Plutão “despromovido” há 10 anos

O Sistema Solar, com os planetas anões conhecidos em 2006. Crédito: IAU/Martin Kornmesser

O Sistema Solar, com os planetas anões conhecidos em 2006. Crédito: IAU/Martin Kornmesser

Há 10 anos, no encerramento da 26ª Assembleia Geral da União Astronómica Internacional (IAU) a 24 de agosto de 2006, foram votadas as resoluções B5, que criou a atual definição de planeta e a categoria de planeta anão, e B6, que estabeleceu que Plutão, segundo essas definições, passaria a ser considerado planeta anão. Para assinalar a data, a partir de quarta-feira Plutão estará em destaque nas sessões imersivas fulldome do Planetário do Porto – Centro Ciência Viva.

Segundo a resolução B5, os planetas anões são os objetos do Sistema Solar que:

1 – Orbitam o Sol
2 – Têm massa suficiente para estar em equilíbrio hidrostático (grosso modo, têm uma forma “arredondada”)
3 – Não “limparam” a sua órbita
4 – Não são luas.

Apesar de na altura já se conhecerem vários objetos transneptunianos, a decisão de reclassificar Plutão foi precipitada pela descoberta de Éris (que na altura se julgava ser maior do que Plutão), em janeiro de 2005 pela equipa de Mike Brown (California Institute of Technology). Éris é um dos três corpos celestes (com Plutão e Ceres) que em 2006 integrou a categoria dos planetas anões.

Desde a despromoção, foram criados vários movimentos populares para restaurar Plutão ao seu “estatuto planetário”, sendo um dos seus principais defensores Alan Stern (SwRI), o investigador principal da missão New Horizons (NASA) a Plutão e à Cintura de Kuiper.

Mas para Ricardo Cardoso Reis, (Planetário do Porto – Centro Ciência Viva e Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço) a polémica não faz sentido: “A reclassificação foi largamente aceite pela maioria da comunidade astronómica mundial, pois mesmo antes da despromoção, Plutão era visto como algo que não encaixava no grupo dos planetas – nem era um planeta telúrico como a Terra, nem era um gigante como Júpiter.”

Reis acrescenta ainda: “Este tipo de despromoção já aconteceu antes. Ceres foi descoberto no início do séc. XIX, sendo de imediato classificado como planeta. Mas nas décadas seguintes, com a descoberta de cada vez mais objetos semelhantes, basicamente na mesma órbita, foi criada uma nova categoria para os classificar – os asteroides. Na altura a despromoção também foi polémica, no entanto hoje ninguém põe em causa que Ceres não é um planeta.”

Aos 3 planetas anões conhecidos em 2006 (Plutão, Éris e Ceres), juntaram-se em 2008 Makemake e Haumea. E em julho do ano passado, Plutão foi finalmente observado de perto, pela sonda New Horizons.

3 comentários

    • Reinaldo da Silva on 04/09/2016 at 06:10
    • Responder

    Eu vejo essa questão como já falei Plutão para mim é planeta e essa discussão toda não tem nada a ver com ciência, senão definição de nomes, classificações e nada mais.

    Quanto a Ceres não vejo problema algum na classificação ou de planeta ou mesmo planeta anão, um erro crasso foi cometido com Ceres, pois considerar Ceres asteroide é um tremendo absurdo, basta ver a forma da família de asteroides…

    Professor eu aprendi no parlamento a ouvir melhor no meio dos embates, debates, procurar a conciliação para para chegar a reconciliação e destravar os entraves.
    Uma saída conciliatória para o caso Plutão estaria em estabelecer um marco para a nomeação de planetas.
    Todo corpo no sistema solar que tivesse o tamanho de Plutão para cima seria considerado planeta, os demais que não tivessem não seriam considerados.
    Abraços

    • Reinaldo da Silva on 01/09/2016 at 23:21
    • Responder

    Para mim Plutão é planeta, e essa discussão toda não tem nada a ver com ciência, senão definição de nomes, classificações e nada mais, Plutão sofreu a palavra que está em moda aqui no Brasil GOLPE ! (Não quero entrar naquele outro mérito, apenas dizer que a palavra esta na moda )
    Pois a argumentação na época que : “Foi descoberto um novo planeta maior que Plutão ” verificou-se que não passava de uma falácia.
    Lamento a despromoção de Plutão deveria ser novamente ser elevado a categoria de planeta novamente.

    1. Reinaldo, também considera que Ceres é planeta, só porque na altura da descoberta foi erradamente classificado como tal? 😉

      abraços

Responder a Carlos Oliveira Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.