Pareidolia Homeopática cria belos Placebos

homeopatia_

Num dos posts anteriores relatei a abordagem que fiz a diversos homeopatas no sentido de saber o porquê das diluições e de bater 3 vezes numa madeira. Nenhum me soube explicar. Alguns disseram que podia fazer desde que acreditasse, outros disseram que estava a questionar e isso era insultar. Enfim, penso que falta uma peça a muitas pessoas que praticam a homeopatia: saber o que é de facto a homeopatia, de onde vem, quais os pressupostos e quais as evidências.

Comecemos pelo início. Samuel Hahnemann, um médico alemão que viveu entre 1755 e 1843, estava revoltado com a medicina medieval que era praticada na altura. As sangrias e as purgas horrorizavam-no e as drogas tinham um grande potencial letal, como o mercúrio. Então, em 1790, fica atraído por um alcaloide, chamado quinino, que se mostrou eficaz contra a malária. Como médico, experimentou esta droga em diversos pacientes e concluiu que provocava sintomas semelhantes aos da doença. Daqui nasce um dos conceitos da homeopatia: “simila similibus” (com a ajuda do semelhante). Em 1810 nasce a homeopatia com a publicação do “Organon der Rarionellen Heikunde”. Para a época, o caminho seguido por Hahnemann podia não curar o doente, mas também não o matava e, desta forma, já era melhor do que a medicina da época. Só que a medicina, que tem base científica, muda com o tempo e transformou-se em algo muito diferente do que era. Ao contrário da homeopatia que manteve o mesmo pensamento e a mesma atitude e, em vez de mudar consoante as evidências, tenta criar evidências para a sua prática. Retirado deste artigo

A homeopatia assenta na similaritude da doença (simila similibus) e na diluição do princípio activo. Hahnemann especificou a diluição-padrão em livro publicado em 1811: 1 parte em 100, repetida 30 vezes, que corresponde a uma gota de substância diluída numa esfera de água com o diâmetro igual à distância que vai da Terra ao Sol.” A resposta dos homeopatas quando os progressos da química tornaram evidente este absurdo foi que a água guardava a “memória” da substância. (Daqui) Para defender esta ideia, a 30 de Junho de 1988, na revista Nature, saiu um artigo de Jacques Benveniste. Oito anos antes, Benveniste conheceu um jovem médico chamado Bernard Poitevin, enquanto investigava no Instituto Nacional de Saúde e Investigação Médica de França. Com a cooperação da investigadora Elisabeth Davenas, Poitevin começou a obter resultados experimentais que pareciam validar a memória da água. Foi neste momento que artigo foi publicado na revista Nature onde o editorial aconselhava prudência na aceitação dos resultados obtidos. (podem ler sobre a experiência no livro “Pipocas com Telemóvel”). Uma vez que havia dúvidas quanto aos resultados obtidos, os investigadores foram chamados a repetir a experiência, desta vez às cegas, para eliminar supostos vícios e truques/erros da equipa. Os resultados não se confirmaram, ou seja, o método experimental não era suficientemente robusto. Apenas um mês depois do primeiro artigo a Nature publica outro como o título “As experiências com diluições elevadas são uma desilusão”Contudo, a herança foi passada para os seguidores que tentam, até hoje, provar a memória da água para dar algum suporte à grande diluição da substância activa. (do livro “Pipocas com Telemóvel”, de David Marçal e Carlos Fiolhais)

Nos anos 90, o Masaru Emoto (fotógrafo) teorizou que a água tinha emoções. Colocou água em tubos de ensaio e escreveu palavras bonitas em frente a alguns desses tubos e nos outros tubos escreveu palavras feias. Os tubos com a água foram congelados. Mais tarde, no microscópio verificou que as águas dos tubos onde havia escrito palavras bonitas tinham formado cristais bonitos e as outras tinham formado cristais feios (sendo que a noção de beleza difere de pessoa para pessoa e de cultura para cultura). Desta forma, Emoto confirmou que a água se emociona, que percebe Japonês e que é muito sensível. Quando tentada a reprodução da experiência os resultados não foram os mesmos: não houve reprodutibilidade. O mago fez o mesmo com potes de arroz. Potes onde o arroz era tratado com palavras de amor ficava conservado e os potes onde o arroz foi tratado com palavras e sentimentos de ódio ou desprezo ficava estragado. Numa experiência é necessário estabelecer grandezas e que as condições possam ser replicadas.

Actualmente, H. Kröplin, no Instituto Aerospacial de Estugarda, descobre (ou pensa ter descoberto) um meio de fazer a estrutura de uma gota de água ser visível, ou seja, cristalizar a água… Após cristalizar a água verificou que todas as gotas apresentavam cristais diferentes e surgiu a pertinente questão: “porque são tão diferentes umas das outras?”. Kröplin fez, então, uma experiência: incentivou diversas pessoas a colocar uma gota de água numa lâmina. Cada pessoa produziu gotas diferentes… Ou será que independentemente da pessoa as gotas já seriam diferentes? Lembro que a questão inicial de Kröplin era “porque as gotas são sempre diferentes?” Agora acha curioso elas serem diferentes. Numa segunda experiência colocou uma flor dentro de água e a retirou. O resultado é uma espantosa pareidolia: uma gota retirada dessa água, que tinha estado em contacto com a flor mostra o que parece ser um rabisco de pétalas. (vídeo) Se a água guarda toda a informação, então porque a informação de esgotos, cacas de pombo, bacalhau, etc, não fica registado? Se esta água com memória selectiva consegue incorporar as virtudes da informação que capta, porque não é eliminada a fome como comida homeopática (leia-se bidons de água que estiveram em contacto com comida)? Não, não é uma piada de mau gosto, é uma ideia vinda directamente dos conceitos base da homeopatia. Se resulta para medicamentos terá de resultar para outros produtos, ou a água é selectiva naquilo que guarda? A água não tem sentimentos, nem necessidades, nem gostos. A água é apenas H2O. Não há evidências de que guarda informação mas muita gente continua a acreditar que sim sem evidências disso, sem evidências dos tratamentos (são apenas resultados de placebo).

Em 2015, foi feito um grande estudo pelo National Health and Medical Research Council, sobre a eficácia da homeopatia. O estudo considerou 176 ensaios clínicos e 57 revisões sistemáticas. A conclusão foi de que a homeopatia não evidenciou qualquer eficácia.

Uma pesquisa na Cochrane Colaboration, uma colaboração internacional que faz revisões da literatura médica, revela que nenhum remédio homeopático passa de placebo. (Podem ler aqui)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.