O jornal publicou-a, o jornal legendou-a, mas não nos informou se o cavalheiro retratado é o cientista JR Bhagat ou outra pessoa qualquer – desculpem-me puxar a brasa à minha sardinha jornalística, mas isto suscita-me tanta curiosidade como a história dos extraterrestres rupestres.

Será que o fotógrafo pediu a um turista a passar por ali para se colocar diante das pinturas, de forma a dar mais vida e movimento à foto?

38435317

Amálgama de extraterrestres retorcidos

Em jornais como o Correio da Manhã, em relação ao qual o Times of India parece partilhar algumas afinidades, é vulgar pedir-se a um Zé Curioso qualquer que se deixe fotografar apontando para uma amálgama de ferros retorcidos (ou seja qual for o acidente objeto da notícia). Ter-se-ia passado o mesmo aqui? Nunca saberei – e estas dúvidas corroem-me a alma.

Seja como for, apontar para pinturas rupestres é uma prática comum quando se é fotografado. Esta foto, por exemplo, encontra-se no sítio do Departamento de Cultura e Arqueologia do Governo de Chhattisgarh: um senhor – possivelmente um turista – aponta para as mesmas figuras que tanto intrigam Bhagat, embora aí estejam identificadas como exemplos de arte rupestre, sem referências a extraterrestres, naves espaciais ou filmes de Hollywood.

O senhor arqueólogo JR Bhagat existe realmente? É um membro aceite na comunidade científica ou um excêntrico destrambelhado que publica estudos em pasquins pseudocientíficos como o Journal of Cosmology, tomado por alguns jornalistas facilmente impressionáveis como publicação fiável?

Cá vou eu: Google, Google, Google, Google, sempre a evitar as listas de sítios de OVNI como se estivesse a saltar sobre uma fogueira.

A conclusão é surpreendente: JR Bhagat existe de facto e é quem diz ser.

Eis uma foto tipo passe do senhor – muito diferente da imagem do figurante anónimo publicada pelo Times of India, por sinal. Bhagat andou recentemente envolvido em escavações arqueológicas numa antiga cidade em Tarighat, Índia, e está incluído na lista de pessoal na página do Departamento de Cultura e Arqueologia do Governo de Chhattisgarh – o mesmo departamento que no seu sítio na Web nos mostra as figuras como exemplos de arte rupestre. Ele é o sétimo a aparecer nessa lista.

O Departamento de Cultura e Arqueologia onde o arqueólogo do Times of India trabalha desconhece a existência de extraterrestres na pintura.

O Departamento de Cultura e Arqueologia onde o arqueólogo do Times of India trabalha desconhece a existência de extraterrestres na pintura.

Há aqui qualquer coisa que não bate certo, é como um vocalista de trash metal ser acompanhado pela Orquestra Sinfónica de Londres. Poderá o arqueólogo Bhagat ignorar que as figuras numa das pinturas que mostrou ao Times of India serem uma referência a um ser imortal da mitologia Hindu, o avatar Rama? Como se pode divulgar uma «descoberta» sobre pinturas há anos referenciadas e estudadas por arqueólogos?

Terá o jornalista interpretado erradamente o que lhe disse Bhagat? Será que Bhagat não deveria falar com jornalistas depois de um almoço bem regado? Terá o jornalista entrevistado um turista depois de um almoço bem regado, confundindo-o com o arqueólogo? Terá esse hipotético turista tido também um almoço bem regado? Terá entrevistado Erich von Däniken, mentor espiritual do Ancient Aliens, desconhecendo que Erich von Däniken não precisa de almoços bem regados para dizer disparates? Qualquer destas hipóteses é mais plausível do que a notícia do Times of India.

10516708_805858279447601_4462022699347201891_n

2 comentários

  1. A imagem do arqueólogo ´´Eis uma foto tipo passe“ esta off… Pode postar novamente?! Grato.

    1. Links corrigidos 😉

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.